_
_
_
_

Plantações ilícitas na Colômbia cresceram 39%, segundo a ONU

Número de hectares semeados passou de 69.000 a 96.000, uma das cifras mais altas dos últimos anos

Sally Palomino
Bolívia, Colômbia e Peru são os principais produtores mundiais de coca e também de seu  derivado ilegal, a cocaína.
Bolívia, Colômbia e Peru são os principais produtores mundiais de coca e também de seu derivado ilegal, a cocaína.EFE

A Colômbia registra novamente um aumento no número de cultivos ilegais. Nos últimos três anos as cifras mostraram crescimento constante. Entre 2014 e 2015, de acordo com o Sistema Integrado de Monitoramento de Cultivos Ilícitos das Nações Unidas (Simci), houve um incremento de 39% em hectares semeados. A quantidade passou de 69.000 para 96.000. Um número comparável com o registrado no ano de 2007, quando chegou a 99.000 hectares. Um dos mais altos na história recente do país.

Mais informações
“Os grandes traficantes brasileiros não moram nas favelas”
Assassinato do “rei do tráfico” na fronteira deixa em alerta autoridades brasileiras

Para o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas, o crescimento dos cultivos de coca se deve principalmente à suspensão da fumigação aérea e fatores climáticos. Segundo Villegas, a nova política antidrogas terá como missão a diminuição e erradicação dessas plantações, por meio da criação de novos comandos contra o narcotráfico e o aumento dos grupos de erradicação manual (de 16 para 60), sobre a qual disse estarem sendo testados novos métodos. De acordo com o Ministério da Defesa, no primeiro semestre deste ano foram apreendidas mais de 160 toneladas de cocaína, destruídos 3.000 laboratórios e suprimidos 10.178 hectares, dos 16.000 previstas para antes do encerramento de 2016.

As cifras, que confirmam a Colômbia como o primeiro produtor de coca no mundo, são divulgadas alguns meses depois de o Conselho Nacional de Entorpecentes (CNE), um órgão integrado por ministros e outros funcionários do Estado, autorizar o uso do glifosato para fumigar cultivos ilícitos, mas somente por via terrestre. Um ano antes, a mesma instância havia determinado que o produto não poderia ser usado, de modo algum, mas diante do aumento do plantio teve de reverter a decisão. A fumigação caiu de 50.554 hectares em 2014 para 28.075 no ano seguinte.

O relatório afirma que cinco departamentos, dos 23 afetados pelo cultivo da coca, têm 81% da área semeada e em apenas um município desses (Tumaco, em Nariño) há pelo menos 16.000, que representam 17% do que se produz em todo o país, onde de 2013 para 2014 a cifra passou de 48.189 hectares para 64.132. “Isso indica que, apesar do forte incremento da área semeada, as comunidades afetadas devem continuar sendo as mesmas”, assinala a ONU, que também registra que três departamentos estão livres de Coca. Caldas, La Guaíra e Cundinamarca completam quatro anos sem esses cultivos.

“Ao assinar o acordo final com as FARC, os temas relacionados com narcotráfico deverão registrar progressivamente um melhor desempenho”, disse Villegas, ao referir-se a um dos compromissos que a guerrilha assumiu no âmbito dos diálogos de paz, o da erradicação de cultivos em zonas de sua influência. Em Briceño (Antioquia) um plano piloto está sendo feito para isso.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_