STF: ministro da Justiça deve escolher entre carreira de procurador e Governo

Empossado por Dilma no lugar de Cardozo na semana passada, Lima e Silva tem 20 dias para decisão

Cesar Lima e Silva ao fundo, atrás de Dilma em sua posse.
Cesar Lima e Silva ao fundo, atrás de Dilma em sua posse.Eraldo Peres (AP)
Mais informações

A maré não anda nada boa para o Governo Dilma Rousseff. Em meio a recessão, crise política alimentada quase que diariamente por ações e notícias da Operação Lava Jato e com o Congresso Nacional praticamente paralisado, a presidenta pode ter de escolher um novo nome para o Ministério da Justiça apenas seis dias depois de ter nomeado o procurador baiano Wellington César Lima e Silva para o cargo. Por 10 votos a um, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que procuradores ou promotores não podem ocupar cargos de ministro ou secretário.

Depois de José Eduardo Cardozo deixar o Ministério da Justiça por conta de pressões do PT, Dilma optou por Lima e Silva, ligado ao ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, para ocupar o posto. A solução acabou virando dor de cabeça, contudo, já que o PPS questionou ao STF se um membro do Ministério Público (MP) poderia ocupar um cargo no Executivo. Agora César Lima e Silva deverá deixar o cargo, a não ser que opte por se exonerar do MP — ele tem 20 dias para tomar essa decisão.

Relator do caso, o ministro Gilmar Mendes lembrou que sete dos juízes da Corte Suprema já haviam votado anteriormente contra o afastamento de um membro do MP para exercer ou cargo — o que Lima e Silva havia feito antes de tomar posse. Mendes disse ainda que, apesar de defender a manutenção do ministro nesta quarta-feira, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, havia dado parecer contrário à permanência de membros do Ministério Público em cargos executivos num caso do Paraná.

O único ministro dissidente foi Marco Aurélio Mello, que se recusou a analisar a questão por entender que a ação do PPS de questionar a nomeação tinha “endereço certo” e foi feita para “fulminar um ato” da presidenta Dilma. “Estamos no pico de uma crise sem precedentes. Cabe observar princípios e valores. Cabe atuar com serenidade e temperança. Não tenho a menor dúvida que essa decisão do Supremo acaba agravando a crise institucional vivenciada”, analisou.

Caso Lima e Silva não fique no cargo, o mais cotado para substituí-lo é um indicado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), um dos advogados que acompanharam o ex-presidente no depoimento à polícia na sexta-feira passada. A decisão desta quarta-feira vale para todos os procuradores e promotores que estejam ocupando cargos em governos estaduais e prefeituras pelo país. Eles também têm 20 dias para decidir se seguem nos cargos ou se voltam a desempenhar suas funções no Ministério Público.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: