Seleccione Edição
Login

Novas contratações e maiores apostas: o que esperar da nova temporada dos campeonatos europeus

A liga francesa dá, nesta terça, o pontapé inicial das competições europeias. EL PAÍS apresenta uma prévia das principais ligas

Cristiano Ronaldo em sua apresentação na Juventus.
Cristiano Ronaldo em sua apresentação na Juventus. Juventus via Getty Images

Nesta sexta-feira, 10, o pontapé inicial da temporada de campeonatos nacionais da Europa é dado nos territórios inglês e francês. Às 15h45 (horário de Brasília), Olympique de Marselha e Toulouse fazem o primeiro jogo da liga da França. Quinze minutos depois, Manchester United e Leicester entram em campo para abrir a rodada inicial do campeonato da Inglaterra. Espanha e Itália só começam seus torneios na semana seguinte, enquanto o campeonato alemão tem sua estreia marcada para 24 de agosto. Antes que a bola role, o EL PAÍS apresenta uma prévia das principais ligas europeias, suas novidades e seus maiores candidatos ao título.

Premier League

Na Inglaterra, o grande desafio dos aspirantes ao título é não permitir que o Manchester City, de Pep Guardiola, De Bruyne e Agüero, seja tão soberano quanto foi na última temporada. Os atuais campeões fizeram 100 pontos na edição passada, a maior pontuação da história da competição, 19 a frente do Manchester United, segundo colocado. Para a temporada 2018/19, Guardiola trouxe somente um reforço: Mahrez, do Leicester, melhor jogador da Premier League 2015/16. Com exceção de Yaya Touré, todo o resto do elenco campeão foi mantido.

Fred e Jorginho, dois volantes especulados no City, foram parar em rivais pelo título; o primeiro foi para o United, enquanto o segundo foi para o Chelsea. Kepa, espanhol que se tornou o goleiro mais caro do mundo, e Kovacic foram outros reforços da equipe de Londres, que também trouxe o treinador Maurizio Sarri recentemente. Hazard e Willian, sondados por times espanhóis, ficam no time de Sarri. Quem mais se reforçou foi o Liverpool: trouxe Alisson, Keita, Fabinho e Shaqiri para completar as posições carentes da equipe vice-campeã europeia. O Arsenal se reformulou após outra temporada frustrante, na qual não conseguiu nenhuma vaga em competições europeias e terminou com o adeus do treinador Arsene Wenger após 22 anos. Em seu lugar, foi contratado o espanhol Unai Emery. Com ele, chegaram o volante uruguaio Torreira, o goleiro Leno, o zagueiro Sokratis e o jovem meia Guendouzi. Maior rival local de Emery, o Tottenham não contratou e nem vendeu ninguém durante todo o verão europeu; ao menos, Lucas Moura, que chegou no clube em janeiro, fez ótima pré-temporada depois de seis meses apagados. Por último, o Everton se destaca pelos acertos dos brasileiros Richarlison e Bernard para o ataque e Mina e André Gomes, do Barcelona.

A Premier League foi a primeira das cinco ligas a encerrar o período para contratações, nesta última quinta-feira (9). Pela preparação, Manchester City e Liverpool parecem largar na frente de United, Chelsea, Tottenham e Arsenal, com o Everton brigando por uma vaga em competições europeias.

Alisson, em amistoso pelo Liverpool em Anfield.
Alisson, em amistoso pelo Liverpool em Anfield. EFE

Ligue 1

Se o Manchester City foi dominante na Inglaterra, o mesmo aconteceu com o Paris Saint-Germain na França. 93 pontos e 108 gols foram os números do atual campeão francês na temporada passada, comandado por Mbappé, Cavani e Neymar, mesmo com o brasileiro se machucando na metade da competição. Mbappé, que foi destaque na Copa do Mundo, e Neymar foram especulados como substitutos de Cristiano Ronaldo no Real Madrid, mas os dois permaneceram. O PSG vendeu Pastore e Berchiche, pouco úteis ao estrelado elenco, e contratou o goleiro Buffon. Outra novidade é o treinador alemão Thomas Tuchel.

Ao menos pela janela, nenhum adversário ameaça mais um título francês da equipe de Neymar. O Monaco, que foi segundo na temporada passada com 13 pontos a menos, tem como principal reforço o meia Golovin, que se destacou pela Rússia na Copa. A equipe do principado ainda liberou Boschillia, meia revelado pelo São Paulo, ao Nantes por empréstimo. Lyon e Olympique, que completaram o G4, não fizeram nenhuma contratação chamativa.

La Liga

Pela primeira vez em quase dez anos, o campeonato espanhol não será palco das duas maiores estrelas do futebol mundial: Lionel Messi e Cristiano Ronaldo. Isso porque o português, depois de 438 jogos e 450 gols pelo Real Madrid, foi para a Juventus por 117 milhões de euros. O Real especulou Hazard, Neymar e Mbappé como substitutos, mas as contratações feitas pelos madrilenhos até hoje foram o brasileiro Vinícius Júnior, o lateral Odriozola e o goleiro Courtois.

