Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Presidente do Conselho de Ética salva, por ora, Aécio Neves de cassação

Para senador Souza (PMDB-MA), que arquivou processo no Senado, não há "provas" contra tucano

O senador afastado Aécio Neves.
O senador afastado Aécio Neves.

Afastado de seu mandato pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e investigado pelos crimes de corrupção e obstrução da Justiça – em que é apontado como receptor de 2 milhões de reais em propina de Joesley Batista, dono da JBS –, Aécio Neves ganhou algum respiro com decisão monocrática desta sexta-feira do presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), de arquivar representação contra o ex-presidente do PSDB.

Em que pese que há um pedido da Procuradoria-Geral da República de prisão a ser julgado pela primeira turma do STF, Souza disse por meio de sua assessoria de imprensa que “não há elementos convincentes para que se abrisse um processo contra Aécio Neves”. Ainda para o presidente do Conselho de Ética, as provas apresentadas na representação não são suficientes pois se baseiam em “recortes de jornais, de revistas e fitas gravadas que não dizem nada que culpe o senador”.

A representação, que pede abertura de processo por quebra de decoro, foi apresentado em conjunto pela Rede e pelo PSOL. O movimento veio após as primeiras informações sobre as delações da JBS e esperava, desde então, um posicionamento. Segundo sua assessoria, Souza ainda não tinha se posicionado pois estava de licença médica. Agora, com o pedido arquivado, qualquer integrante do Conselho de Ética tem até dois dias úteis para recorrer da decisão, desde que conte com o apoio de cinco parlamentares.

As investigações que motivaram o requerimento da Rede e do PSOL, embasaram o afastamento de Aécio do Senado, e que também são a motivação do pedido de prisão, apontam que o contato de Aécio com Joesley foi feito pela irmã de Aécio, a jornalista Andrea Neves, que está sob prisão domiciliar. Um primo deles, Frederico Pacheco, também preso, teria sido o receptor de parte dos 2 milhões que teriam sido requisitados por Aécio. Além dele, o ex-assessor parlamentar de Zezé Perella (PMDB-MG), Mendherson Souza Silva, também faria parte do esquema e está preso.

Na defesa de Aécio Neves, os 2 milhões de reais seriam um empréstimo para que ele pudesse pagar as despesas de advogados que o defendem no âmbito da operação Lava Jato. Um dos autores da representação no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou ao UOL que pretende recorrer da decisão: “É um mecanismo lamentável tomarem uma decisão na sexta-feira, no limite do prazo”.

MAIS INFORMAÇÕES