Alckmin encara o dilema “você não gosta de mim, mas o mercado gosta”

Investidores traçam cenário perfeito com tucano no Planalto, mas ele não responde nas pesquisas

Geraldo Alckmin participa de debate em Brasília nesta quarta-feira.
Geraldo Alckmin participa de debate em Brasília nesta quarta-feira.ADRIANO MACHADO (REUTERS)
Mais informações

Uma vitória de Geraldo Alckmin (PSDB) em novembro provocaria uma melhora do índice Ibovespa e levaria o dólar para baixo de 3,40 reais, segundo avaliação de 97% dos investidores ouvidos pela XP Investimentos nesta semana. Nada mal para estes dias de instabilidade, em que a bolsa de valores apresenta quedas seguidas, e um dólar que já ultrapassa os 4 reais nas casas de câmbio. O problema é que o pré-candidato tucano ao Palácio do Planalto vive um dilema de ser o número um no coração e bolso do mercado financeiro, mas está bem longe de ser o predileto da população, pelo menos até o momento. Alckmin não decola nas pesquisas de intenção de voto — aparece com apenas 8% nos seus melhores cenários nas últimas pesquisas Datafolha e DataPoder360. Aparentemente estagnado, o ex-governador de São Paulo, que vira e mexe tem seu estigma relembrado — picolé de chuchu, por uma suposta falta de carisma —, está consciente da dicotomia e se esforça para quebrar esse descasamento. Nesta semana, até mudou de estratégia para tirar essa fama de 'bonzinho'. Alckmin dirigiu as baterias contra o líder das pesquisas e desafiou o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) via redes sociais para um debate sobre segurança. Bolsonaro respondeu com um deboche. “Quando ele [es]tiver na minha frente em São Paulo, ou atingir dois dígitos, ele liga para mim”, disse ao Estado de S.Paulo.

A situação de Alckmin, bem como dos candidatos a presidente, ficou em evidência nas últimas semanas agitadas no mercado brasileiro, de alta no dólar e queda na Bolsa. "A greve dos caminhoneiros gerou caos econômico e político e mostrou a fragilidade do atual governo, assim como uma insatisfação difusa da população com a política, o que torna a corrida eleitoral ainda mais imprevisível", avalia Rodrigo da Rosa Borges, chefe de investimentos de renda fixa e multimercado da Franklin Templeton Investments em relatório divulgado nesta semana. Frederico Sampaio, chefe de investimentos de renda variável do mesmo grupo, diz que "a única certeza é que ninguém sabe de nada" e lembra que a campanha só começa em agosto, depois de uma Copa do Mundo.

Sampaio destaca que a resposta do Governo Michel Temer aos caminhoneiros, se rendendo a todas as demandas e colocando em risco a política de preços da Petrobras, tornou mais sólida e visível a fraqueza do Palácio do Planalto e piorou as perspectivas de melhora econômica, que dependem das reformas. A debilidade de Temer jogou os olhos do mercado para o futuro e antecipou um quadro de incertezas que só deveria ter se estabelecido no segundo semestre do ano, na avaliação de Camila Abdelmalack, economista da Capital Markets. "O que assusta é o quadro como um todo. O Congresso está muito fragmentado e as candidaturas que têm a intenção de fazer reformas talvez não tenham força [para fazê-las], enquanto as que que teriam força talvez não tenham a intenção de fazer reformas como a da Previdência", diz Abdelmalack.

Em março, o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega já alertava para o risco Bolsonaro, numa previsão que agora soa profética: "Se amanhã o Bolsonaro aparecer com 40% nas intenções de voto, tudo despenca: a Bolsa, o câmbio vai para 4 reais, a confiança diminui e o risco do crescimento de 3% cair é grande. Temos uma reversão rápida do cenário atual", disse em palestra. Apesar de Bolsonaro não ter aparecido com intenção de voto tão alta (17% no último Datafolha e 25% no DataPoder360), o dólar já ronda os 4 reais e a previsão de crescimento do PIB foi reduzida pelo Governo para 2,5% — na expectativa do mercado, já caiu para os 2%.

"Ainda acreditamos que os candidatos mais ao centro devam acabar se movimentando no sentido de apresentar uma candidatura que seja viável para chegar ao segundo turno”, aposta a gestora de investimentos GTI. Em nota assinada por André Gordon, a GTI diz que Jair Bolsonaro não convence o mercado financeiro de seu compromisso com uma agenda econômica ortodoxa, mas destaca que ele apresentou o economista Paulo Guedes como seu futuro ministro da Fazenda. "Paulo Guedes, economista e PhD por Chicago com visão liberal, já apresentou, em algumas oportunidades, a sua visão. Se ele conseguir pô-las em prática, o Brasil viverá seus melhores anos em décadas", diz Gordon.

Futuro presidente

A visão do mercado financeiro é sempre um termômetro, mas é parcial por não considerar o eleitor comum. Assim, suas apostas se valem de lógicas matemáticas e não necessariamente estão ancoradas na realidade. Para 48% dos 204 investidores ouvidos pela XP investimentos, por exemplo, Bolsonaro, hoje, seria o provável vencedor da eleição. Alckmin, que em abril liderava a previsão da mesma pesquisa com os mesmos 48% de Bolsonaro, agora é apontado como futuro presidente por apenas 31% e fica em segundo lugar. Nas pesquisas de opinião, no entanto, o tucano estava em terceiro lugar nas preferências dos brasileiros, atrás de Ciro Gomes (PDT) e em empate técnico com Fernando Haddad (PT), que poderia vir a substituir Lula na corrida eleitoral. Ciro, entretanto, é apontado como alguém que contribuiria paras "desfechos negativos" para o Ibovespa junto com o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), na visão de investidores. Isso porque Ciro e o PT atacam a reforma proposta pelo governo Michel Temer, e pelas críticas ao teto de gastos públicos. No caso da ex-ministra Marina Silva (Rede), que aparece como futura presidenta para apenas 5% dos entrevistados, os investidores estão mais divididos: 36% apostam em alta na Bolsa de Valores com a sua eventual vitória, enquanto 40% preveem queda.

O fiador de Marina no mercado é André Lara Resende, um dos formuladores do Plano Real, diz Carlos Macedo, economista da Canepa Asset Managements. A consultoria traçou cenários para o mercado brasileiro levando em conta os nomes de Alckmin, Marina, Bolsonaro e Ciro. A ex-ministra não causa tanto temor. Na previsão da Canepa, o Ibovespa subiria num governo Marina, o dólar ficaria em torno de 3,50 reais e o país cresceria 3% no próximo ano. No caso de Bolsonaro, apesar de o receio estar amortecido pela parceria com o economista Paulo Guedes, o Ibovespa cairia dos atuais 86.000 pontos para 60.000, o dólar subiria para 4,10 reais e o PIB de 2019 cresceria apenas 1,9%.

O pior dos cenários projetados pela Canepa seria o de Ciro Gomes, que tem falado uma língua mais perto de anseios e pressões populares do que das expectativas reformistas do mercado — com ele, o Ibovespa cairia para 45.000, a taxa básica de juros poderia subir a 10% e a taxa de crescimento do PIB em 2019 não passaria de 1,3%, tudo isso com dólar a 4,40 reais. Talvez por isso, Ciro flerte com uma chapa com o dono da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), Benjamin Steinbruch, como vic. Recentemente filiado ao PP, Steinbruch acaba de se licenciar do cargo de vice-presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). Se essa hipótese se confirmar, seria a mesma fórmula empregada por Lula em 2003 quando se associou ao empresário José de Alencar para aplainar seu caminho para o Palácio do Planalto.

No caso de um Governo Alckmin, o cenário traçado pela Canepa Asset Managements é radicalmente diferente do de Ciro Gomes: Ibovespa a 170.000 pontos, taxa básica de juros a 6%, dólar a 3,25 reais e previsão de crescimento para o próximo ano de 3,5%. Praticamente, céu de brigadeiro na economia. Só falta convencer a população de que esse cenário há de se confirmar para que ele seja referendado nas urnas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: