Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Menina de cinco anos que vendia limonada em Londres é multada por “falta de licença”

Polícia britânica puniu o pai da criança em um valor equivalente a 612 reais

A criança de cinco anos vende limonada antes de receber multa.
A criança de cinco anos vende limonada antes de receber multa.

No sábado passado, 15 de julho, foi realizado o festival de música Lovebox no Victoria Park, no East London da capital britânica. O trânsito de pessoas por seu bairro foi aproveitado por uma menina de cinco anos, que montou uma barraquinha para vender limonada na rua da sua casa com ajuda de seu pai. Até aqui, não há nada de extraordinário na história, que mudou de rumo quando apareceram agentes da polícia de Londres. Multaram o pai da criança em 150 libras (cerca de 612 reais) por “comércio sem licença”.

Essa história chegou aos meios de comunicação depois que o pai, o professor universitário André Spicer, escreveu um artigo relatando o ocorrido no jornal The Telegraph. “Fiquei muito surpreso quando vi os quatro agentes de polícia”, disse ele ao EL PAÍS, por e-mail.

Como explica no jornal britânico, sua filha teve a ideia de colocar a barraquinha para vender limonada. “Um dia, enquanto voltávamos da escola, ela me disse que gostaria de montar uma barraca para vender alguma coisa. Quando perguntei o que gostaria de vender, me disse que brinquedos e comida”. Quando se deu conta de que não queria vender seus brinquedos, se decidiu pela limonada. “Após meia hora de trabalho com o liquidificador, tínhamos quatro jarras de limonada”, diz Spicer no The Telegraph.

O pai, professor na faculdade de Economia da Universidade de Londres, fixou os preços: 50 centavos por um copo pequeno e uma libra pelo grande. “Colocamos a barraca no final da nossa rua. 'Quem quer limonada?', gritava minha filha. Em um minuto chegou seu primeiro cliente. A limonada desapareceu rapidamente e sua lata de dinheiro ficou cheia. Foi um momento feliz. Meia hora depois, chegaram quatro agentes da polícia”, afirma.

Spicer diz que sua filha se sentiu muito mal. Perguntou várias vezes se tinha feito algo errado, depois que os agentes entregaram a multa ao pai da menina.

Cortesia de André Spicer
Cortesia de André Spicer

Os policiais estavam em seu direito de multar o pai e a filha por “comércio sem licença”. As normas para se vender na rua do bairro de Spicer estabelecem a obrigatoriedade de possuir uma licença e pagar uma taxa de 75 libras. No sentido mais rígido da aplicação das normas, os policiais tinham razão, mas a própria prefeitura reconheceu que “faltou bom senso”.

Em declarações citadas pela BBC, um porta-voz da prefeitura afirma que a administração sente “muito” pelo ocorrido: "Esperamos que nossos agentes mostrem bom senso e usem seu poder com sensibilidade. Nessa ocasião, está claro que não foi assim. A multa será cancelada imediatamente. Fizemos contato com o senhor Spicer e sua filha para nos desculparmos”. O pai da menina confirma que a multa foi cancelada.

No The Telegraph, Spicer afirma que disse à filha que poderiam pedir autorização para continuar vendendo limonada outro dia. “Não. Tenho medo”, respondeu a menina, segundo seu pai. “Essa história me fez perceber como somos restritivos hoje em dia com nossos filhos. Quando era pequeno, meu irmão e eu percorríamos quilômetros sem supervisão de adultos e gostávamos de vender de tudo para ganhar dinheiro. Nunca fomos multados”, acrescenta.

"Tudo que as crianças fazem hoje em dia é controladíssimo. Há boas intenções por trás dessa obsessão, mas podem ter efeitos negativos. Depois desse Lemongate, não sei como divertir minha filha até que as aulas comecem. Está claro que colocar uma barraca de limonada é arriscado demais. Talvez devesse dar um iPad à minha filha para que possa passar horas olhando para ele”, diz Spicer.

MAIS INFORMAÇÕES