Seleccione Edição
Login
Festival de Brasília

O segundo BBB de Jean Wyllys

Filme mostra o Congresso conservador na ótica do único deputado abertamente gay do país

Festival de Brasília Jean Wyllys
Festival de Brasília :  O deputado Jean Wyllys na Câmara em cena do filme 'Entre os homens de bem'.

Em 2005, o jornalista e professor universitário Jean Wyllys de Matos Santos teve sua vida sob foco de lentes 24 horas por dia na emissora mais vista do país. Em março daquele ano ele conseguiu convencer milhares de telespectadores do reality show Big Brother Brasil de que ele merecia ganhar um milhão de reais. Tornou-se uma subcelebridade. Pouco mais de uma década depois, o mesmo Wyllys, agora deputado federal de 42 anos reeleito pelo Rio de Janeiro e pelo PSOL, único parlamentar federal abertamente homossexual, transformou-se em um dos políticos que mais desperta amor e ódio pelo país. Foi com essas credenciais que ele se dispôs a participar de uma espécie de novo BBB. Dessa vez, é um personagem que expõe os bastidores do Congresso Nacional e mostra o quão conservador é o Legislativo brasileiro.

O resultado chegou ao público na sexta-feira, no Festival de Cinema de Brasílial, com a estreia do longa-metragem Entre os homens de bem, um filme-documentário que confronta a defesa de direitos humanos (em especial das causas LGBT) com o fundamentalismo representado, principalmente, na figura de três parlamentares, os deputados Jair Bolsonaro (PP-RJ), Marco Feliciano (PSC-SP) e Pastor Eurico (PHS-PE). Em 1 hora 45 minutos, os idealizadores do filme conseguem flagrar desde discussões duras com seus antagonistas – uma delas que resultou no famoso cuspe de Wyllys em Bolsonaro na sessão de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara – até a momentos bem pessoais, como o que ele se emociona ao assistir ao primeiro beijo gay em uma novela brasileira ou quando ele ouve uma cantada de um participante de uma audiência pública.

Por três anos a equipe dirigida pelos jornalistas Carlos Juliano Barros e Caio Cavechini acompanhou Wyllys em Brasília, no Rio de Janeiro, em São Paulo e na Bahia. O objetivo era não só tentar desvendar esse personagem, mas também revelar como o conservadorismo tomou conta das principais discussões no país.

As audiências públicas na Câmara, os debates no plenário da Casa e as abordagens feitas ao deputado do PSOL mostram como pensam os que lhe têm ojeriza e os que o idolatram. Em uma das cenas do filme um pastor o aborda após uma audiência pública e dispara: “Você não está do lado de Deus. Você está do lado de pessoas que são perversas”. Wyllys não titubeia e rebate: “Quer dizer que os homossexuais são perversos? Sabe o que é perverso? É pedir senha de cartão de crédito. Sabe o que é perverso? É apontar o caminho de Deus e cobrar pedágio. Sabe o que é perverso? É a exploração comercial da fé do pobre. A minha homossexualidade e o fato de eu amar não mudam a vida de ninguém”.

Filmado com um orçamento de cerca de 140.000 reais, Entre os homens de bem foi todo financiado por crowdfunding, uma vaquinha virtual. Os diretores tentaram obter apoio público e privado. Tiveram autorização da lei do audiovisual para captar 842.000 reais em patrocínios junto a empresas. Em troca, os patrocinadores receberiam isenções fiscais. Não conseguiram nem um real. “Houve uma série de críticas de que o governo estaria dando dinheiro para o Jean fazer um filme. Não entenderam que esse não era o objetivo. Acredito que, por isso, não conseguimos o patrocínio”, disse o diretor Barros.

As duas propostas iniciais de nomes para os filmes (Tempos de Jean Wyllys e Eu_Jean Wyllys) também podem ter contribuído para a falta de suportes financeiros. O nome atual surgiu da tese da filósofa alemã Hannah Arendt de que a política trata da convivência entre os diferentes.

Até por conta dessa repercussão negativa e pelo fato de se centrar em um deputado considerado polêmico, o filme corria sério risco de se tornar um panfleto político, mas consegue detalhar bem o resultado eleitoral de 2014, em que a onda conservadora abateu o Legislativo nacional. Na avaliação de Barros, a obra agrada tanto aos adoradores de Bolsonaro como os de Wyllys. “Todos falaram o que seus eleitores queriam ouvir”, disse. Essa exposição tanto de um quanto de outro já trouxe frutos para ambos recentemente. Bolsonaro, por exemplo, quadruplicou seus votos entre 2010 e 2014 e se tornou o deputado mais votado do Rio e se cacifou para concorrer à presidência em 2018. No mesmo período, Wyllys multiplicou sua votação por 11 e passou a ser uma figura ainda mais visada, pelos que o querem bem ou mal.

Acostumado com as câmeras, o protagonista do filme soube dosar seus momentos diante dos documentaristas. Durante todo o tempo de filmagem está com um microfone de lapela ligado e claramente mede o que vai falar. A preocupação com sua imagem é inconteste. Está a todo momento passando os olhos em seu celular mirando quais críticas recebe e relatando algumas delas aos seus interlocutores. “Ele faz muito bem um jogo de opacidades e transparências”, conclui o diretor, apesar de ter ouvido do próprio deputado que nunca teve sua vida tão exposta como agora. Afinal, o cerco das câmeras e das redes sociais agora não era o mesmo do confinamento em uma bela mansão preparada pela TV Globo. Seu “paredão” agora é outro.

Além de aparecer nas telas do festival brasiliense, Entre os homens de bem foi selecionado para o Festival do Rio, que ocorre em outubro.

MAIS INFORMAÇÕES