Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

O mercado de votos no Congresso do Brasil

Há a impressão de que o que mais importa para os deputados é o preço material de cada voto

Temer no Palácio do Planalto
Temer no Palácio do PlanaltoUeslei Marcelino (REUTERS)

Existe a impressão de que o que mais importa para os deputados do Congresso não é se o presidente Temer deve ou não ser julgado por corrupção, e sim o preço material de cada voto.

Mais informações

E o que mais choca é que esse mercado não é escondido nem camuflado. Ao contrário, é discutido à luz do dia. Os deputados interrogados pela imprensa não dizem que estão ou não em dúvida sobre a culpabilidade de Temer e que será isso o que decidirá seu voto. Alegam motivos muito mais frugais.

A Folha de S. Paulo escreve, por exemplo, que alguns parlamentares estão indecisos se votam a favor ou contra o processo contra Temer devido à insatisfação com nomeações não cumpridas ou com emendas parlamentares com pagamentos atrasados. Outros dizem que ainda não decidiram seu voto porque esperam conhecer a reação de seus colégios eleitorais ou das redes sociais. Que Temer seja ou não culpado parece despertar pouco interesse entre eles.

O curioso e triste é que Temer conhece como ninguém esse mercado escancarado no Congresso. Por isso, parece menos preocupado em defender sua inocência – e convencer os congressistas de que não é corrupto – do que em identificar, uma a uma, as “insatisfações” dos indecisos para subir o preço da oferta.

Chegou a hora do comércio descarado de votos, algo bem parecido com o que vimos com o impeachment de Dilma, quando o ex-presidente Lula jogou suas cartas, em um hotel em Brasília, para “convencer” os senadores a salvar a mandatária. Também naquela ocasião, a culpabilidade ou não de Dilma contou menos na hora de votar do que os ganhos pessoais presentes ou futuros.

Não é preciso ter muita formação para que as pessoas nas ruas entendam que esse mercado de votos, em momentos tão cruciais e decisivos para a democracia e o futuro do país, é no mínimo indecente. Com a possível nova incriminação do senador Collor, seriam já cinco ex-presidentes da República com problemas na Justiça desde a redemocratização. Um número alto e perigoso demais para uma democracia ainda jovem como a brasileira.

O que fazer? Essa é a pergunta do milhão, feita até pelos analistas políticos mais independentes. Enquanto isso, o Brasil chora e se desespera, incrédulo, com a bala que atravessou o bebê ainda no ventre de uma mulher no Rio, metáfora de uma cidade que é símbolo, ao mesmo tempo, de um país que parece naufragar perseguido pelos fantasmas da corrupção de seus políticos e da aparente indiferença das pessoas, que preferem ficar em suas casas vendo os touros da janela a sair às ruas para expressar sua indignação.

Os corruptos agradecem.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: