Ameaça nuclear de Kim Jong-un ganha força com novos mísseis

Indústria armamentista norte-coreana realizou diversos avanços tecnológicos nos últimos meses, ainda que especialistas duvidem que consiga atingir os EUA

Celebrações neste sábado em Pyongyang pelo lançamento bem-sucedido do Hwasong-15, na quarta-feira passada.
Celebrações neste sábado em Pyongyang pelo lançamento bem-sucedido do Hwasong-15, na quarta-feira passada.KCNA (REUTERS)

O arsenal que Kim Jong-un herdou ao chegar ao poder, em 2011, não podia provocar uma explosão como as de  Hiroshima e Nagasaki, e seus mísseis não chegavam além dos mil quilômetros. Os últimos testes balísticos ordenados por seu pai, Kim Jong-il, fracassaram. Seis anos depois, e após substituir muitos militares por outros mais jovens com habilidades técnicas, a Coreia do Norte demonstrou nessa semana que seus projéteis podem atingir todo o território de seu grande inimigo, os EUA.

Mais informações

Já no primeiro semestre deixou claro que havia desenvolvido a bomba de hidrogênio, ou termonuclear, pelo menos 15 vezes mais potente do que as de 1945, segundo vários serviços de inteligência estrangeiros. Desde a posse de Donald Trump nos EUA, Pyongyang realizou vários avanços tecnológicos em sua indústria balística, como a propulsão sólida, que reduz a minutos o tempo de lançamento, e o domínio da tecnologia que evita que um míssil intercontinental se desintegre ao regressar à atmosfera.

Após terminar 2016 com dois testes malsucedidos, o líder supremo afirmou em janeiro que logo conseguiriam ter um míssil intercontinental (de alcance superior aos 5.500 quilômetros). Em 4 de julho, o dia da independência dos EUA, a Coreia do Norte o lançou com sucesso. A função principal desse tipo de míssil é poder liberar uma carga nuclear a milhares de quilômetros.

Na madrugada de quarta-feira, Kim Jong-un supervisionou o lançamento do Hwasong-15, o míssil mais sofisticado do regime comunista, com alcance a todo o planeta com exceção da América do Sul. Ainda assim, Pyongyang não demonstrou ser capaz de incorporar um sistema de navegação preciso aos seus mísseis e de conseguir manter a estabilidade ao voar na horizontal. Alguns dos analistas consultados consideram que esse teste demonstrou que Pyongyang já pode dirigir uma carga nuclear aos EUA, outros especialistas acham que estão a dois ou três anos de seu objetivo.

A rapidez com que evoluíram os programas balístico e nuclear de Pyongyang levantou muitas suspeitas entre os analistas. “É óbvio que receberam uma notável ajuda do exterior. Pyongyang não tem capacidade de conseguir avanços tão rápidos e complicados sozinha”, diz Joachim Krause, diretor do Instituto de Segurança da Universidade de Kiel (Alemanha). No começo da corrida armamentista norte-coreana a colaboração da URSS e do Egito foi essencial. Para as melhorias dos últimos meses há, de acordo com o especialista, duas possíveis explicações: “Que ainda exista um mercado negro de material soviético e existam engenheiros e físicos dispostos a trabalhar clandestinamente, ou que a Rússia, e provavelmente a China, trabalhem ativamente no programa balístico e nuclear norte-coreano”. Os descomunais veículos utilizados para transportar os mísseis intercontinentais são de fabricação chinesa, mas Pequim afirma que sua venda foi exclusivamente para uso civil.

Se Kim Jon-un chegar a ordenar o lançamento de um míssil balístico que leve uma carga nuclear contra território norte-americano, as probabilidades de sucesso seriam muito remotas. “Washington há 13 anos trabalha em um sistema de defesa ad hoc para a ameaça norte- coreana”, explica por telefone Patrick O’Reilly, ex-general norte-americano que dirigiu a Agência de Defesa de Mísseis.

O sistema aéreo de defesa norte-americano é formado por uma série de satélites, radares e sensores capazes de traçar quase instantaneamente a trajetória do míssil inimigo e programar o lançamento de um interceptador. Em caso de ataque, seriam lançados provavelmente entre quatro e cinco interceptadores. “Um pode falhar, mas é quase impossível que todos falhem”, explica O’Reilly.

Washington recentemente realizou um teste no qual lançou um míssil das ilhas Marianas e minutos mais tarde disparou um interceptador da Califórnia que colidiu a milhares de metros de altura contra o projétil. O mecanismo de defesa exige precisão absoluta. “Se o interceptador sai um segundo antes ou depois, passará a cerca de 15 quilômetros de seu alvo”, explica Ian Williams, diretor do programa de Segurança do Centro de Estudos Internacionais e Estratégicos (CSIS). O processo de interceptação é totalmente automatizado, exceto pelo fato de um ser humano executar a ordem de intervir. Williams explica que os EUA não contam com mais de 50 interceptadores, e segundo seus cálculos seria possível intervir eficazmente em um máximo de seis ataques.

Kim Jong-um, na quarta-feira passada, junto ao Hwasong-15, pouco antes de seu lançamento.
Kim Jong-um, na quarta-feira passada, junto ao Hwasong-15, pouco antes de seu lançamento.KCNA (REUTERS)

O regime norte-coreano não se concentrou apenas nos mísseis intercontinentais. Em fevereiro, foi usado pela primeira vez um míssil de propulsão sólida. A passagem de propulsão líquida para sólida permite reduzir o tempo de preparação, programação e lançamento de horas a minutos, e impede por completo que uma força aérea inimiga consiga bombardear a base de lançamento durante sua preparação.

Diferentemente dos testes balísticos, que são imprevisíveis, as imagens de satélite alertam seus vizinhos quando Pyongyang prepara um teste nuclear. Desde 1999, a Coreia do Norte é a única das nove potências nucleares que continua realizando testes atômicos. Seul avisou em março que o Exército norte-coreano estava cavando um túnel para simular uma explosão que seria no mínimo 15 vezes mais potente do que a anterior. A detonação ocorreu em setembro e o cálculo foi bem preciso: de 10 quilotons aumentou para algo entre 100 e 250, segundo as análises norte-americanas e sul-coreanas. O urânio e o plutônio abriram caminho para o deutério, um isótopo do hidrogênio indispensável para evoluir da bomba atômica para a termonuclear. O teste provocou um abalo de 6,3 graus na escala Richter, sentido até na China.

Muito menos atenção recebem os testes submarinos nas águas do mar do Japão. O Pentágono e os serviços de inteligência sul-coreanos prognosticam que no próximo ano o Pukkusong-2,  um míssil lançado de um submarino, pode estar em operação. Isso preocupa muito mais Seul e Tóquio do que Washington, apesar de representar um novo perigo para territórios presididos por Trump no Pacífico, como Guam e as ilhas Marianas do Norte. Os sistemas de defesa japonês e sul-coreano estão apontando exclusivamente para o território norte-coreano, e por isso um míssil vindo pelo mar seria muito mais difícil de interceptar.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: