Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Cinema brasileiro que não tem medo de briga

Festival de Brasília acontece até 27 de setembro com mais de 40 filmes, além de encontros e debates

O mais politizado dos festivais nacionais de cinema diz estar de volta às suas raízes

Festival de Brasilia
Cena de 'Cinema Novo', filme de Eryk Rocha que abriu o festival.

O festival de cinema mais antigo do país está usando a sua própria fórmula para se reinventar. É o que garante a curadoria do 49 Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que atrai à capital, até 27 de setembro, um público interessado em filmes autorais e que – não raro – cultiva uma forte cinefilia. São mais de 40 títulos, além de encontros e debates, em uma programação que traça um panorama da produção nacional recente e que não teme discussões políticas.

Com nove longas e 12 curtas-metragens inéditos em competição, vindos de seis Estados, e outras tantas obras repartidas em mostras paralelas de forte carga política, a edição atual tem duas ambições: mostrar que o país produz cinema de qualidade além do eixo Rio-SP e que filmes têm o poder de despertar consciência. “Nossa ideia é retomar o que sempre marcou o Festival de Brasília: ser um lugar de ponta da produção cinematográfica brasileira, onde a política aparece como aquilo que é em primeiro lugar: o cidadão agindo no mundo”, diz o curador Eduardo Valente.

É uma tradição sujeita a crises, mas que resiste. Criado em 1965 pelo crítico Paulo Emilio Salles Gomes, então professor do curso de cinema da recém-fundada Universidade de Brasília (UnB), o festival pegou carona no surgimento, poucos anos antes, do Cinema Novo – movimento em prol de um cinema voltado à realidade nacional, produzido “com uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”, como dizia o cineasta baiano Glauber Rocha, e distante de propostas comerciais que vigoravam então.

O evento ganhou forma, ao longo dos anos, com filmes brasileiros seminais, como O bandido da luz vermelha (Rogério Sganzerla), Tabu (Julio Bressane) e, mais recentemente, Amarelo manga (Cláudio Assis). Sofreu com a mão pesada da ditadura militar (1964-1985), que cancelou três de suas edições nos anos 70. E, na última década, apesar de não ter perdido a relevância, perdeu espaço para outros festivais com forte seções nacionais, como o Festival do Rio e o de Paulínia – hoje cancelado.

Mas chegou a hora do resgate, e, nessa toada, o longa que abriu o evento na última quarta-feira, 20 de setembro, dando esse recado foi Cinema Novo – dirigido por um dos herdeiros diretos do movimento, Eryk Rocha, filho de Glauber. Eleito o melhor documentário do ano no Festival de Cannes, o filme editado a partir de imagens de arquivo resgata depoimentos de cineastas e trechos de seus filmes, numa ode que causou comoção na Riviera Francesa. O mesmo aconteceu em Brasília, onde, além das palmas, incitou gritos de protesto contra o Governo de Michel Temer que marcaram a exibição hors concours.

Cena de 'Rifle', de Davi Pretto.
Cena de 'Rifle', de Davi Pretto.

O clima inflamado deve se espalhar pela competição, nas seções dos candidatos que disputam o Troféu Candango – que representa prêmios em várias categorias num total de 340.000 reais. A mostra teve início na noite de quarta, com a exibição de dois curtas, Ótimo amarelo e Quando os dias eram eternos, e do longa de ficção gaúcho Rifle, de Davi Pretto, sobre uma família de pequenos proprietários rurais no Sul do país. Outros destaques competitivos são o documentário pernambucano Martírio, de Vincent Carelli, e Antes o tempo não acabava, de Sérgio Andrade e Fábio Baldo, uma ficção do Amazonas.

Merecem atenção também as sessões especiais, que este ano celebram trabalhos de nomes caros ao festival, como o cineasta Julio Bressane – que exibe seu novo longa-metragem, Beduíno – e o crítico, roteirista e ator Jean Claude Bernardet, retratado em A destruição de Bernardet. Já nas novas mostras paralelas, A política no mundo e o mundo da política e Cinema Agora!, os títulos selecionados abordam, respectivamente, a confrontação do homem com as instituições e experiências estéticas mais ousadas e feitas de maneira independente. Aqui valem a entrada filmes como o documentário Precisamos falar de assédio, de Paula Sacchetta, inspirado pela campanha #MeuPrimeiroAssédio, que dominou as redes sociais no fim de 2015.

Para fechar as cortinas em 27 de setembro, o Festival de Brasília preparou a exibição de Baile perfumado, de Lírio Ferreira e Paulo Caldas, no ano em que se celebra 20 anos de lançamento do filme que marcou a retomada do cinema pernambucano. E um dia antes, promove com outro representante de Pernambuco, Kleber Mendonça, um debate sobre direção cinematográfica em que devem surgir as polêmicas discussões ao redor de seu segundo longa-metragem, Aquarius. Nada mais propício a um evento que gosta de lotar não só as salas de exibição, mas também as rodadas de debates. E consegue.

MAIS INFORMAÇÕES