Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

“A Argentina tem dificuldade em gerenciar sua mediocridade”

Katz destaca que os argentinos “pensam que merecem mais do que têm, o que coloca o país permanentemente em uma situação de estresse”

eleições argentina
O editor Alejandro Katz, em Buenos Aires.

Alejandro Katz (Buenos Aires, 1960) é escritor, tradutor e diretor da Katz Editores. Em sua casa, no bairro portenho de Villa Urquiza, critica com dureza as elites argentinas. Acredita que falta nelas imaginação política e que não combatem os problemas mais prementes, como a desigualdade e a injustiça. Com um discurso pausado e reflexivo, Katz acredita que, para seguir adiante, a Argentina precisa recuperar o sentido do bem comum e assumir a mediocridade como virtude.

Pergunta. Como está a Argentina dois anos depois da mudança?

Resposta. A Argentina é um país razoavelmente medíocre que tem dificuldade em gerenciar sua mediocridade porque há crenças demasiadamente arraigadas sobre o que deve ser algo muito melhor do que é.

P. Os argentinos não se sentem medíocres.

R. Não. A mediocridade é uma virtude, a moderação dos gregos, a harmonia, mas na nossa cultura não é algo bem visto.

P. Por quê?

"O capitalismo neste país é predatório, rentista e anti-competitivo"

R. Por diversas razões históricas. Os argentinos pensam que merecem mais do que aquilo que têm, o que coloca permanentemente o país em uma situação de estresse, porque o que a Argentina produz não consegue satisfazer as expectativas coletivas. Não consegue satisfazer as expectativas salariais, tampouco as expectativas do capital. Isso representa um problema permanente e orienta a conduta das pessoas a práticas predatórias, a uma conduta propensa a capturar parte da renda de outros setores ou normalmente parte da riqueza futura. A recorrência da inflação na Argentina expressa isso.

P. Por que a Argentina não consegue baixar a inflação?

R. Porque a inflação é o consumo presente de riqueza futura, tecnicamente. E a riqueza presente não satisfaz as expectativas das pessoas. Então para a evitar o conflito social o que se faz é consumir no presente riquezas não disponíveis que se extraem do futuro através da inflação.

P. A elevada inflação argentina é uma anomalia na região. É muito mais alta do que nos países vizinhos.

"Nossa sociedade está fechada econômica e intelectualmente"

R. A sociedade chilena era uma sociedade que tinha um alto nível de expectativas mas a ditadura a disciplinou e, ao mesmo tempo, modernizou o Estado. A sociedade uruguaia também tem mais expectativas do que sua realidade lhe permite, mas o Uruguai se ajusta expulsando gente. Cerca de 30% da produção uruguaia está no exterior. Na Argentina encontrou-se outro mecanismo de ajuste.

P. O Governo de Macri está buscando soluções para esse problema?

R. Creio que o governo tem em mente a necessidade de melhorar as condições do funcionamento do capitalismo argentino, que é predatório, rentista, prebendário e anti-competitivo. Creio que o governo entende que criar um capitalismo competitivo e dinâmico é fundamental para pensar em qualquer outra coisa.

P. E os empresários estão preparados?

R. Há alguns setores que si, como os vinculados com a produção agropecuária que são inovadores e abertos ao mundo. Mas há um mundo do empresariado argentino que não só não está preparado como também é muito refratário, muito resistente a atuar em um ambiente não protegido. O fechamento da Argentina não é só tarifário alfandegário. Há problemas que se discutem no mundo e aqui não, como a desigualdade. Discute-se a pobreza, que é um problema moral. A desigualdade é um problema político. Não temos uma reflexão sobre o capitalismo possível. É uma sociedade muito fechada economicamente mas também muito fechada intelectualmente.

P. A Argentina olha demais para esse passado de potência?

"O que produzimos não consegue satisfazer as expectativas coletivas"

R. É um passado absolutamente idealizado. A renda bruta por habitante na Argentina de 1910 era a sexta do mundo, mas isso não quer dizer nada. Há um grande entusiasmo por esse passado idealizado que funciona como a promessa de um futuro possível, quando na realidade é o que impede uma imaginação sobre o futuro. Na Argentina falta imaginação política. Não há atores políticos de relevância que estejam propondo imagens do futuro em vez de recordações distorcidas.

P. Isso acontece também com o atual governo?

R. Creio que eles não têm uma ideia do futuro. Têm algumas ideias do passado que não gostaria de repetir. A política argentina de hoje, em alguma medida, é resultado da malversação das grandes palavras feita pelo kirchnerismo. Passaram 12 anos falando de igualdade e não produziram igualdade, falando de justiça e não produziram justiça. Há também um fenômeno da época, que está tendendo à “desideologização”.

P. As pessoas mais velhas lembram que em sua infância havia pouca pobreza e esta era transitória. Essa mobilidade social foi rompida?

R. Sim. Até meados dos anos 60 a pobreza da Argentina era da ordem de 5% e de ciclo curto. Os imigrantes chegavam às periferias das grandes cidades e se mantinham na pobreza até que conseguisse se inserir produtivamente na sociedade e passar a ser proprietário de sua casa, conseguir um trabalho formal, educar os filhos etc.. Isso se rompeu. Agora, a pobreza é de longa duração.

"A Argentina tem um grande déficit nas classes dirigentes"

P. Essa injustiça contribui para a sensação permanente de que tudo pode explodir a qualquer momento?

R. O que se vê é uma grande tendência à hipérbole. O governo de Cristina Kirchner nos conduzia ao fascismo, o governo de Macri é o neoliberalismo selvagem que perpetua a ditadura dos militares genocidas. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Nada vai estourar. A Argentina sabe enfrentar crises e seguir adiante. O grave é a injustiça. É uma sociedade muito complicada, construída sobre os privilégios do grupo. Há uma conduta contraditória. Por um lado não pagamos impostos porque ninguém paga ou não respeitamos as normas de trânsito e essas condutas se amparam na base do “somos assim”. Por outro lado, há grandes exigências em relação ao suposto direito de cada um de acesso a meios de bem-estar. A Argentina tem um grande déficit nas classes dirigentes. É preciso fazer muitos esforços para dar à democracia o valor epistemológico que ela tem. Senão é por a ilusão em um líder messiânico que traga uma verdade revelada e isso não funciona.

MAIS INFORMAÇÕES