Trump ameaça a Coreia do Norte “com fogo e fúria jamais vistos no mundo”

O presidente de EUA responde às ameaças de Pyongyang com uma declaração incendiária

Donald Trump nesta terça-feira.
Donald Trump nesta terça-feira.Evan Vucci (AP)

A escalada verbal entre Estados Unidos e Coreia do Norte subiu na terça-feira. O presidente, Donald Trump, respondeu às últimas ameaças do regime de Pyongyang com uma declaração violenta e alarmante: “Será melhor que a Coreia do Norte pare de ameaçar os Estados Unidos”, disse ele a repórteres de suas férias em Bedminster, Nova Jersey, ou “vai se encontrar com uma fúria e um fogo jamais visto no mundo”. Trump é sempre excessivo, febril, na política interna e na externa, só que agora seu interlocutor é Kim Jong-un e o assunto tratado, as armas nucleares.

Mais informações

A Coreia do Norte disse palavras fortes nos últimos meses. O embaixador de Pyongyang na ONU, Kim In Ryong afirmou em abril passado que a “guerra termonuclear” poderia começar “a qualquer momento”. E no final de julho, o ministro de Defesa, Pak Yong-sik, alertou para um “ataque nuclear preventivo no coração da América”.

Trump, entretanto, tinha até agora usado um tom acima do de Barack Obama contra o regime, às vezes desafiador, como quando se gabava do poder de seu exército e advertiu a Kim Jong-un que ele estava “procurando problemas”. Mas na terça-feira agarrou o lança-chamas ao sugerir a possibilidade de uma ação militar contra o regime norte-coreano. “Ele esteve fazendo muitas ameaças, mais do que o normal”, disse referindo-se ao líder norte-coreano e “se encontrará com fogo e fúria e, francamente, um poder de uma magnitude que nunca foi visto antes neste mundo”, enfatizou.

A escalada verbal ocorre como resultado das duras sanções econômicas que o Conselho de Segurança das Nações Unidas impôs contra o regime norte-coreano, com a bênção da China, graças à pressão de Washington. A penalização vai cortar em 1 bilhão de dólares as receitas por exportações do já isolado país. Um editorial do jornal estatal norte-coreano Rodong Sinmun, publicado no domingo, mas escrito antes dessa resolução da ONU, ligava o alarme ao prometer transformar os Estados Unidos “em um mar de fogo inimaginável” caso as sanções fossem aprovadas e Washington optasse pela via militar.

A troca de ameaças preocupa os aliados dos EUA. O novo Governo Trump questionou várias vezes a política de “paciência estratégica” com a Coreia que foi uma característica da era Obama, levando em conta a proliferação de testes balísticos que o hermético país empreendeu no último ano. As sanções da ONU ocorreram depois que Pyongyang anunciou em 4 de julho que tinha testado com sucesso um míssil balístico intercontinental e no dia 28 do mesmo mês lançou outro míssil que atingiu águas japonesas

Trump fez as declarações depois de se reunir com o secretário de Saúde e Serviços Humanos, Tom Price, para analisar a epidemia de heroína que mata milhares de pessoas a cada ano nos Estados Unidos. No breve momento em que os meios tiveram acesso ao encontro, realizado no marco das férias do presidente, a mensagem foi enviada. Poucos minutos antes, o The Washington Post tinha publicado que a Coreia do Norte desenvolveu uma cabeça nuclear em miniatura que pode ser colocada em seus mísseis, o que representa um salto qualitativo na corrida armamentista que preocupa cada vez mais a comunidade internacional.

O Post citou um relatório da Agência de Inteligência de Defesa, concluído em julho. “A comunidade de inteligência avalia que a Coreia do Norte produziu armas nucleares para envio através de mísseis balísticos, incluindo a categoria de mísseis intercontinentais”, diz o documento. As trocas de “fogo” entre os dois países podem ter consequências desastrosas se forem além da metáfora.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: