Zimbábue

Mugabe se nega a renunciar, apesar da intervenção do Exército

África do Sul tenta mediar a crise do Zimbábue com dois enviados a Harare e uma reunião dos países da região em Botsuana

Jornais do Zimbábue informam sobre a prisão de Mugabe.
Jornais do Zimbábue informam sobre a prisão de Mugabe. (AP)

Dois dias depois de o Exército do Zimbábue levar os tanques à capital do país, Harare, para assumir o controle das principais instituições, a televisão local e, sobretudo, o Palácio Presidencial, o mandatário Robert Mugabe, de 93 anos e sob prisão domiciliar, resiste a deixar o cargo. Segundo uma fonte citada pela agência Reuters, o presidente mais longevo do mundo se encontra detido com sua mulher, Grace Mugabe, e vários aliados políticos, no complexo casa azul, de Harare. O ainda líder do partido governamental União Africana Nacional do Zimbábue-Frente Patriótica (ZANU-PF) insiste em sua intenção de cumprir o atual mandato, que iria expirar após as eleições previstas para 2018.

MAIS INFORMAÇÕES

Uma delegação de representantes da vizinha África do Sul chegou ao Zimbábue para se encontrar com Mugabe durante esta quinta-feira. Foi justamente o presidente sul-africano, Jacob Zuma, na condição de número um da organização regional Comunidade para o Desenvolvimento da África Meridional (SADC, na sigla em inglês), que convocou uma reunião de urgência para esta quinta-feira em Botsuana para tratar da crise.

A atividade nas ruas de Harare mantém certa normalidade em meio a uma infinidade de especulações sobre o futuro do casal presidencial, seus aliados e o governo de um dos países mais pobres do mundo. A rede sul-africana SABC informou também que um sacerdote católico estaria mediando uma saída da crise. De acordo com essa emissora, Mugabe, acompanhado dos ministros Jonathan Moyo e Saviour Kasukuwere, argumenta que só a votação no âmbito de seu partido o faria deixar o poder.

A SABC revelou, coincidindo com outras informações da imprensa estrangeira publicadas recentemente, que o Zimbábue está possivelmente prestes a formar um Governo de coalizão transitório no qual o ex-vice-presidente Emmerson Mnangagwa, do ZANU-PF, destituído em 6 de novembro pelo próprio Mugabe, estaria à frente, em uma aliança com outros partidos políticos, como o Movimento pela Mudança Democrática (MDC-T) de Morgan Tsvangirai. O líder oposicionista zimbabuano, que venceu Mugabe no primeiro turno das eleições de 2008, regressou a Harare depois de dois meses em tratamento oncológico na África do Sul. Seu secretário-geral, Douglas Mwonzora, já mostrou sua disposição de participar de um Executivo de transição.

A destituição de Mnangagwa, que mantém fortes vínculos com o Exército e os veteranos da independência, grupo de poder no país, foi o desencadeador da intervenção dos militares, com o general Constantino Chiwenga à frente. “A lógica política”, afirma em uma análise por vídeo Derek Matyszak, do centro de análise Instituto para o Estudo da Segurança, com sede em Pretória, “sugere que a intervenção militar será curta e que, assim que se assegurarem de que Mnangagwa assume a presidência, voltarão aos quartéis”.

O possível mapa da estrada, segundo Matyszka, passaria pela volta de Mnangagwa à vice-presidência para que, assim que Mugabe renunciar ao cargo, possa assumir o poder em um processo transitório, de no máximo 90 dias, no qual o ZANU-PF deverá eleger novo líder em um congresso extraordinário. O ex-vice-presidente, que havia saído do país por supostas ameaças de morte depois de sua destituição do cargo, regressou nas últimas horas.

Por ora, Mugabe continua sendo, pelo menos no papel e de acordo com a versão do Exército, o presidente do país e comandante-chefe das Forças Armadas. Mas sua escassa popularidade, após 40 anos no poder, e a situação da economia, de novo se aproximando da hiperinflação, fizeram com que nem partidos políticos nem a sociedade civil tenham condenado a intervenção militar como “golpe de Estado”. Tampouco houve essa condenação no exterior. Somente a União Africana, presidida no momento pelo mandatário guineano Alpha Condé, afirmou que “nunca aceitará o golpe de Estado militar” e pediu a volta à Constituição pela via política.

Arquivado Em: