Venezuela

Nicolás Maduro pede ao FBI que investigue o atentado contra ele

Presidente da Venezuela solicita a ajuda dos EUA para “desarticular” grupos “terroristas” na Flórida

Maduro em um ato militar neste sábado em Caracas.
Maduro em um ato militar neste sábado em Caracas. (REUTERS)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que aceitaria a colaboração do FBI nas investigações do atentado com drones cometido há uma semana num desfile da Guarda Nacional Bolivariana em Caracas. O mandatário pediu ao procurador-geral, Tarek William Saab, que “ratifique” a proposta de “cooperação” com a Embaixada dos Estados Unidos na Venezuela. “Eu estaria de acordo que o FBI viesse [...] e ajudasse a desarticular as células terroristas que estão na Flórida”, afirmou Maduro no sábado, durante um ato militar.

MAIS INFORMAÇÕES

Maduro acusa Osman Delgado Tabosky, que segundo ele reside na Flórida, de financiar o atentado com drones e um ataque ao forte militar Paramacay, no estado de Carabobo, em 2017. “É da Flórida que se ativa a explosão do drone que explode na frente da tribuna presidencial”, afirmou. Com insistência, ele pediu ao Governo de Donald Trump que extradite o suposto conspirador.

O mandatário também repreendeu o jornalista peruano Jaime Bayly por afirmar que conhecia o plano de ataque. “Imaginem um jornalista na TV venezuelana falando, por exemplo, do assassinato, que Deus o proteja, do presidente Donald Trump. O que faríamos aqui? A primeira coisa seria capturá-lo. Iria à prisão. E, se fosse estrangeiro, nós o extraditaríamos”, disse.

A perseguição contra os opositores se intensificou após o ataque com drones de sábado passado. O Governo exigiu que a Interpol capture Julio Borges, ex-presidente do Congresso, radicado na Colômbia. Maduro voltou a acusar o opositor de ter recebido “a ordem, os recursos logísticos e o apoio” para assassiná-lo. Também prendeu o deputado Juan Requesens por suposta participação no complô. Antes, a chavista Assembleia Nacional Constituinte tirou a imunidade parlamentar de Requesens, outorgada pela Constituição por ser congressista, um ato rejeitado pelo Legislativo, eleito em 2015 e de maioria opositora. Segundo Bayly, o deputado preso não sabia nada da conspiração. “Direi o que minhas fontes me contaram, e estou bem informado, acreditem. Os conspiradores fizeram treinamento na Colômbia? Sim. Tiveram dificuldade para trazer os drones para a Venezuela? Sim. A primeira tentativa falhou, por isso Requesens os ajudou sem saber que tentavam ingressar drones com explosivos”, afirmou o jornalista em seu programa de TV.

Os agentes do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional) vazaram um vídeo em que o deputado declara que ajudou um dos supostos culpados do atentado, o ex-militar Juan Carlos Monasterios Venegas, a entrar com explosivos na Venezuela. A polícia política também difundiu outra gravação mostrando o opositor semidesnudo e notoriamente perturbado.

Nos EUA, o secretário de Estado adjunto interino para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Francisco Palmieri, condenou a detenção do parlamentar. “Maduro e sua polícia secreta continuam ignorando o Estado de Direito com a prisão e a retenção ilegal do membro da Assembleia Nacional, constitucionalmente eleito, Juan Requesens. O último exemplo de uma longa série de abusos [aos] direitos humanos”, escreveu Palmieri no Twitter.

Até o momento, o Governo Trump não respondeu à proposta do sucessor de Hugo Chávez. O chanceler, Jorge Arreaza, reuniu-se na última quarta-feira com o encarregado de negócios dos EUA na capital venezuelana, James Story. Segundo o Governo da Venezuela, Story tinha se mostrado preocupado e manifestou a possibilidade de “cooperar com Caracas”. Mas a informação não foi confirmada pelo diplomata norte-americano.

Os laços entre ambos os países não são tão estreitos. Há uma semana, John Bolton, assessor de segurança nacional da Casa Branca, precisou esclarecer que o Governo dos EUA não participou do ataque com drones. “Poderia haver muitas coisas [por trás do incidente]: de um pretexto estabelecido pelo próprio regime de Maduro até outra coisa”, disse ele em entrevista à Fox News.

O chavismo considera os EUA como um de seus lendários rivais políticos. As relações bilaterais atravessaram momentos de tensão durante quase duas décadas, mas com o Governo de Maduro a fratura chegou ao limite. Por isso, uma aliança entre os dois países parece distante.

Arquivado Em: