Eleições 2018

Datafolha: Lula lidera corrida pela Presidência em primeira pesquisa após condenação

Nas sondagens sem o ex-presidente, disputa contra o deputado Jair Bolsonaro fica acirrada

Lula discursa no lançamento de sua pré-candidatura, no dia 25 de janeiro
Lula discursa no lançamento de sua pré-candidatura, no dia 25 de janeiroNELSON ALMEIDA / AFP

Mais informações

A condenação por corrupção e lavagem de dinheiro em segunda instância pelo TRF-4, no último dia 24, não parece ter sido suficiente para convencer o eleitorado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a abandoná-lo na corrida eleitoral. Pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira pelo jornal Folha de S.Paulo mostra o petista à frente em todos os cenários em que seu nome aparece, com até 37% das intenções de voto.

Na sondagem em que Lula disputaria o primeiro turno com Jair Bolsonaro (PSC), Marina Silva (Rede), Luciano Huck (sem partido), Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), o petista aparece com 34% da preferência do eleitorado; o deputado, com 16%; a ex-senadora, com 8%; e os outros três ficam empatados, com 6% cada um. Os demais candidatos sondados somam 8%; os votos brancos ou nulos, 14% e 2% não souberam ou não quiseram responder.

A pesquisa, realizado na segunda (29) e na terça-feira (30), também mostra que Lula venceria as disputas de segundo turno: contra Geraldo Alckmin, por 49% a 30%; contra Marina Silva, por 47% a 32%, contra Jair Bolsonaro, por 49% a 32%. Na última sondagem realizada pelo Datafolha, nos dias 29 e 30 de novembro do ano passado, Lula venceria Bolsonaro no segundo turno por 51% a 33%.

Sem Lula

O ex-presidente foi lançado pré-candidato pelo PT mesmo após a manutenção de sua condenação pelos desembargadores do TRF-4 pelo escândalo do triplex no Guarujá, com aumento da pena, de 9 anos e 6 meses (sentença do juiz Sergio Moro) para 12 anos e um mês de prisão. Ele pode se tornar inelegível, mas ainda passará por julgamento no TSE em setembro.

Diante desse cenário, o Datafolha realizou sondagens em que o petista não aparece. A saída de Lula impulsionaria principalmente Marina e Ciro Gomes. Na comparação de cenários com e sem a participação do ex-presidente, Marina passa de 8% para 13%, enquanto Ciro cresce de 6% para 10%. Outros candidatos também crescem, mas com menos intensidade: tanto Alckmin quanto Huck sobem de 6% para 8%. Nesse cenário, Bolsonaro aparece em primeiro lugar, com 18%.

Apesar do favoritismo, Bolsonaro parou de crescer. Ele oscilou negativamente em todos os quadros apresentados na pesquisa, em comparação com o levantamento de novembro.

Favorito para se candidatar à Presidência pelo PSDB, Alckmin patina em todos os cenários, com variação de 6% a 11% das intenções de voto. No segundo turno, o tucano seria derrotado por Lula e aparece tecnicamente empatado em uma disputa com Ciro Gomes. Nesta segunda simulação, quase um terço dos eleitores diz que votaria em branco ou nulo.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), outra alternativa dos tucanos para a corrida, também não decolou: aparece com, no máximo, 5% das intenções de voto.

O Datafolha fez 2.826 entrevistas em 174 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR 05351/2018.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete