Seleccione Edição
Login

Trump a um jornalista da CNN na Casa Branca: “Você é uma pessoa grosseira e horrível”

Presidente dos EUA volta a atacar Jim Acosta ao ser perguntado sobre a caravana de imigrantes

A Casa Branca retirou a credencial permanente do repórter

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o repórter da CNN Jim Acosta voltaram a protagonizar uma briga nesta quarta-feira na Casa Branca. Durante a extensa coletiva de imprensa dada pelo presidente para avaliar os resultados das eleições legislativas, houve vários momentos de tensão. Sem dúvida, o maior confronto ocorreu quando Acosta perguntou repetidamente ao republicano se não considerava que estava demonizando os imigrantes ao qualificar de criminosos os membros da caravana de centro-americanos que se dirige aos EUA. "Você é uma pessoa grosseira e horrível, você não deveria estar trabalhando para a CNN", respondeu Trump secamente e lhe tirou a vez de perguntar. À noite, a Casa Branca anunciou que estava removendo a credencial permanente do repórter (o hard pass) acusando-o de "pôr suas mãos" em uma jovem estagiária que tentou lhe tirar o microfone.

A discussão durou alguns minutos, já que o jornalista insistiu no tratamento dos imigrantes, lembrando o magnata que na campanha eleitoral usou imagens deles escalando muros em bando. Um desses anúncios foi censurado pela própria CNN, pela NBC e até pela meio amiga de Trump, a Fox News, que o consideraram racista. "[As imagens] são verdadeiras", afirmou o republicano. "Ou você acha que eram atores? Não vieram de Hollywood", ironizou. Acosta reagiu enfatizando que "eles estão a centenas de quilômetros de distância" da fronteira com os EUA. "Isso não é uma invasão", disse ele ao presidente. "Francamente, você deveria me deixar governar o país, você dirige a CNN e, se você fizesse isso bem, sua audiência seria muito maior", disse Trump, visivelmente irritado.

Quando o repórter tentou mudar de assunto e perguntar sobre a investigação que está sendo feita para determinar o papel da Rússia na eleição presidencial de 2016, o republicano ordenou que ele parasse. Seis vezes chegou a dizer que "já bastava", apontando o dedo para ele e virando o rosto para outros jornalistas. Uma funcionária tentou lhe tirar o microfone, mas Acosta não o entregou e continuou com a pergunta sobre a trama russa. Trump, ao ver que o representante da CNN não desistia, voltou a contra-atacar, acusando-o de tratar de um jeito "horrível" a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders: "Você não deveria tratar as pessoas dessa maneira". Foi ela que horas mais tarde informou via Twitter que a credencial de Acosta iria ser retirada porque “não toleramos um repórter que põe suas mãos em uma jovem que está tentando fazer o seu trabalho". O jornalista citou o tuíte e afirmou que isso era "uma mentira".

Os confrontos entre o presidente e o jornalista da CNN são de longa data. A primeira coletiva de imprensa que Trump deu como presidente eleito dos Estados Unidos marcou o precedente do relacionamento complicado que eles vêm mantendo nestes dois anos de mandato. O então novo inquilino da Casa Branca repreendeu o repórter e soltou uma frase que se tornou um emblema trumpiano: "Vocês são notícias falsas (fake news)". Esta ideia ganhou força entre os seguidores do nova-iorquino, que durante os recentes comícios da campanha eleitoral vaiaram e insultaram em várias ocasiões Acosta e outros repórteres da rede mais vilipendiada pelo republicano.

Mas a CNN não é o único caso. Trump tem se caracterizado por manter uma relação conflitiva com a mídia, a quem chamou de "inimiga do povo", dizendo que não publica a verdade. Os ataques do presidente à imprensa têm se repetido e ele chegou a afirmar que os jornalistas "colocam em risco a vida” de muita gente quando revelam as deliberações internas da Administração. A relação do republicano com a verdade é delicada, considerando-se que diz uma média de 16 mentiras ou meias verdades todos os dias, segundo a contagem do The Washington Post.

MAIS INFORMAÇÕES