Argentina

Mauricio Macri não pode com a inflação, o mal da economia argentina

O aumento de 1,9% registrado em setembro estraga a euforia dos empresários reunidos no fórum mais importante do ano

O presidente Mauricio Macri fala durante evento de campanha em Santa Rosa, capital da província de La Pampa.
O presidente Mauricio Macri fala durante evento de campanha em Santa Rosa, capital da província de La Pampa.

A economia argentina dá boas notícias na maioria dos indicadores econômicos, com exceção de um: a inflação. De acordo com o Indec, órgão oficial de estatísticas, o aumento dos preços foi de 1,9% em setembro, índice superior inclusive às estimativas menos otimistas feitas por estudos privados, o Congresso e até os sindicatos. O número correu como ar gelado no colóquio do Idea, o encontro anual de empresários mais importante da Argentina. Apenas a euforia dos participantes em relação ao rumo geral da economia neutralizou qualquer crítica em público, enquanto Marcos Peña, chefe de Gabinete e braço direito do presidente Mauricio Macri, previa que, apesar do último índice, 2018 fechará “com a menor inflação dos últimos oito anos”.

Faltam menos de duas semanas para as eleições intermediárias, nas quais os argentinos renovarão grande parte do Congresso. Todas as pesquisas indicam que o macrismo vencerá com facilidade em todo o país, inclusive na província de Buenos Aires, onde enfrenta a ex-presidenta Cristina Fernández de Kirchner por uma cadeira no Senado. Garantido o poder político, o Governo fará as reformas econômicas que fortalecerão a guinada que a Argentina deu a partir de dezembro de 2015. No Idea, Peña pediu aos empresários que apoiem esse novo rumo com investimentos.

MAIS INFORMAÇÕES

Até agora sobraram palavras de elogio dos empresários, mas Macri quer o compromisso de que também haverá dinheiro. Existe hesitação entre os investidores pelo que consideram uma combinação perigosa de variáveis: o déficit fiscal é alto (5% do PIB em 2017, de acordo com a consultoria Moody’s), o vermelho da balança comercial superará este ano os 6 bilhões de dólares (18,9 bilhões de reais), as taxas de juros estão acima de 26% desde abril, há defasagem cambial e, acima de tudo, inflação. A inflação em dólares já é um mal endêmico que a Argentina não consegue dominar e isso prejudica o crescimento. O FMI calcula que este ano o aumento de preços será de 22%, muito longe da meta –entre 12% e 17%– traçada em janeiro pelo Banco Central argentino (BCRA).

A Argentina ocupa o sétimo lugar entre os países com maior inflação do mundo, uma lista liderada por Venezuela, Sudão, Congo e Líbia. A estratégia de Macri até agora foi controlar a inflação com uma política de restrição monetária a cargo do BCRA. Seu presidente, Federico Sturzenegger, mantém as taxas de juros acima de 26%, mas a estratégia não deu os resultados esperados. Em apenas 9 meses, a Argentina ultrapassou a meta de inflação anual e as expectativas não são boas para depois das eleições. O Governo adiou os novos aumentos de combustível para o terceiro trimestre e ainda estão pendentes aumentos nas tarifas de eletricidade e gás, de alto impacto no IPC. O problema de base é que Macri até agora não conseguiu que a inflação subjacente –isto é, a que não leva em conta produtos regulados e sazonais– caísse abaixo de 1,5%. É consenso que se esse índice não baixar, 2018 continuará com uma inflação de dois dígitos. A política de taxas altas manteve o IPC sob controle, mas não conseguiu dobrá-lo.

A má notícia sobre a inflação contrasta com outros dados mais promissores. No início deste mês, o Indec revelou uma queda de 3,6% no índice de pobreza e aumentos de 5,1% na indústria e 13% na construção civil. A pobreza foi o dado mais relevante, porque inverteu os números dos primeiros nove meses de administração macrista, quando 1,5 milhão de pessoas ficaram pobres, atingindo 32% dos argentinos. O Governo espera que essas boas notícias sejam suficientes para superar com sucesso a prova eleitoral de 22 de outubro. Até agora, as pesquisas alimentam o otimismo oficial.