Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Condenado por crimes de guerra se mata dentro do tribunal de Haia

O general bósnio-croata Slobodan Praljak tomou um copo de veneno durante a leitura de sua sentença

O ex-general bósnio-croata Slobodan Praljak, de 72 anos, morreu nesta quarta-feira depois de ingerir veneno durante a leitura de sua última sentença de apelação no Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia (TPII) por crimes de guerra. Prajlak, o comandante que ordenou atacar a ponte de Mostar, gritou que não era um criminoso de guerra e, depois, ingeriu veneno de um frasco diante da incredulidade dos presentes.

Condenado em 2013, em primeira instância, a 20 anos de prisão por crimes de guerra perpetrados contra muçulmanos da Bósnia, Praljak ingeriu uma substância desconhecida quando os juízes confirmaram novamente a sentença. Outros cinco réus haviam sido condenados há quatro anos, todos políticos ou militares bósnio-croatas, punidos por terem formado uma associação criminosa para criar uma Grande Croácia praticando a limpeza étnica.

A leitura da apelação era realizada quando o ex-general gritou e ingeriu um líquido do frasco que guardava no bolso. Sua advogada foi quem alertou que era veneno. A sessão foi suspensa em meio a uma grande confusão. Os advogados e secretários presentes na sala se levantaram e os tradutores, atordoados, desligaram os microfones. Carmel Agius, presidente da sala, ordenou que as cortinas do banco dos réus fossem fechadas, e a bebida misteriosa levada ao laboratório para análise. O tribunal, com sede em Haia, chamou uma ambulância. Uma investigação foi aberta, e a Sala 1 foi isolada porque é o lugar onde os eventos ocorreram.

A televisão croata revelou, depois de duas horas, que o general estava morto. A notícia foi confirmada mais tarde pelo primeiro-ministro croata Andrej Plenković, que ofereceu suas condolências à família e classificou a sentença contra Praljak como injusta.

Os juízes também mantiveram a pena de 25 anos imposta em 2013 contra o principal réu do grupo, Jadranko Prlic, ex-primeiro-ministro da autoproclamada República da Herzeg-Bósnia (1991). As penas foram as mesmas já impostas para Bruno Stojic, ex-ministro da Defesa da mesma república (20 anos); para o ex-general Milivoj Petkovic (20 anos); Valentin Coric, comandante da polícia bósnio-croata (16 anos); e Berislav Pusic, responsável pela troca de prisioneiros (10 anos).

Praljak foi quem ordenou o bombardeio da ponte otomana na cidade de Mostar, na região de Herzegovina. Construída no século XVI, atravessa o rio Neretva e une as duas partes da cidade. Em novembro de 1993, voou pelos ares e, no primeiro julgamento, considerou-se que sua destruição causou "danos enormes à população muçulmana". Embora tenha se tornado um símbolo da destruição da guerra, sendo uma das peças mais conhecidas da arquitetura islâmica nos Balcãs, no recurso foi aceita a explicação do ex-general. Ele havia dito que era "um alvo militar a mais". A ponte foi reconstruída com a ajuda do Banco Mundial e sob a supervisão da UNESCO. Foi reinaugurada em 2004.

De acordo com a sentença original, nos campos de internação de civis muçulmanos da Bósnia, "mulheres, crianças e idosos foram submetidos a condições desumanas, sem água, comida ou atenção médica". Esse tipo de tratamento constitui crime de guerra, talvez o mais inesperado do conflito dos Balcãs.

Os seis condenados lideraram uma campanha contra os muçulmanos da Bósnia entre 1993 e 1995, durante a Guerra da Bósnia, apesar de os bósnio-croatas e muçulmanos bósnios antes terem sido aliados. A República Croata da Herzeg-Bósnia foi proclamada em 1991, mas não obteve reconhecimento internacional.

Dissolvida em 1994, depois dos acordos de paz de Dayton assinados entre sérvios, bósnios e croatas, foi posteriormente incorporada à Federação da Bósnia-Herzegovina. Enquanto esteve ativa, impôs o que seus líderes chamavam de cultura croata baseada no controle da mídia e dos municípios.

MAIS INFORMAÇÕES