_
_
_
_

Encontradas mortas 300 tartarugas em risco de extinção na costa do México

Os animais estavam flutuando e em avançado estado de decomposição, presos em redes de pesca

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Tartarugas mortas flutuam no mar em Porto Escondido, Oaxaca (México), em 28 de agosto
Tartarugas mortas flutuam no mar em Porto Escondido, Oaxaca (México), em 28 de agostoFrancisco Simerman (EFE)

Cerca de 300 tartarugas marinhas em risco de extinção foram encontradas mortas nesta terça-feira, 28, na costa de Oaxaca, localizada no sul do México. Os animais estavam flutuando e em avançado estado de decomposição, presos em redes de pesca. As autoridades investigam as causas da morte. Segundo dirigentes locais informaram à EFE, elas morreram ao ficarem presas em redes de pesca de atum. O México, santuário mundial das tartarugas marinhas, abriga seis dessas sete espécies do mundo. A pesca, o consumo e o comércio de seus ovos e da carapaça são punidos com prisão.

Mais informações
Gumercinda e Alice querem viver
Desmandos e impunidade ameaçam tartarugas
Aquecimento global transforma em fêmeas 99% de uma população de tartarugas marinhas

Os pescadores do sulista Estado de Oaxaca encontraram as tartarugas-iliva— Lepidochelys olivacea— na comunidade costeira de Barra de Colotepec, perto do povoado turístico de Puerto Escondido, segundo informou o coordenador da Agência de Defesa Civil do Estado, Heliodoro Díaz.

Os exemplares dessa espécie de tartaruga, as menores dentre esses quelônios marinhos que estão em risco de extinção, medem cerca de 75 centímetros de comprimento e pesam em média 45 quilos. De maio a setembro, descem até vários Estados mexicanos ao longo da costa do oceano Pacífico para a desova.

O México tem um programa permanente para proteger os répteis, que inclui sanções penais para quem os matar. O escritório do procurador federal para a proteção do meio ambiente afirmou que investigará o caso em coordenação com a Comissão Nacional da Pesca e Aquicultura e Defesa Civil.

“Não avaliamos a rede em sua totalidade. A princípio recebemos a informação de que eram duas redes. Há aproximadamente 300 tartarugas, mas a cifra pode aumentar”, disse José Antonio Ramírez, titular da Coordenação da Defesa Civil do município de San Pedro Mixtepec. “Encontramos essa rede conhecida como tresmalho e os pescadores nos disseram que não é da região, não é usada nestas praias e talvez possa ter sido abandonada por um barco atuneiro que não avisou (as autoridades) sobre a perda de rede e causou a morte das tartarugas”, acrescentou.

No início deste mês, as autoridades garantiram estar investigando a morte de 113 tartarugas marinhas em risco de extinção: 102 tartarugas-oliva, seis tartaruga-de-pente e cinco pertencentes a espécies de tartarugas-verdes em um santuário no sulista Estado de Chiapas. Os especialistas afirmam que a asfixia, os anzóis ou as algas nocivas poderiam ter matado as tartarugas, mas a causa ainda está sendo investigada.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_