Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Incêndio atinge o Cristo do Pacífico na véspera da chegada do Papa ao Peru

A Polícia Nacional descarta que se trate de um ato de vandalismo e garante que o fogo foi gerado por um curto-circuito

O Cristo do Pacífico, na baía de Chorrillos em Lima.
O Cristo do Pacífico, na baía de Chorrillos em Lima. Reuters

Um incêndio atingiu, na madrugada deste sábado, 13 de janeiro, a estátua do Cristo do Pacífico em Chorrillos, o distrito do sul de Lima, segundo reportaram os bombeiros da capital peruana. Apesar de a imprensa local informar inicialmente que na base da estátua havia pedaços de tecido com cheiro de combustível, a Polícia Nacional descartou pela manhã que se tratasse de um ato de vandalismo e garantiu que um curto-circuito deu origem ao fogo, segundo informações da agência oficial Andina.

A estátua de 22 metros de altura, feita de resina de poliéster (fibra de vidro) com acabamento semelhante a cimento foi doada em abril de 2011 pela construtora brasileira Odebrecht ao Governo do então presidente Alan García. Os danos acontecem poucos dias antes do início da visita do papa Francisco, que chegará a Lima na quinta-feira, 18 de janeiro.

Em 2011, a doação da empresa brasileira foi polêmica porque a imagem foi instalada em uma região histórica protegida, na baía de Chorrillos, com rapidez e sem consulta prévia ao Ministério da Cultura nem à Prefeitura de Lima. Em sua carta de intenções da doação, a empresa brasileira disse que entregava a escultura, uma réplica do Cristo do Corcovado do Rio de Janeiro, para “contribuir com a melhoria urbanística da cidade de Lima e o embelezamento da região”.

Toda noite, a imagem reluz iluminada com duas cores: roxo e verde. Foi posicionada a pouca distância da Cruz do Papa, uma escultura de 45 metros inaugurada quando o papa João Paulo II visitou o Peru em 1988. Devido ao fogo, a parte da frente do Cristo ficou escura.

O coronel Manuel Rivera, chefe da Divisão Policial Sul 2, declarou à Andina que o fogo se deveu a uma falha elétrica devido à umidade e que a estrutura não sofreu danos importantes. “A segurança policial está garantida para a visita do Santo Padre”, acrescentou. Antes que a polícia esclarecesse que o fogo não foi produto de sabotagem, o ex-presidente García tuitou: “Malvados. Seu rancor tenta destruir a imagem de Cristo, mas só destrói suas próprias almas”.

A doação da Odebrecht esteve também em discussão em 2011 devido ao fato de que a declaração de embarque, em nome da construtora, declarava um valor de mais de 830.000 dólares (mais de 2,6 milhões de reais), que os especialistas consideravam uma supervalorização do plástico. A doação permitia à empresa um crédito tributário por esse valor.

O Banco de Andorra confirmou que um alto ex-funcionário do Governo de García, e amigo do ex-presidente, recebeu subornos da Odebrecht. Outros assessores e altos executivos do Ministério dos Transportes de sua administração (2006-2011) estão presos ou em investigação pela trama de corrupção na concessão da linha 1 do Metrô de Lima, construída pela empresa brasileira.

O incêndio do também chamado Cristo do roubado ocorre horas depois que a Promotoria do Peru solicitou, por meio de uma ordem judicial, a desapropriação de 43 imóveis de 13 empresas que foram sócias da Odebrecht. Entre 2011 e 2014 essas empresas simulavam concorrer à concessão de obras de construção de infraestrutura, mas entre elas acordavam quem receberia o projeto e em troca pagavam 2,9% da concorrência que venciam. Entre as companhias brasileiras em intervenção estão Andrade Gutierrez, OAS, Camargo Correia, Mota-Engil e Queiroz Galvão. Entre as peruanas, Graña y Montero e ICCGSA, que construíram com a Odebrect a rodovia Interoceânica Sul.

MAIS INFORMAÇÕES