Seleccione Edição
Login

Brasil monopoliza as preocupações na reunião do FMI em Lima

A maior potência latino-americana foi uma das protagonistas do fórum

El ministro de Finanzas brasileño, Joaquim Levy, el jueves en Lima (Perú) Ampliar foto
O ministro de Fazenda do Brasil, Joaquim Levy, na quinta-feira em Lima (Peru). Bloomberg

No lotado Teatro Nacional de Lima, o impulsivo jornalista da rede norte-americana CNN Richard Quest perguntou a Joaquim Levy, ministro da Economia brasileiro, sentado ao lado da presidenta do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde: “E como seu país vai sair da recessão?” A resposta (“não é uma crise como a de algumas décadas, estamos digerindo, vamos contar com a nossa infraestrutura...”) era menos importante do que a pergunta em si, já que todos, na Reunião anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial na capital peruana, estavam se perguntando a mesma coisa: O que está havendo no Brasil? Como o país vai sair dessa?

A maior potência econômica latino-americana — e seu crescente e acelerado desmoronamento — se transformaram em um dos protagonistas deste fórum internacional pelo qual passam — e que são acompanhados — os poderes financeiros do planeta. A própria presidenta do FMI se referiu ao Brasil na coletiva de imprensa e lembrou que o país perderá este ano 3% e que se espera que no próximo ano perca 1%. Então acrescentou que boa parte dos problemas da potência latino-americana não são simplesmente financeiros, mas “de governança”.

Os mercados também estão de olho na crise brasileira. E têm medo. A gestora de fundos Rabeco, por exemplo, prevê um futuro preocupante: “Se as empresas brasileiras não conseguirem encontrar crédito internacional, não o encontrarão tampouco localmente, já que não há volume suficiente para absorver as necessidades financeiras. Então, nos próximos dois meses, não vemos uma solução plausível para a questão fiscal. Existe o risco de uma crise de crédito que pode afetar as empresas do Brasil”.

Em síntese, a “questão fiscal” diz respeito à necessidade da presidenta Dilma Rousseff, do PT, de que o Congresso, no qual seu partido está em minoria, aprove uma bateria de medidas de ajuste propostas exatamente pelo ministro Levy. Apesar de a presidenta ter realizado uma renovação ministerial para contentar seus aliados no Congresso, as medidas de ajuste continuam sem aprovação.

Enquanto isso, e para aumentar ainda mais a confusão, o Tribunal de Contas da União (TCU) rejeitou na quarta-feira, dia 7, o orçamento do Governo de Rousseff durante 2014. Conforme os juízes, o Executivo da presidenta —que foi reeleita em outubro passado e que Governa desde 2010— maquiou as contas para esconder o déficit público, o que é crime no Brasil. A resolução dos juízes dá força ao pedido de impeachment defendido por um setor da sociedade contra Rousseff. O desenlace jurídico é imprevisível. Muitos especialistas garantem que o processo não acabará em impeachment, apesar de ninguém saber com certeza o que vai ocorrer. O jornalista Richard Quest perguntou isso ao próprio ministro da Economia brasileiro na quinta-feira, dia 8. Levy respondeu sinceramente: “Não sei”.

Horas depois, o ministro reafirmou, em comunicado enviado ao FMI, o compromisso do Brasil com o ajuste fiscal de suas contas públicas, tentando demonstrar otimismo com o futuro do país. "As expectativas do mercado para a balança comercial triplicaram desde nossa última reunião em abril e o investimento estrangeiro direto deve ultrapassar o robusto resultado do ano passado, atingindo 64 bilhões de dólares", diz a mensagem.  

O ministro com o trabalho mais difícil do mundo

O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, conversando com o EL PAÍS antes da reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre os problemas específicos do Brasil, garantiu: “O ministro da Economia do Brasil, Joaquim Levy, tem o trabalho mais difícil do mundo”. Ele mesmo demonstrou isso na quinta-feira, dia 8, em uma mesa sobre a Economia Global, compartilhada com a presidenta do FMI, Christine Lagarde, e o governador do banco da Inglaterra, Mark Carney.

Ali, Levy começou a falar sobre infraestrutura, centrado sobretudo em rodovias e linhas férreas, que seu país quer criar para impulsionar a economia. O moderador —o apresentador da CNN Richard Quest— replicou: “Mas se vocês não têm dinheiro!”. Levy, sem se abalar, respondeu que é verdade que o Estado brasileiro não dispõe de dinheiro para as obras, mas que o plano prevê que empresas privadas assumam os trabalhos.

Depois tentou convencer, de seu ponto de vista privilegiado, que essas obras serão rentáveis. E então deu, muito tranquilamente, como se fosse fácil, a receita para devolver a confiança nos investidores (e nos brasileiros): “Dizer a verdade para as pessoas, anunciar os objetivos, traçar um plano e cumpri-lo”.

O que se pode afirmar é que o próprio desenrolar da situação enfraquecerá politicamente ainda mais uma Dilma Rousseff que já conta com um índice de aprovação ínfimo (menos de 10%), e cujos aliados à direita, o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), são especialmente volúveis e instáveis. À esquerda, os membros mais socialmente comprometidos do Partido dos Trabalhadores criticam, de seu lado, as medidas de ajuste e austeridade que Rousseff e seu ministro da Economia estão implantando. Tudo isso, é claro, mina a já abalada confiança dos mercados, dos investidores estrangeiros e freia a demanda interna, autêntico motor econômico dos anos anteriores.

O próprio FMI é quem diz isso —mesmo sendo pouco amigo de julgar politicamente os países que examina— em seu relatório sobre a América apresentado no dia 7 de outubro, no qual reserva um espaço para o caos brasileiro. Outro sinal a mais da singular importância que teve o Brasil nesta reunião de Lima: “Houve uma investigação por corrupção de amplo alcance na principal empresa petrolífera do Brasil, a Petrobras. Foram feitas denúncias sobre irregularidades no financiamento da eleição presidencial de 2014 e a avaliação do Tribunal de Contas coloca em dúvida as contas públicas de 2014. Tudo isso detonou uma grande crise política”. E conclui: “A interação da crise política com a crise econômica levou à incerteza e derrubou a confiança dos consumidores e das empresas a níveis mínimos historicamente”.

O economista-chefe do Banco Mundial, Augusto de la Torre, também se referiu na terça-feira ao Brasil e a sua incerteza política: “Os dados macroeconômicos não explicam uma recessão tão profunda”.

MAIS INFORMAÇÕES