Seleccione Edição
Login

O talento de origem africana conquista a Copa

Mais da metade da seleção francesa de futebol tem suas raízes na África

Mbappé com a taça da Copa, em Moscou.
Mbappé com a taça da Copa, em Moscou.

No restaurante Les Ambassades, de Dacar, a capital do Senegal, explode uma algazarra de júbilo. O jogador francês Pogba acaba de marcar o terceiro gol contra a Croácia na final da Copa da Rússia. O jogo está encaminhado, mas o quarto tento, obra de Mbappé, deixa selada a proeza. No final da disputa, muitos senegaleses celebram como se uma equipe africana tivesse conquistado a vitória. E o fato é que praticamente foi: 14 dos 24 jogadores da seleção francesa têm sua origem familiar neste continente, quase todos filhos de emigrantes chegados à França. Também na Bélgica e Inglaterra, equipes que chegaram às semifinais, o peso da imigração era mais que patente.

Esta não é uma história da Europa que virá ou do futuro. É a história da Europa que já está aqui, principalmente nos países mencionados. É uma história que tem a ver com construção, às vezes aos trancos e barrancos, e tendo que superar múltiplos problemas, de uma sociedade baseada em pessoas de origens bem diversificadas. A procedência africana de 14 jogadores da equipe francesa nesta Copa do Mundo é uma amostra dessa variedade: República Democrática do Congo (Mandanda, Nzonzi, Matuidi, Kimpembe), Marrocos (Rami), Senegal (Mendy), Mali (Kanté, Sidibé e Dembelé), Guiné (Pogba), Camarões (Umtiti), Togo (Tolisso), Argélia (Fekir) e Camarões/Argélia (Mbappé).

Os reis e presidentes que em 15 novembro de 1884 se sentaram a uma mesa em Berlim para repartir a África entre si como se fosse um bolo nunca poderiam ter imaginado, mais de um século depois, o alcance inesperado daquele despropósito. Não se descarta que o monarca belga Leopoldo II, que ficou com o Congo como uma propriedade pessoal e comandou um brutal genocídio contra os povos autóctones, teria um treco que o faria voltar ao túmulo se agora pudesse ver as cores da equipe nacional. Não só a Bélgica. A França e a Inglaterra, os países que colonizaram mais territórios na África, também são mais mestiços hoje, mais diversificados, mais ricos. Há dezenas de jogadores africanos que triunfaram no futebol europeu, a começar pelo lendário Eusébio, nascido no atual Moçambique (então Portugal) até os mais recentes George Weah (Libéria), Samuel Eto'o (Camarões), Didier Drogba e Yahya Touré (Costa do Marfim), Kanouté e Seydou Keita (Mali), Adebayor (Togo), Essien ou aqueles presentes nesta Copa da Rússia, Sadio Mané (Senegal) e Mohamed Salah (Egito). No entanto, atualmente estamos testemunhando a explosão de jogadores nascidos na Europa, especialmente em países como França e Bélgica, de pais africanos.

Todos estes jogadores, como Pogba ou Mbappé, que neste domingo fizeram a diferença na final em Moscou, são ídolos autênticos, referência para centenas de milhares de jovens africanos que sonham em jogar na Europa. A rota da emigração está pontilhada, para onde quer que você olhe, desse mesmo anseio. Seja no Senegal, Camarões, Mali ou Níger, em um quarto escuro de Gao onde se reúnem todas as noites, na estação de ônibus em Niamey, de onde partem carros lotados de jovens para Agadez, no campo de refugiados de Dar Es Salaam, junto ao Lago Chade, no planalto rochoso argelino, onde são abandonados a sua sorte, ou na selva mais profunda do Congo. O futebol é uma paixão que os leva a tentar.

Umtiti festeja a final da Copa da Rússia 2018, em Moscou.
Umtiti festeja a final da Copa da Rússia 2018, em Moscou. AFP

"É claro que estamos felizes, pois fomos nós que demos a vitória aos franceses", diz o jovem senegalês Cheikh Niang, com um largo sorriso. Na ausência de uma equipe para apoiar na Copa do Mundo depois da eliminação do Egito, Marrocos, Tunísia, Nigéria e do próprio Senegal, todos na primeira fase, as preferências se dividiam entre as seleções com jogadores de origem africana. Outros, no entanto, prefeririam que a Croácia ganhasse para verem a derrota da antiga metrópole, um reflexo do amor/ódio sentido por muitos cidadãos das ex-colônias ao país que os submeteu por décadas.

MAIS INFORMAÇÕES