Messi, por outro lado, permanece no atual campeão, o Barcelona. O treinador Valverde, que perdeu Iniesta e Paulinho, reforçou a equipe para a atual temporada com o zagueiro Lenglet, vindo do Sevilla, os meias Arthur (ex-Grêmio) e Vidal (ex-Bayern) e o atacante Malcom, revelado pelo Corinthians e que teve a negociação do Bordeaux com a Roma interceptada pelo Barça.

Principal candidato a atrapalhar as duas potências na La Liga, o Atlético de Madrid repôs a saída do lateral Vrsaljko com Arias, do Ajax, além de trazer o meia da seleção francesa Lemar e o atacante croata Kalinic. A equipe de Simeone também renovou com Griezmann, especulado no Barcelona antes de ser o terceiro melhor jogador do Mundial, e viu as referências Gabi e Fernando Torres irem para Ásia. Nas outras equipes tradicionais, se destacam a ida Aleix Vidal do Barça para o Sevilla e Batshuayi para o Valencia, que também perdeu Gonçalo Guedes e Andreas Pereira após o fim dos empréstimos. Sem novidades, a disputa do título deve ficar entre Barça, Real e Atlético.

Arthur disputa amistoso pelo Barcelona contra a Roma.
Arthur disputa amistoso pelo Barcelona contra a Roma. AP

Serie A

A liga italiana começa atraindo muitos olhares por conta de sua principal novidade: Cristiano Ronaldo, novo camisa 7 da Juventus. Buscando o título da Champions League, a atual campeã ainda gastou 80 milhões de euros nas compras de Douglas Costa (que estava emprestado pelo Bayern) e João Cancelo, fora as permanências de Chiellini, Pjanic e Dybala. Também garantiu Emre Can de graça e a volta de Bonucci, em negócio que envolveu as saídas de Caldara e Higuaín para o Milan. O time rossonero de Milão, mais modesto depois da saída do grupo chinês que o administrou na temporada passada, trouxe o goleiro Pepe Reina do Napoli e cedeu o zagueiro Gustavo Gómez ao Palmeiras.

Principal rival do Milan, a Inter foi ao mercado para garantir uma boa volta à Champions League. Contratou Nainggolan da Roma, Vrsaljko, De Vrij e Lautaro Martínez, promessa argentina do Racing. Por sua vez, a Roma apostou nos jovens Ante Coric e Justin Kluivert, além do meia Pastore, e vendeu o goleiro Alisson. Três outros brasileiros saíram: Bruno Peres (São Paulo) e Gerson (Fiorentina) por empréstimo e Leandro Castán para o Vasco. Por fim, o Napoli, último vice-campeão, trouxe o renomado treinador Carlo Ancelotti para quebrar o jejum de 28 anos sem um scudetto. Com ele, chegaram Fabián Ruiz do Bétis, Verdi do Bologna e Meret, goleiro ex-Udinese.

A Juventus, que ganhou as últimas sete edições, se reforçou para aumentar sua soberania nesta temporada. Na briga pela segunda posição, Internazionale e Roma têm a vantagem de dar sequência ao trabalho do último ano, ao contrário do Napoli, que começa a temporada com um novo treinador.

Bundesliga

Tal qual o campeonato francês, é muito difícil imaginar o título alemão indo para outro clube além do favorito. No caso da Bundesliga, é o Bayern de Munique. Agora comandado pelo croata Niko Kovac, o atual campeão trouxe apenas Alphonso Davies, canadense de 18 anos, e Goretzka, ex-Schalke, que repõe a perda de Vidal. Suficiente para um elenco que já tem Neuer, Hummels, Robben e Lewandowski, entre outros.

Maior candidato a tirar a primeira posição do Bayern, o Borussia Dortmund perdeu Schurrle para o Fulham, Sokratis para o Arsenal e Yarmolenko para o West Ham. Como reposição, chegaram os volantes Delaney e Witsel ― ambos disputaram a Copa por Suíça e Bélgica, respectivamente ―   para fazer companhia a Reus e Pulisic. O Schalke 04, atual vice-campeão, perdeu o meia Max Meyer para o Crystal Palace. Quinto na temporada passada, o Bayer Leverkusen tem como principal reforço o atacante Paulinho, de 18 anos, revelação do Vasco da Gama. O RB Leipzig, que esteve na Champions na temporada passada, negociou seus destaques Keita e Bernardo (o último, brasileiro, para o Brighton da Inglaterra), e trouxe Matheus Cunha como reposição, que será parceiro de Timo Werner, titular da seleção alemã, no ataque.

MAIS INFORMAÇÕES