Seleccione Edição
Login

Trump radicaliza discurso nacionalista diante da censura global

Ruptura do Acordo de Paris e ataques à Alemanha dão força ao setor mais extremista da Casa Branca

Donald Trump fazendo anuncio na Casa Branca
Donald Trump fazendo anuncio na Casa Branca AFP

Primeiro foram os ataques contra a Alemanha pelo superávit comercial, depois sua política anti-imigração e agora a ruptura do Acordo de Paris. Em apenas uma semana, o presidente dos EUA, Donald Trump, pisou no acelerador do nacionalismo econômico e deu novas forças à sua ala mais radical. Nessa volta às origens, personagens como o estrategista-chefe, Stephen Bannon, reapareceram e o setor moderado da Casa Branca perdeu força. A guinada, até agora, é apoiada pela maioria dos republicanos.

Trump não se moveu de onde sempre esteve. Nunca acreditou na mudança climática e sempre desprezou o Acordo de Paris. Mas desde que chegou à presidência, aumentaram as pressões ao seu redor para abrandar seus desejos de ruptura. Essa disputa opôs os radicais, liderados por Bannon, ao setor mais moderado, com figuras influentes como a filha mais velha do presidente, Ivanka Trump; seu marido, Jared Kushner, o conselheiro econômico, Gary Cohn, e o secretário de Estado, Rex Tillerson, ex-diretor-executivo da gigante do petróleo Exxon.

As discussões foram permanentes. Atrás das paredes da Casa Branca, o estrategista-chefe e seu grupo fizeram da ruptura do Acordo de Paris uma batalha fundamental. Apresentaram o caso como se fosse uma audiência judicial, esbanjaram negacionismo e, principalmente, apertaram a tecla eleitoral. Era um compromisso com seus eleitores e derrubá-lo atentaria contra o núcleo do patriotismo econômico. Essa doutrina, talhada pelo tenebroso Bannon, bebe igualmente do isolacionismo e do ódio ao sistema: exatamente os dois pontos que o pacto põe em questão.

“Se você acha que vão dar o seu país de volta sem lutar, você está redondamente enganado. Todos os dias será preciso lutar!”, chegou a dizer Bannon em uma de suas poucas aparições públicas. Sob essa bandeira, o estrategista-chefe avançou nas discussões e ganhou terreno frente a Ivanka. Quando muitos acreditavam que esse ex-oficial da Marinha e produtor de Hollywood estava por baixo, que sua recente saída do Conselho de Segurança Nacional anunciava seu fim, ele renasceu. Sua vitória voltou a colocá-lo no centro ideológico da Casa Branca. E com ele, seu ideário ultranacionalista.

Foi uma vitória de Bannon, mas não escapa a ninguém que também era uma aposta de Trump. Os moderados e muitos parlamentares republicanos tinham recomendado que o presidente enviasse o acordo ao Senado para ratificação. Era uma forma quase certa de eliminá-lo sem manchar as mãos de sangue. Também ofereceram o caminho usado por George W. Bush para sair do Protocolo de Quioto em 2001: um argumento assepticamente econômico.

Mas Trump, fiel a si mesmo, escolheu a linha dura. Embora tenha evitado a questão científica, possivelmente aconselhado por Ivanka, aproveitou a oportunidade para lançar seu discurso mais nacionalista até agora. Não houve menção ao degelo dos polos, ao aumento do nível do mar ou aos fenômenos extremos. Diante de tudo isso, ele preferiu um conceito: o da pátria humilhada.

“Fui eleito para representar os cidadãos de Pittsburgh, não de Paris... O resto do mundo aplaudiu quando assinamos o acordo. Eles enlouqueceram... pela simples razão de que colocava o nosso país, que tanto amo, em desvantagem... O acordo tortura os Estados Unidos para obter o apreço de capitais e ativistas que buscam apenas se beneficiar à custa do nosso país... Em que ponto os Estados Unidos começaram a se deteriorar? Em que ponto começaram a rir de nós como nação?”, exclamou o presidente.

Poucas vezes desde que chegou à Casa Branca foi tão ferozmente nacionalista. Como demonstrou nos últimos dias, com seus ataques ao superávit comercial alemão, sua política anti-imigração a agora com a mudança climática, o presidente deu uma guinada. Não é parcial, mas total. De 360 graus. Voltou ao ponto de partida. Ao Trump de sempre.

Em busca do voto fiel

O principal argumento do estrategista-chefe, Stephen Bannon, para convencer o presidente foi o trunfo eleitoral. No próximo ano, serão renovados a Câmara dos Representantes e um terço do Senado. Mas até agora, as sondagens são desfavoráveis a Donald Trump. Sua aprovação é de cerca de 40%, uma das mais baixas da história para um presidente em seus primeiros meses. Pelo contrário, a economia está entre as principais preocupações dos eleitores. Por isso o discurso de Trump, dirigido ao seu eleitor mais fiel, deu tanta ênfase ao custo comercial do Acordo de Paris.

MAIS INFORMAÇÕES