Peru protesta contra o Equador pela construção de um muro na fronteira

O Governo peruano pede ao país vizinho que paralise a obra de quatro metros de altura

O muro que separa os países
O muro que separa os paísesPRESIDENCIA DE ECUADOR

O Governo do Peru pediu, na segunda-feira, dia 5 de junho, ao Equador que paralise as obras de construção de um muro de quatro metros de altura na fronteira comum e convocou o embaixador em Lima para apresentar uma nota de protesto. O Ministério das Relações Exteriores peruano denunciou a construção de um fosso “a poucos metros da margem direita do Canal Internacional de Zarumilla”, em território equatoriano, “que impacta negativamente a integração fronteiriça”.

Mais informações

O Ministério das Relações Exteriores do Peru pediu a “imediata paralisação dos trabalhos” na fronteira binacional e exigiu, além disso, “uma reunião urgente bilateral de caráter político e técnico”, segundo um comunicado à imprensa.

O muro está localizado na cidade de Huaquillas, na província equatoriana de El Oro, e acompanha a margem direita do canal internacional de Zarumilla. Acostumados à passagem constante pela fronteira, muitos comerciantes também manifestaram seu mal-estar em função das obras. O Equador assegura, no entanto, que o trânsito está garantido, pois o projeto inclui a construção de uma passarela para pedestres.

A Embaixada do Peru recordou na nota à imprensa “a obrigação do Equador, em conformidade com o Acordo de Bases de 1998, de deixar disponíveis 10 metros na margem direita” do canal de Zarumilla e de “construir nessa faixa um acesso de serviço”. “Da mesma forma, destacou-se as implicações que tal obra tem sobre a distribuição do fluxo de água, especialmente em grandes avenidas, situação que eleva o risco de inundações na zona urbana da Villa de Aguas Verdes”, finaliza o comunicado.

“Soluções em conjunto”

Em resposta, o Ministério do Desenvolvimento Urbano do Equador afirmou que o muro cumpre o estipulado no Acordo de 1998. María Alejandra Vicuña, titular da pasta, assegurou em uma nota à imprensa que “os canais de diálogo” com o Peru “permanecem abertos para encontrar soluções em conjunto”. “Tudo é passível de revisão para chegar a acordos”, afirma a ministra.

Fontes da Torre Tagle — a sede do Ministério das Relações Exteriores peruano — mostraram-se surpresas com essa construção, que nos tempos atuais guarda “uma lamentável semelhança com o muro de [Donald] Trump”, na fronteira de EUA e México; insistiram que “o mais importante é encontrar os mecanismos para manter a extraordinária relação diplomática travada entre Peru e Equador nos últimos anos”.

Os dois países sul-americanos compartilham uma fronteira de 1.500 quilômetros que começa no oceano Pacífico e termina no rio Putumayo, em plena selva amazônica. Foi alvo de várias polêmicas e dois conflitos armados, que levaram à intervenção de Argentina, Chile, Brasil e EUA, países avalistas do protocolo limítrofe do Rio de Janeiro de 1942. De maneira simbólica, o último marco demarcatório foi estabelecido em maio de 1999.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: