Seleccione Edição
Login

Assassinato de Marielle Franco põe Planalto contra a parede

Com a segurança do Rio de Janeiro sob controle de um general, cabe ao Governo federal solucionar duplo homicídio de vereadora e motorista

Manifestação na Câmara dos Deputados.

Os brutais assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes e a comoção e mobilização provocadas pelo episódio emparedaram o Palácio do Planalto empenhado em transformar eventuais resultados em segurança pública em uma bandeira eleitoral do Governo. A investigação dos crimes está em vias de ser oficialmente federalizada a pedido do Ministério Público. Se o for, pode ser uma nova dor de cabeça para o presidente Michel Temer (MDB), o responsável por decretar a intervenção na área de segurança do Estado. O planejamento do interventor, o general do Exército Walter Souza Braga Netto, nem foi apresentado e ele já terá de lidar com uma delicada apuração que pode envolver policiais e/ou milicianos que atuam nas comunidades onde Marielle transitava.

Sabendo do potencial explosivo desta crise, Temer convocou uma reunião de emergência para a manhã desta quinta-feira, menos de 12 horas após o duplo homicídio. Sem detalhes das apurações policiais, pouco podia ser feito. Ao seu lado na hora de tomar decisão, dois generais (Sergio Etchegoyen, do GSI, e Carlos Alberto Santos Cruz, secretário-executivo do ministério da Segurança), além de dois ministros sem know-how na área de segurança (Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-Geral). Os resultados do encontro: 1) colocar a Polícia Federal à disposição do Estado para as investigações e; 2) enviar o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, e ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, imediatamente para o Rio. Ambos estavam em uma solenidade em Fortaleza, no Ceará, e participariam de um encontro com secretários estaduais de segurança em Brasília. Suspenderam o segundo compromisso para sinalizar aos cariocas a preocupação da gestão federal com o caso. Nas suas redes sociais, Temer ainda disse que o crime era um atentado à democracia. “Não destruirão o nosso futuro. Nós destruiremos o banditismo antes”.

Já no Rio, Jungmann disse que o crime já estava federalizado e comentou o pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para que ele seja investigado pela Polícia Federal. “A rigor, esta investigação já está federalizada, porque temos uma intervenção federal no Estado. Estamos todos trabalhando juntos, mas se ela entende que há necessidade de deslocamento de competência, se ela entende a necessidade de participação maior do que já vem acontecendo, da Polícia Federal, obviamente que nada temos a obstaculizar", disse, acrescentando que há "confiança no trabalho que está sendo desenvolvido pela Polícia Civil”.

Tentando mostrar compromisso com o Rio, mais uma autoridade tratou do assunto em nome do Palácio do Planalto, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun. Ele defendeu a intervenção federal e disse que, por causa dela, os assassinos de Marielle e Anderson serão encontrados. “A morte da vereadora é só mais uma evidência de que estamos no caminho certo ao decretarmos a intervenção no Rio de Janeiro. (...) Temos certeza que, em função da intervenção, em breve teremos esse crime esclarecido”, disse.

Combustível para militância

Quatro dias antes de ser morta, a vereadora Marielle criticou a atuação policial na comunidade de Acari. “O que está acontecendo agora em Acari é um absurdo! E acontece desde sempre! O 41° batalhão da PM é conhecido como Batalhão da morte. CHEGA de esculachar a população! CHEGA de matarem nossos jovens!”, afirmou em seu Twitter.

Conhecida por ser corajosa, ela não media suas palavras ao reclamar do que considerava uma injustiça. Sua família temia que, ao se tornar vereadora, ela poderia amplificar essa indignação, mas também se transformar em uma vítima. O deputado federal Chico Alencar, colega de partido de Marielle, relatou que a mãe da vereadora temia seu assassinato por ela ser muito “briguenta”. Mas desconhece se ela havia sofrido alguma ameaça. “Ela incomodava pequenas e grandes máfias”, relatou, sem denominar quem seriam os incomodados.

Na Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira, foi possível aferir a dimensão de como o duplo homicídio pode ter reacendido a chama dos movimentos sociais. Um ato convocado para ocorrer em um anexo do Legislativo foi transformado em sessão solene no plenário da Casa. A sala, que comporta cerca de 600 pessoas sentadas, estava lotada. Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara e conhecido opositor do PSOL, autorizou a sessão e a presidiu do início ao fim. Assim como Miro Teixeira (REDE-RJ), Maia chamado de golpistas, porque ambos votaram a favor do impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016.

Os ânimos estavam exaltados. Dezenas de pessoas choravam. Outras faziam gritos de guerra. Manifestantes, carregando girassóis, empunhando bandeiras de movimentos negro e LGBT, pediram o fim da Polícia Militar e o impeachment de Temer. Quando questionado ao fim do ato o que sentiu ao ser hostilizado, Maia disse que esse era um protesto natural da democracia. E que o atual momento da vida política brasileira exige equilíbrio. Os próximos dias serão fundamentais para saber a dimensão dessa crise.

MAIS INFORMAÇÕES