Dilma e Cristina Kirchner reivindicam legado social na América do Sul

Ex-presidentas de Brasil e Argentina criticam neoliberalismo e afinam discurso em uma conferência em São Paulo

Cristina Kirchner e Dilma Rousseff em evento em São Paulo.
Cristina Kirchner e Dilma Rousseff em evento em São Paulo.PAULO WHITAKER / REUTERS

Mais informações

Cristina Kirchner não conseguiu eleger seu sucessor para a Casa Rosada em novembro de 2015. Meses depois, em agosto deste ano, Dilma Rousseff perdia seu mandato em um processo de impeachment. Nesta sexta-feira, as duas se encontraram em São Paulo para a conferência A luta política na América Latina hoje, promovida pela Fundação Perseu Abramo, para discutir o futuro do continente. As duas falaram ao público reunido na Casa de Portugal para defender os legados sociais de seus governos e a necessidade de mobilização para que as conquistas enumeradas por elas — a queda da desigualdade como a principal — não se percam. Ambas também criticaram o neoliberalismo e a "grande mídia".

Em sua intervenção, a ex-presidenta argentina Cristina Kirchner se esquivou de assumir qualquer equívoco em seu governo, apesar de não ter conseguido convencer a população de seu país a eleger seu sucessor, Daniel Scioli. Falando sobre a necessidade de "reagrupar" as forças de esquerda do continente, Cristina defendeu a promoção desses "espaços de discussão, que não devem ser autoindulgentes". "É necessário interpelar a sociedade", defendeu. "Depois de ter podido demonstrar ao mundo e também de nos havermos convencido de que era possível ter um pais governado por essas políticas, vale a pena seguir trabalhando".

"Estes 15 anos de governos democráticos e populares marcaram profundamente a vida da região", defendeu a argentina. Segundo Cristina Kirchner, durante seu Governo os argentinos tinham esperança em relação ao futuro e conseguiam se planejar para viajar, por exemplo. Hoje, em suas palavras, o Governo de Maurício Macri tenta convencer a população de que não estão sentido calor enquanto as pessoas não têm energia para ligar seus aparelhos de ar-condicionado.

A ex-presidenta brasileira, que perdeu o cargo sob a acusação de ter maquiado contas — as famosas pedaladas fiscais —, criticou "a desregulamentação da atividade financeira, a intensificação da privatização, a redução da presença do Estado na economia", todas políticas atribuídas por ela aos governos que antecederam as gestões do PT no Brasil. Repetindo o que dizia quando ainda era presidenta, Dilma atribuiu a desaceleração da economia brasileira a fatores externos, como a queda no preço das commodities, e internos, como a seca e a crise política, "que começou no dia seguinte da eleição, quando eles [opositores de seu Governo] pediram recontagem dos votos".

Ao falar do Governo Temer, Dilma chamou o impeachment de golpe, criticou a PEC do teto de gastos e condenou a "reforma ultraconservadora da Previdência". A ex-presidenta disse que "toda a América Latina passa de forma similar por uma tentativa de volta do neoliberalismo e, ao mesmo tempo, por uma restrição e pelo surgimento dessas medidas de exceção". Segundo a petista, está sendo planejado no Brasil um "golpe do golpe", com uma eleição indireta em 2017 — se Michel Temer deixar o Governo a partir do próximo ano, seu sucessor será escolhido pelo Congresso Nacional. A ex-presidenta finalizou falando em "salvar o futuro do país" por meio de aumento da receita, com "tributo de fortunas", o que só passaria no Congresso, segundo ela, após uma reforma política.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50