Violência Urbana

Ministério Público do Rio denuncia PM pela morte do menino Eduardo

Promotor discorda de inquérito policial que justifica o disparo como legítima defesa

A mãe de Eduardo,Terezinha de Jesus, mostra a foto do filho.
A mãe de Eduardo,Terezinha de Jesus, mostra a foto do filho.R. MOURA

O Ministério Público do Rio de Janeiro decidiu questionar o inquérito da Polícia Civil que investigou a morte por um tiro de fuzil do menino Eduardo, de 10 anos, durante uma operação policial no Complexo do Alemão, no mês de abril. O delegado responsável pelo inquérito concluiu que os policiais agiram em legítima defesa pois estavam enfrentando narcotraficantes, eximindo os agentes de qualquer responsabilidade. A mãe de Eduardo, Terezinha de Jesus, que sempre defendeu que naquele dia não houve confronto que justificasse a tese da legítima defesa, soube do fim da investigação pela imprensa e disse ter sentido vontade de "quebrar tudo". Ela prometeu não se render até que os responsáveis pela morte de seu filho sejam punidos.

Mais informações

A discordância em relação ao caso está, justamente, no fato de se os agentes realmente enfrentavam traficantes armados na favela. O promotor Homero das Neves encontrou contradições nos relatórios de perícia referentes a presença de munição que justificasse o confronto, além de achar divergências no depoimento dos agentes envolvidos. As versões deles diferem sobre a presença de narcotraficantes no local. Das Neves denunciou o policial militar que teria realizado o disparo, Rafael de Freitas Rodrigues, da Unidade de Polícia Pacificadora do Alemão, por homicídio com dolo eventual - quando se assume o risco de matar. O promotor anunciou que o caso deve ser levado a um júri popular.

A polícia fluminense matou mais de mil pessoas entre 2014 e 2015 em supostos confrontos

A anistia internacional, envolvida no caso desde o começo, afirmou que a decisão do Ministério Público é um sinal positivo do papel do judiciário na sociedade. "A apuração da morte do menino Eduardo pode se tornar um divisor de águas na luta contra a impunidade. É uma ação ação importante do Ministério Público do Rio de Janeiro em seu relevante papel de controle externo da atividade policial", disse em nota o diretor da organização, Átila Roque. A Anistia também lembra que a polícia fluminense matou mais de mil pessoas entre 2014 e 2015 em supostos confrontos. "Transparência e agilidade nessa investigação são uma forma de proteger a todos", completou Roque.

Terezinha de Jesus, que saiu do Rio de Janeiro por medo de represálias, está hoje na Europa em uma campanha organizada pela Anistia Internacional para denunciar a morte de jovens negros nas mãos das polícias brasileiras.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete