Presidente da África do Sul cede à pressão e renuncia ao cargo

Jacob Zuma foi encurralado por denúncias de corrupção e abandonado pelo seu próprio partido

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, anuncia sua renúncia.
O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, anuncia sua renúncia. (AP)

Encurralado por denúncias de corrupção e abandonado pelo seu próprio partido, o presidente da África do Sul, Jacob Zuma, de 75 anos, cedeu à pressão e comunicou oficialmente que “tomou a decisão de renunciar” ao cargo. Zuma, que chegou ao poder em 2009, se dirigiu aos sul-africanos na sede da Presidência, em um discurso esperado e retransmitido ao vivo pela televisão nesta quarta-feira. Declarou que, apesar de não estar de acordo com a decisão de seu partido de exigir sua renúncia, ele a acataria. Cyril Ramaphosa, presidente do partido de Zuma, o histórico Congresso Nacional Africano (CNA), o substituirá como presidente do país.

Zuma se mostrava reticente desde que na última terça-feira a cúpula do CNA –o hegemônico partido de Nelson Mandela no poder na África do Sul desde o fim do apartheid, em 1994– o deixou sem saída ao pedir que ele deixasse o cargo. Caso ele não renunciasse, o Parlamento sul-africano, situado na Cidade do Cabo, estava pronto para aprovar nesta quinta-feira uma moção de censura que o retiraria do posto. O ataque não seria novo para Zuma, que já havia sobrevivido a oito moções nos nove anos em que esteve na presidência. Desta vez, no entanto, ele teria contra si boa parte de seus camaradas.

MAIS INFORMAÇÕES

Foram os capítulos finais de uma transição dolorosa, que fere profundamente a sigla que se forjou como movimento de libertação contra o regime racista e que tomou as rédeas do poder com o apoio maciço dos cidadãos. Em seu discurso, Zuma começou mantendo uma atitude de resistência, dizendo que não temia “nenhuma moção de censura” e que não lhe tinham sido dados os motivos pelos quais deveria abandonar o cargo, mas, no trecho final, deu uma guinada ao anunciar a renúncia.

Detenções de aliados

Em paralelo à saga política, o círculo próximo de Jacob Zuma recebeu um golpe policial. Os Falcões –a unidade de elite da polícia sul-africana– realizaram nesta quarta-feira uma batida no luxuoso domicílio da polêmica e poderosa família Gupta, aliados do então presidente e com negócios com seus parentes. A ação, no norte de Johannesburgo, prendeu três pessoas e confiscou documentação e material, segundo confirmou a polícia, que não divulgou os nomes dos detidos. Um advogado da família declarou que nenhum dos irmãos Gupta tinha sido detido, de acordo com a Reuters.

As autoridades empreendem uma investigação por um caso de desvio de dinheiro público e de tráfico de influência no qual estariam supostamente envolvidos tanto membros da família dos empresários Gupta como o presidente sul-africano, que chegou a ter contra si mais de 800 ações judiciais ao longo de sua carreira.

Arquivado Em: