Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A saga judicial de uma portuguesa para provar que sua vida sexual importa

Justiça de Portugal é condenada por minimizar danos de cirurgia ginecológica em mulher de 50 anos

Tribunal dos Direitos Humanos em Estrasburgo
Tribunal dos Direitos Humanos em Estrasburgo

A atividade sexual de uma mulher não vale menos por ter 50 anos. Foi o que considerou o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) que condenou Portugal por ter diminuído a indenização a ser paga a uma mulher que, por um erro em uma cirurgia ginecológica, ficou incapacitada de ter relações sexuais sem dor.

Em sua sentença, o TEDH considera que prevaleceu o preconceito de gênero no sistema judicial português. O tribunal do TEDH era composto por cinco homens e duas mulheres e a sentença foi aprovada por 5 votos a 2. O Estado português terá que pagar 5.710 euros, 3.250 deles por danos morais.

O caso remonta a 1995 quando uma empregada doméstica de 50 anos de idade passou por uma intervenção ginecológica. Como resultado da operação, a mulher, natural de Bobadela, ficou incapacitada de ter relações sexuais sem dor. Segundo o Tribunal de Primeira Instância, procurado pela vítima, “ela pode ter relações, mas com muita dificuldade”. Esse mesmo tribunal reconheceu uma compensação para a mulher de 172.000 euros pelo fato de sofrer incontinência urinária e fecal por causa da cirurgia.

A sentença em primeira instância sofreu vários recursos e, finalmente, chegou ao Supremo Tribunal Administrativo que reduziu a indenização para 111.000 euros porque a mulher “já tinha 50 anos e dois filhos”, uma idade em que “a sexualidade não tem a mesma importância que durante uma idade mais jovem, importância que vai diminuindo à medida que os anos avançam”. O tribunal contava com juízes entre 56 e 64 anos de idade, e apenas uma mulher.

“A igualdade de gênero ainda é uma meta a ser alcançada”, aponta o TEDH no texto da sentença, “e uma das maneiras é abordando as causas profundas da desigualdade gerada pelos estereótipos”. Os dois votos contrários foram de juízes do sexo masculino, enquanto que as duas mulheres explicaram seu voto particular favorável.

MAIS INFORMAÇÕES