EditorialEditoriais
i

Um Brasil de Temer

A destituição de Dilma Rousseff não soluciona nada e aumenta a instabilidade do país

Michel Temer, na cerimônia de posse nesta quinta-feira.
Michel Temer, na cerimônia de posse nesta quinta-feira. Eraldo Peres (AP)

A destituição da presidenta Dilma Rousseff, longe de resolver a profunda crise institucional que vive o Brasil, aprofunda-a. Ao mesmo tempo, abre profundas incertezas sobre o futuro de um país até muito recentemente exemplo mundial de economia emergente e que conseguiu tirar dezenas de milhões de pessoas da pobreza.

A decisão do Senado, depois de mais de 20 horas de sessão, consuma um processo iniciado pela oposição no Congresso e implica no afastamento de Rousseff da chefia do Estado pelos próximos seis meses. Nesse período, a mandatária será submetida a julgamento sob a acusação de usar e maquiar as contas do Estado para financiar projetos e apresentar um balanço melhor ao eleitorado. Uma prática nociva, mas utilizada por seus predecessores no cargo – em volume muito menor, é verdade – e por Governos democráticos de outras latitudes.

MAIS INFORMAÇÕES

É preciso lembrar que, em nenhum caso, Dilma será julgada pelos propalados casos de corrupção política e empresarial que destruíram a reputação do país aos olhos de sua própria população e da opinião pública internacional. E não o será porque as autoridades judiciais não encontraram provas que permitam processar por tão graves crimes a presidenta afastada a partir de hoje.

Durante os próximos 180 dias – e até 2019, no caso de Dilma ser definitivamente destituída – ocupará o mais alto cargo do Brasil o vice-presidente Michel Temer, do PMDB. Um partido liberal de centro-direita – infestado por escândalos judiciais – que em 29 de março abandonou a coalizão de Governo sem que por isso Temer – que dava por certa a destituição de Dilma em gravações agora conhecidas – deixasse a vice-presidência.

Também é preciso recordar que Temer pertence ao mesmo partido do verdadeiro motor do impeachment de Rousseff, Eduardo Cunha, que impulsionou o processo na presidência do Câmara. Cunha – segundo na linha institucional de sucessão à presidência do país – foi afastado na semana passada por corrupção e lavagem de dinheiro. Sem esquecer que a presidenta perdeu a confiança das duas Casas Legislativas, não se podem estranhar as acusações de conspiração lançadas por Rousseff e sua equipe, nem as dúvidas sobre a adequação de um presidente que chega ao cargo com a classe política dividida e um eleitorado irritado, dividido e estupefato diante do espetáculo que assiste.

Enquanto isso, Temer enfrenta uma tarefa colossal em um país que não pode permitir-se mais paralisia. Há vários problemas prioritários a tratar: com urgência, a recessão econômica que ameaça destruir a uma classe média que viu seu bem-estar crescer nas últimas décadas e que é a base da estabilidade do país; depois, a profunda crise de credibilidade da classe política ante a chuva diária de escândalos, processos e revelações de novos casos de corrupção; por fim, a fragmentação parlamentar que torna o país ingovernável. Embora sua arrancada tenha sido muito questionável, Temer é obrigado a abordar com seriedade esses desafios.