Morre Roger Moore aos 89 anos

O ator, célebre por interpretar a James Bond em sete filmes da saga 007, morreu na Suíça

Mais informações

James Bond também é mortal. O ator britânico Roger Moore faleceu nesta terça-feira na Suíça, aos 89 anos, em decorrência de um câncer, segundo comunicado da família. É o primeiro adeus de um intérprete do agente 007. Moore representou Bond em sete filmes da saga oficial. Substituiu Sean Connery no papel entre 1973 e 1985, sendo o ator que mais vezes interpretou no cinema o personagem criado por Ian Fleming.

“Com grande tristeza, temos de anunciar que nosso querido pai, Sir Roger Moore, morreu hoje [terça-feira] na Suíça, depois de uma breve, mas corajosa batalha contra o câncer. O amor pelo qual foi cercado em seus últimos dias foi tão grande que não pode ser medido em palavras. Sabemos que nosso amor e admiração serão ampliados muitas vezes em todo o mundo por pessoas que o conheceram por meio de seus filmes, de seus programas de televisão e por seu apaixonado trabalho com o UNICEF [o ator era embaixador da organização], que ele considerava sua maior conquista. O carinho que nosso pai sentia cada vez que pisava no palco ou se colocava diante de uma câmera o incentivou a continuar trabalhando com 90 anos, com sua última aparição em novembro de 2016, no palco do Royal Festival Hall de Londres. A multidão o aplaudiu, dentro e fora do palco, sacudindo os pilares do edifício, localizado a uma curta distância de onde nasceu. Obrigada papai, por ser você e por ser tão especial para tantas pessoas”, é o texto na íntegra do comunicado divulgado por seus filhos.

Seus sete filmes de Bond são: Com 007 Viva e Deixe Morrer; 007 Contra o Homem Com a Pistola de Ouro; 007 - O Espião Que Me Amava; 007 Contra o Foguete da Morte; 007 - Somente para Seus Olhos; 007 Contra Octopussy; e 007 Na Mira dos Assassinos. Foi o terceiro ator da história a assumir o papel do agente 007, depois do australiano George Lazenby e de Connery; foi substituído por Timothy Dalton, em 1985. Desde então, o papel passou para Pierce Brosnan e Daniel Craig, o James Bond até a presente data e o melhor, segundo o próprio Moore.

O ator britânico foi, ao mesmo tempo, o ator que assumiu e deixou o papel de espião com idade mais avançada: estreou aos 43 anos e pendurou o terno e as pistolas com 57. Talvez também tenha sido o que mais charutos fumou: seu contrato lhe proporcionava uma quantidade ilimitada de charutos Montecristo, tanto que, segundo a lenda, a conta somou milhares e milhares de libras. Além de seu papel mais conhecido, o currículo cinematográfico de Moore conta com mais de 50 filmes e dezenas de aparições na televisão, incluindo O Santo, onde, nos anos sessenta, interpretou por sete anos o aventureiro Simon Templar, e The Persuaders, no qual era Lord Brett Sinclair, um milionário que tentava consertar o mundo, juntamente com o personagem de Tony Curtis.

Precisamente graças a estas duas séries alcançou a fama mundial que o colocou na primeira fila para o papel de Bond. No final das contas, seus personagens em O Santo e The Persuaders não diferiam muito do espião com mais glamour e fama do cinema. Antes de vestir o terno de Bond, Moore havia tentado o estrelato em Hollywood, onde chegou nos anos cinquenta, mas acabou voltando para o Reino Unido sem atingir seu objetivo.

Moore nasceu em Londres, em 1927, filho de uma dona de casa, Lillian Pope, e do policial, George Moore. Quando jovem, sonhava em ser cartunista, mas, no final, e depois de passar pelo exército britânico, optou por ser ator: entrou na Academia Real de Arte Dramática e começou sua carreira teatral. “Você não é muito bom, por isso sorria muito cada vez que sair”, disse o próprio Moore sobre o comentário de seu primeiro agente, segundo a BBC.

Aquela frase o perseguiu mesmo em suas interpretações de Bond. A mesma emissora britânica lembra que os sete filmes do 007 da era Moore convenceram a bilheteria, mas muito menos a crítica. Muitas vezes, as críticas lamentavam, por um lado, que o ator havia transformado Bond em um personagem engraçado, no lugar do espião elegante interpretado por Connery, e, por outro, que a própria série tinha focado excessivamente no entretenimento para as famílias.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete