'O Desafio dos emergentes'

Emergentes lideram o crescimento do PIB mundial apesar da crise

Especialistas destacaram ainda influência da crise no Brasil sobre a Argentina Fórum 'Desafio dos emergentes', organizado por EL PAÍS, reúne especialistas em Madri

Lula (centro), Felipe González (à esq.) e Juan Luis Cebrián durante o fórum em Madri.
Lula (centro), Felipe González (à esq.) e Juan Luis Cebrián durante o fórum em Madri.Ricardo Stuckert/ Instituto Lula / Fotos Públicas

A crise que enfrentam as grandes economias emergentesBrasil, Rússia, China e África do Sul – com exceção da Índia, lançou uma sombra de dúvida sobre o futuro destes países que, no entanto, continuarão sendo os principais contribuintes para o crescimento do PIB mundial. É a conclusão dos especialistas convocados para fórum O Desafio dos Emergentes, organizado pelo jornal EL PAÍS nesta sexta-feira em Madri, do qual participaram também Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil, e o ex-primeiro-ministro espanhol Felipe González.

Mais informações

“Se falamos de crescimento do PIB, ele virá dos países emergentes, que continuarão contribuindo com mais do que o dobro que os países desenvolvidos”, disse Núria Más, professora de economia da IE Business School. A especialista insistiu na necessidade de diferenciar entre uma conjuntura negativa, como a atual, e o potencial de crescimento dessas economias, que permanece intacto, embora terão que enfrentar importantes processos de reforma.

O diretor do EL PAÍS, Antonio Caño, disse que os emergentes “são e continuarão a ser uma referência para a estabilidade mundial” e uma “referência da nova ordem, até mesmo política”, como demonstram as mudanças profundas que estas economias viveram nos últimos anos, com um papel crescente em fóruns econômicos e políticos globais.

Ao contrário de outras épocas, como reconhece o professor de Economia Empresarial da Universidade Autônoma de Madri, Emilio Ontiveros, o impacto da crise emergente hoje é muito significativo “por seu importante peso na economia mundial”. Na verdade, 30% das vendas das multinacionais em todo o mundo procedem de empresas de países emergentes. Mais significativo ainda para a economia espanhola. “Boa parte das empresas centrais para o estabelecimento dos indicadores domésticos e da Bolsa na Espanha têm interesses importantes na América Latina”.

Ontiveros também chamou a atenção para a estreita ligação entre as economias do Brasil e da Argentina, cuja previsão é de passar por uma desvalorização da sua moeda, o que pode aumentar as tensões financeiras na região. “Se o Brasil não se recuperar, vai ser muito difícil para a Argentina superar a crise”, disse ele.

Para o diretor corporativo de Assuntos Estratégicos da Corporação Andina de Fomento, Germán Ríos, o importante para o futuro dos emergentes é eliminar a persistente brecha em infraestruturas e valorizou positivamente a criação do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas liderado pela China. “Os organismos financeiros que a China colocou em funcionamento vão mudar as regras do jogo do sistema financeiro global. Vão permitir que os emergentes contornem a crise com suas próprias regras e financiamento próprio”, disse ele.

Mudança de cenário

Otaviano Canuto, diretor-executivo do Conselho de Administração do Fundo Monetário Internacional (FMI), listou as características da economia global: a normalização das taxas de juros nos Estados Unidos, “embora não em outras áreas”; a desaceleração da China, e o fim do “superciclo” do preço das matérias-primas. Três transições que, na opinião dele, refletem o fim de um longo ciclo de expansão e, desde 2008, uma crise “que ainda não está fechada”.

Além dos desafios econômicos, durante o fórum, também foram analisados o cenário político e as mudanças que aconteceram nos últimos 15 anos. Javier Solana, ex-secretário-geral da OTAN, apontou que em 2008 a comunidade internacional passou de se relacionar baseando-se em uma confiança estratégica a uma confiança puramente tática. Solana afirmou, no entanto, que, apesar da concorrência entre as potências, existe a possibilidade de chegar a acordos sobre questões importantes, como a não proliferação – com o acordo sobre o programa nuclear iraniano – e as alterações climáticas – com a Cúpula do Clima de Paris.

Os participantes manifestaram sua preocupação com a proliferação do populismo que, como explicou Pierpaolo Barbieri, diretor executivo de Greenmantle, nasce de duas falhas da democracia moderna: a corrupção e a falta de oportunidades. Barbieri referiu-se aos “populismos” da Argentina e da Venezuela. “Houve crescimento econômico nos dois países, mas a partir da crise financeira foram vistos fracassos nos dois sistemas”. Como foi assinalado, as duas sociedades manifestaram o desejo de uma mudança nas recentes eleições. E embora comemorou a mudança de rumo na Argentina, “com Cristina Fernández de Kirchner, mesmo contra sua vontade, voltando à vida civil”, duvidou que tal coisa seja possível na Venezuela, “com [o presidente] Nicolás Maduro falando de castigar o povo” pelo resultado das eleições.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50