Maduro anuncia “medidas” contra a Espanha por apoiar a oposição

Venezuelano acusa Rajoy de articular no Congresso pela libertação de presos políticos

Maduro, durante seu programa de televisão.

O presidente Nicolás Maduro classificou nesta terça-feira como “uma agressão” o comunicado aprovado horas antes no parlamento espanhol a favor da libertação dos presos políticos na Venezuela. Ao ficar sabendo da exigência, o mandatário anunciou que seu Governo vai preparar “um conjunto de respostas”. “O louco do Rajoy, racista”, disse.

“Que opinem sobre suas mães, mas não opinem sobre a Venezuela”, falou durante a emissão de seu programa semanal de televisão, En contacto con Maduro, transmitido nesta terça-feira, do jardim da Casa Natal do Libertador Simón Bolívar, em Caracas. “Chega, Corte da Espanha abusadora, elite corrupta!”.

Mais informações

O Congresso dos Deputados espanhol aprovou nesta terça-feira em Madri, com 306 votos a favor e apenas 19 contrários, um comunicado no qual exige a “libertação imediata” do dirigente do partido Vontade Popular (VP), Leopoldo López, e dos prefeitos Antonio Ledezma e Daniel Ceballos, assim como “dos outros opositores, manifestantes e estudantes” que estão presos. A iniciativa contou com o respaldo do oficialista Partido Popular (PP) e do PSOE, as duas maiores bancadas do Parlamento, e outros grupos políticos.

Maduro interpreta que o artífice do acordo foi o presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, a quem descreveu como “um racista” afiliado “à elite corrupta europeia” que sempre realiza “manobras, jogadas e coisas nojentas contra a Venezuela”.

Em outubro passado, Madri e Caracas viveram uma crise diplomática por causa da audiência que Rajoy concedeu, na sede do PP em Madri, a Lilian Tintori, esposa de Leopoldo López. Na época, o chefe de governo espanhol difundiu em sua conta de Twitter sua preocupação com López e sua afirmação de que o opositor venezuelano devia ser libertado. Em resposta a esse gesto, Maduro chamou para consulta o embaixador venezuelano em Madri, Mario Isea, que só se reincorporou a seu cargo no mês de março.

Também em março de 2015, o regime chavista improvisou uma exposição em Madri com as conquistas de seu Governo, com o objetivo de – como disse Maduro – mostrar “a verdade da Venezuela” e responder ao que caracteriza como uma campanha da imprensa espanhola contra a revolução bolivariana.

Acabaram seus abusos, Rajoy. Que toda a Espanha saiba disso Maduro

Agora, depois da votação parlamentar do outro lado do Atlântico, o presidente venezuelano disse que está preparado para a batalha: “Nas próximas horas anunciarei medidas. Durante meses alertei a Espanha por vias diplomáticas que não se metesse com a Venezuela (...) Se vierem atrás de nós, vão nos encontrar. E nos encontraram. Eu digo a eles: acabaram seus abusos, Rajoy. Que toda a Espanha saiba disso”.

Maduro voltou ao país na segunda-feira depois de sua participação na Cúpula das Américas, no Panamá, com uma escala de 24 horas em Havana, para onde viajou a fim de se reunir com o ex-presidente cubano e líder revolucionário Fidel Castro. Desde que voltou à Venezuela, o sucessor de Hugo Chávez se declarou disposto a “radicalizar”, em especial para enfrentar a classe empresarial, acusada de sabotagem e de realizar uma “guerra econômica” contra o regime.

O programa desta terça-feira coincidiu com dois aniversários que Maduro relembrou com solenidade: o 13º aniversário da restituição de Hugo Chávez ao poder, derrubado durante apenas 47 horas por um golpe em abril de 2002, e o segundo aniversário das eleições nas quais o próprio Maduro, em dura – e controvertida – disputa com o candidato opositor, Henriques Capriles Radonski, terminou eleito presidente.

“A Venezuela não vai permitir a agressão da corte da Espanha”, disse, “nem de mil cortes que venham de Madri”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: