Sentinela do Norte

Missionário morto por indígenas isolados planejava converter “o último bastião de satanás”

Diário de John Allen Chau e pessoas próximas revelam um homem obcecado com os sentineleses, com o qual queria se integrar para cristianizar

John Allen Chau, o norte-americano assassinado em Sentinela do Norte.
John Allen Chau, o norte-americano assassinado em Sentinela do Norte.REUTERS

MAIS INFORMAÇÕES

Os pescadores que ajudaram John Allen Chau a entrar em território sob restrição em 17 de novembro o deixaram perto da costa enquanto ele mergulhava pela segunda e última vez na água para ir até Sentinela do Norte (no arquipélago Andaman e Nicobar, no leste da Índia). Lá, era esperado pelos indígenas isolados, que já o expulsaram antes da ilha. As declarações dos três pescadores à polícia descrevem como Chau tirou a roupa para ficar em cuecas pretas e, assim, tentar ser aceito, de acordo com o jornal indiano Hindustan Times.

O missionário norte-americano de 26 anos, que violou uma série de leis e colocou em risco a saúde do povo indígena, tinha planejado durante anos a aventura perigosa que buscava evangelizar os sentineleses. "Definitivamente, perdeu a cabeça", disse ao Washington Post Remco Snoeij, que conhecia Chau desde que ele visitou há dois anos o seu clube de mergulho na ilha Havelock, pertencente, como Sentinela do Norte, ao arquipélago de Andaman e Nicobar. Ainda chocado com o desaparecimento de Chau, Snoeij explica que ele tentou convencer o missionário a não viajar para a ilha porque estava fora de alcance do turismo, embora confesse que acabou alimentando seu desejo com histórias de outras visitas e tesouros escondidos em Sentinela do Norte. "Mas pergunte a qualquer aventureiro: você tem que perder a cabeça um pouco. Se não, você não vai", diz Snoeij, justificando-o.

O caráter aventureiro e a obsessão pelos sentineleses não eram novidade para o missionário nascido no Estado de Washington e filho de um médico que fugiu da China durante a Revolução Cultural. Em suas próprias palavras a um meio digital de aventura, Chau era fascinado com as viagens desde que, quando criança, pegou uma versão de Robinson Crusoé em uma das estantes do pai. Mais tarde, ele se formou em Medicina Esportiva, em 2014, na universidade cristã Oral Roberts e passou vários verões em uma cabana em um parque natural da Califórnia antes de ser voluntário em programas de futebol no Iraque e na África do Sul.

Nessa época, Chau já tinha em mente o contato com os povos de Andaman e Nicobar, para onde viajou entre 2015 e 2016. Nesse ano, alistou-se e recebeu treinamento da All Nations, um grupo do Estado do Kansas que envia missionários cristãos para 40 países. "John Chau fez o melhor que pôde", disse Mary Ho, presidente-executiva da organização, em declaração à CBS, em que insistiu que o procedimento seguido era legal. Ho afirma que sabia que Chau tinha viajado para a Índia como turista, e não como missionário, porque conhecia os problemas de solicitar essas licenças. Mas ela insiste em que o jovem não violou nenhuma lei e cita um artigo publicado pela imprensa local em agosto, nas quais se afirma que o Governo da Índia eliminou a exigência de obter permissão de área restrita para visitar várias ilhas do arquipélago.

Agentes da polícia local da Índia, familiarizados com o interrogatório dos pescadores presos por violarem a passagem restrita, dizem que Chau preparou uma mochila com seu passaporte, roupas, um kit de primeiros socorros, multivitaminas e outras necessidades, que ele mesmo escondeu em algum lugar da ilha na noite de 16 de novembro, uma vez que sua ideia era ficar e viver com os indígenas por "vários meses", de acordo com os detidos. Desde então não há notícias do norte-americano, que a polícia dá como morto. As autoridades suspenderam as operações de busca enquanto esperam que o povo se mude para outra área da ilha para tentar recuperar o corpo e seus pertences.

"Talvez os sentineleses tenham encontrado sua mochila, e a destruíram. É possível que permaneça lá. Chau temia que atirassem novamente uma flecha contra ele, por isso, levou pinças, alfinetes de segurança e remédios para conter sangramento", diz o agente à mídia local. Isso coincide com as notas que foram encontradas no barco, de acordo com as investigações, e que se referem ao incidente ocorrido no dia anterior. Membros da comunidade tentaram dissuadi-lo naquele dia da intenção de pôr os pés em terra. De acordo com pescadores, Chau teve que nadar cerca de 400 metros de volta para o barco quando os sentineleses destruíram seu caiaque depois de lançar flechas contra ele, uma das quais atingiu a Bíblia com a qual ele estava determinado a cristianizar a comunidade local.

A aventura evangelizadora deste pregador que ameaçava a integridade de uma etnia que vive isolada há dezenas de milhares de anos numa ilha de 72 quilômetros quadrados, protegida por uma zona de exclusão de cerca de quatro quilômetros imposta pelo Governo indiano, não só levou a uma investigação policial. Sua provável morte nas mãos de uma comunidade de caçadores e coletores relutantes em entrar em contato com o mundo exterior também acendeu o debate sobre a proteção dos indígenas. E também provocou indignação internacional contra um missionário cristão de quem não se sabe se era um desvairado com um complexo messiânico ou um mártir. "Deus, esta ilha é o último bastião de satanás onde ninguém nunca escutou o seu nome?", se perguntava o próprio Chau no diário escrito de próprio puno, que a família cedeu a The Washington Post.

A atitude dele vem sendo criticada por grupos de cristãos norte-americanos, que dizem que as suas missões têm de atender aos requisitos legais, além de serem precedidas de interação e conhecimento prévio da cultura local para evitar qualquer dano para a comunidade autóctone. Também o círculo mais próximo de Chau reconhece que sua obsessão sem limites o levou a se perder. "Ele sabia bem o que estava fazendo e sabia que isso não era totalmente legal", disse seu amigo John Middleton Ramsey, de 22 anos. Ramsey recorda que Chau já estava obcecado pelos sentineleses quando o conheceu em 2016, a tal ponto que sua teimosia o levou a evitar qualquer relacionamento pessoal que pudesse comprometer a sua missão: "Não queria partir o coração de ninguém se as coisas não saíssem bem. Conhecia os perigos daquele lugar.”

O diário de Chau descreve sua perigosa aventura. Após o desembarque no arquipélago em 16 de outubro, ele pagou a alguns pescadores locais para levá-lo a Sentinela do Norte na noite de 14 de novembro. Ao amanhecer ele se aproximou da ilha, onde algumas mulheres da aldeia estavam "tomando banho e conversando", escreve, quando homens armados com arcos e flechas atacaram enquanto ele se afastava gritando: "Meu nome é John, eu amo você e Jesus ama vocês". No segundo dia, ele foi de caiaque até a ilha para oferecer peixe, tesoura, corda e alfinetes a seus habitantes. Um homem gritou com ele, ao que ele respondeu com "hinos e canções religiosas" até que finalmente um jovem atirou a flecha que perfurou sua Bíblia. Ao regressar, escreveu uma de suas últimas notas: "Deus, não quero morrer. QUEM OCUPARÁ O MEU LUGAR SE EU MORRO?".

Arquivado Em: