Seleccione Edição
Login

Procurador-geral dos EUA deixa o cargo após guerra aberta contra Trump

O presidente anuncia a demissão de Jeff Sessions no dia seguinte às eleições legislativas.

Trump o culpa por boa parte de seus problemas pela investigação sobre influência russa na eleição

Jeff Sessions
Jeff Sessions, na passada quinta-feira AP

Donald Trump anunciou nesta quarta-feira através de sua conta de Twitter que Jeff Sessions deixa seu posto de secretário de Justiça — o equivalente ao posto de procurador-geral no Brasil. O presidente não esclareceu em seu primeiro informe os detalhes da saída de Sessions, que pediu demissão, mas já estava evidente que se tratava de uma demissão após uma longa batalha pública e frontal. A remoção do chefe do Departamento de Justiça para um caminho relacionado a uma investigação que afeta diretamente o presidente cria uma imagem de interferência muito prejudicial à administração republicana. É por isso que não é estranho que a bomba, esperada há algum tempo, tenha estourado após as eleições legislativas. O mais chocante é que aconteceu poucas horas depois do fechamento das urnas.

Trump anunciou o adeus de Sessions na quarta-feira no início da tarde através de sua conta no Twitter sem fornecer detalhes. Imediatamente depois, saiu a carta de renúncia, na qual Sessions deixou claro que renunciava "a seu pedido". Depois de vencer a eleição, o magnata de Nova York escolheu o senador do Alabama de 71 anos e credenciais ultraconservadores como seu procurador-geral. Foi um gesto de confiança para um dos republicanos que primeiro o apoiou. O idílio durou pouco. Em março de 2017, Sessions rejeitou a investigação da conspiração russa porque, durante a campanha eleitoral, ele teve uma reunião com o então embaixador russo em Washington, Sergey Kislyak, e não informou ao Senado. Esta inibição resultou em poucos meses mais tarde, o caso acabou nas mãos de um promotor especial, Robert S. Mueller, com uma reputação de cruel e independente, que há mais de um ano cria dores de cabeça para Trump.

A razão: após a desqualificação das Sessions, o número dois do Departamento de Justiça, Rod Rosenstein, tornou-se o chefe da investigação. A situação tomou um rumo em maio, quando o presidente decidiu por outra demissão incomum e altamente controversa, a de diretor do FBI, James Comey, que também foi criticado por sua investigação sobre o enredo russo. Rosenstein, para proteger a credibilidade dessas investigações, decidiu então nomear o procurador especial Mueller.

Desde então, Trump atacou Sessions publicamente e sem complexos. Um dos ataques mais recente ocorreu no final de agosto, quando em uma entrevista à Fox disse: "Eu coloquei um procurador-geral que nunca assumiu o controle do Departamento de Justiça, o que parece uma coisa incrível". "Ele aceitou o trabalho e logo disse: 'Vou me recusar'. Que tipo de homem faz isso?", perguntou-se o presidente.

Existem consequências imediatas e cruciais após esta saída: a investigação que estava nas mãos de Mueller não dependente mais de Rosenstein, com quem Trump também se desentendeu. Ela passa para o procurador-geral interino Matthew G. Whitaker, um fiscal da era Bush filho, que acaba por ser um grande detrator da investigação do procurador-geral. Em um artigo publicado em agosto de 2017, Whitaker advertiu que o caso estava indo longe demais e que, se a investigação fosse para as finanças pessoais do presidente, poderia ser uma mera "caça às bruxas", a mesma expressão que Trump usou várias vezes para se referir ao Russiagate.

Com Sessions fora de cena, Whitaker assume o comando. A história se passa um dia após os democratas ganharem a eleição na Câmara dos Representantes. A partir de janeiro, portanto, eles têm os votos necessários para investigar o presidente ou iniciar um processo de impeachment caso identifiquem crimes no enredo russo.

MAIS INFORMAÇÕES