“Procuramos pessoas alegres. Dispensamos portuguesas”

Empresário de Cascais recusa trabalhadoras lusas porque “são depressivas, infelizes com a vida”

Mulher caminha na frente do teatro Baltazar Dias, em Funchal (Portugal).
Mulher caminha na frente do teatro Baltazar Dias, em Funchal (Portugal).RAFAEL MARCHANTE (REUTERS)
Mais informações

“Procuramos pessoas descontraídas e bem-humoradas. A preferência é por brasileiras ou por nacionalidades igualmente alegres, dispensamos portuguesas”. É o anúncio do Cloud Choice, uma empresa de Cascais dedicada, oficialmente, a serviços de informática. No site, descobre-se que seu objetivo comercial é a criação de conteúdos de temática feminina. Mais concretamente, precisam de uma apresentadora/youtuber que não se importe de aparecer vestindo roupas íntimas nos anúncios do portal Sapo.

Nas condições para se candidatar ao emprego se pede “eloquência verbal mesmo que não domine o português ou o espanhol”, mas também uma atitude descontraída e aí se destaca concretamente: “A preferência é por brasileiras ou por nacionalidades igualmente alegres”.

Como resultado das críticas, o empresário retirou o aviso de que não queria mulheres do país. Agora, a exigência é mais sutil: “Preferência por todas as nacionalidades conhecidas por serem alegres”, e quem quiser que envie seu currículo ao Cloud Choice Health.

“Não desejamos pessoas inseguras, depressivas ou indecisas”

O porta-voz da empresa em Cascais, Heinrich Pereira, justificou a preferência por mulheres não nativas em declarações ao jornal Público: “As portuguesas são, em geral, pessoas depressivas, infelizes com a vida”. “Não desejamos pessoas inseguras, depressivas, indecisas ou que fazem uma licenciatura para vender celulares”, diz outro anúncio de emprego da Cloud Choice para o canal do YouTube. A empresa oferece horários flexíveis, mil tipos de café, Red Bull e comida brasileira grátis e sem limite, mas exige conhecimentos de séries televisivas e de videogames.

As críticas se voltaram ao fato de exigir uma mulher e que esta tenha uma nacionalidade determinada, mas não ao considerar triste a mulher portuguesa, que é, enfim, o que preocupa o empresário de origem brasileira.

O tópico da tristeza da mulher portuguesa, e dos portugueses em geral, chegou às ofertas de emprego, ainda que seja para trabalhar seminua e vender serviços de interrupção da gravidez. A má fama – especialmente em sua antiga colônia, o Brasil – talvez tenha muito a ver com as músicas que identificam ambos os países, de fato entre o samba e o fado há um mundo. Nem todas as portuguesas são como Amália Rodrigues e nem todas as brasileiras se chamam Gisele Bündchen, mas os ícones nacionais continuam funcionando.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: