Seleccione Edição
Login

Papa ordena o afastamento de um cardeal até que ele seja julgado por abusos sexuais

Theodore McCarrick, arcebispo emérito de Washington, é acusado de cometer abusos sexuais contra menores

Igreja abusos sexuais
O papa Francisco (de costas) cumprimenta o cardeal e arcebispo emérito Theodore McCarrick, em setembro de 2015 em Washington. AP

O cardeal e arcebispo emérito de Washington Theodore McCarrick, acusado de abusos sexuais, deverá permanecer recluso e afastado de suas funções por ordem do Papa, até que sejam esclarecidas as acusações que pesam sobre ele. Como informou no sábado a Santa Sé através de um comunicado, na tarde de sexta-feira o cardeal apresentou sua renúncia como membro do colégio cardinalício através de uma carta. Menos de um dia depois, Francisco a aceitou e ordenou que o norte-americano permaneça “em uma casa que lhe será indicada para uma vida de penitência e oração, até que as acusações se esclareçam através de um processo regular canônico”. Uma medida que no mundo civil corresponderia à prisão preventiva à espera do julgamento. É a primeira vez que um cardeal renuncia de seu posto por esses motivos.

McCarrick sempre negou os fatos e recentemente manifestou através de um comunicado sua “plena” colaboração com as autoridades do Vaticano. Em 20 de junho, entretanto, uma comissão de investigação em Nova York determinou que as acusações “tinham fundamento e eram críveis”. Como resposta, na mesma semana, o secretário de Estado do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, ordenou que McCarrick abandonasse o serviço público, seguindo as instruções do Papa.

Em 20 de julho, um homem rompeu seu silêncio após 40 anos e afirmou ao New York Times que o cardeal McCarrick, que se fazia chamar entre os jovens de sua paróquia como uncle Ted (tio Ted), abusou dele quando tinha 11 anos. Na época, o padre tinha 39 anos e continuou seus abusos por mais duas décadas.

McCarrick foi ordenado cardeal por João Paulo II e participou do conclave de abril de 2005 em que Bento XVI foi escolhido Pontífice, mas não do que escolheu Francisco porque já tinha superado a idade permitida aos cardeais eleitores: 80 anos. Até esse momento era uma das autoridades eclesiásticas com mais poder e influência na Igreja norte-americana. No passado, já havia protagonizado outras polêmicas que nunca foram adiante, tanto por rumores de manter relações com adultos como por comportamentos inapropriados com seminaristas jovens, de acordo com a imprensa norte-americana. O cardeal Joseph Tobin, atual arcebispo de Newark, confirmou que receberam pelo menos três acusações do mesmo teor, na nota publicada pela diocese em que se informou a suspensão de McCarrick.

Há quase um século o Vaticano não presenciava uma situação parecida com um cardeal, ainda que por razões completamente diferentes. É a primeira vez que um cardeal perde sua posição por esse motivo. Em 1927 o papa Pio XI também aceitou a renúncia do francês Louis Billot após um conflito de teor ideológico com o Pontífice. Enquanto este se opunha e condenava o movimento de direita Action Française do polêmico Charles Maurras, o cardeal não escondia sua simpatia pelo ideário ultradireitista.

Em 2013, pouco antes do conclave em que Francisco foi escolhido, o cardeal escocês Keith O’Brien protagonizou um escândalo por seu envolvimento em um caso de abusos sexuais. O assunto durou até 2015, quando a Santa Sé encerrou a questão através de um comunicado em que explicava que o Pontífice havia aceitado a renúncia de O’Brien somente “aos direitos e prerrogativas cardinalícias”. O escocês faleceu em março, aos 80 anos e sem passar por nenhum processo judicial, mas chegou a reconhecer os fatos: “Existiram momentos em que minha conduta sexual esteve abaixo dos padrões requeridos como padre, arcebispo e cardeal”, disse à época. Seu caso começou a ser investigado em 2014 pelo monsenhor Charles Scicluna, hoje arcebispo de Malta e homem de confiança do Papa para averiguar os casos de abusos sexuais dentro da Cúria. Também se encarregou de gerir o escândalo dos Legionários de Cristo e desde o começo desse ano investiga também os casos de abusos sexuais por parte do clero do Chile, país para onde viajou diversas vezes como enviado especial. Mas O’Brien nunca chegou a perder o título cardinalício, ao contrário de Billot e McCarrick. Dessa vez a decisão do Papa foi mais drástica.

Com McCarrick, são quatros os cardeais nomeados durante o longo pontificado de João Paulo II envolvidos em casos de abusos sexuais: o arcebispo de Viena, Hans Hermann Groer, o próprio Keith O’Brien e George Pell, ministro das Finanças do Vaticano que está se defendendo das acusações nos tribunais na Austrália.

MAIS INFORMAÇÕES