Crise hídrica

Greenpeace inicia uma batalha contra os clientes ‘premium’ da Sabesp

Organização exige fim de descontos para grandes consumidores de água em meio à crise

Intervenção do Greenpeace contra os grandes consumidores.
Intervenção do Greenpeace contra os grandes consumidores.A. Penner (AP)

O Greenpeace acaba de iniciar uma campanha para exigir à Sabesp que suspenda os descontos de até 75% que oferece na conta de 537 dos seus clientes, os chamados contratos de demanda firme. A entrada ativa da organização na discussão sobre a crise hídrica que vive São Paulo foi encenada na Avenida Paulista, onde vários desses grandes consumidores, como o Hotel Meliá ou o Bradesco, têm sedes, mas perseguia um alvo específico e simbólico: o Banco Safra. "Por que ele consome tanta água se sua atividade não tem a ver com ela? No meio de uma crise que tende a piorar é absurdo que haja esses contratos. É uma política que vai na contramão da solução da crise e incentiva o uso irracional da água", afirmou Pedro Telles, representante do Greenpeace na Aliança pela Água, rede formada por mais de 40 entidades da sociedade civil que discute soluções para lidar com a crise.

Com uma cerca metálica instalada na fachada do banco, Greenpeace quis representar uma "segregação hídrica" onde enquanto a população sofre com cortes diários de água, grandes empresas e indústrias mantêm tarifas privilegiadas. O Safra, contemplado como um dos clientes premium da estatal conforme lista revelada pelo EL PAÍS, consome 1.650 m3/mês e paga 10,32 por cada m3, enquanto a tarifa comercial que pagaria sem contrato de demanda firme seria de 13,97. Mas os descontos dos grandes consumidores podem ser muito maiores. A fábrica de celulose Viscofan, uma das campeãs de consumo, que gasta cerca de 60.000 m3/mês, se beneficia de um desconto de 75%. A tarifa aplicada é de 3,41 reais para cada mil litros, quando, caso não tivesse o contrato, pagaria 13,97 reais.

Site criado por Greenpeace para pressionar o governador e a Sabesp.
Site criado por Greenpeace para pressionar o governador e a Sabesp.

Greenpeace criou também um site www.aguaparaquem.org.br onde as pessoas podem se cadastrar e, assim, enviar automaticamente uma petição por email ao Governador Geraldo Alckmin e à Sabesp para que suspendam os contratos de demanda firme. Procurada, a companhia oficialmente não apresentou argumentos que justifiquem a preservação dos contratos, mas fontes da estatal afirmaram temer um possível êxodo das indústrias se o preço da água aumentar e defenderam que são precisamente esses grandes clientes os que subsidiam as tarifas residenciais.

Enquanto vários funcionários do banco afirmavam não ter nem sequer curiosidade em saber qual era a pauta da intervenção, alguns transeuntes aproveitaram o palco oferecido pela organização para responder a uma das questões lançadas pelos ativistas: "O que Sabesp faz por você?". Elenisse Oliveira da Silva, moradora do Jardim Jaqueline, na zona oeste da cidade, pegou o microfone e confessou não ter tomado banho hoje: "Pago 180 reais de conta e nem ontem nem hoje chegou água em casa. É um absurdo isto, está pior que na Bahia".

Os contratos da discórdia

Os contratos de demanda firme foram idealizados em 2002 para fidelizar grandes consumidores que não tinham contratados os serviços da Sabesp. Oferendo grandes descontos no tratamento de esgoto e no fornecimento de água, a Sabesp convenceu cerca de 530 clientes que consumiam mais de 500 m3/mês a manter exclusividade com a companhia e renunciar a qualquer fonte de água alternativa. A lógica aplicada nas tarifas desses clientes, que pagam menos quanto mais consomem, é contraria à contemplada nas tarifas comuns, onde quanto mais se gasta mais se paga. Durante 2014, quando a situação dos mananciais já era crítica, a companhia assinou 42 novos contratos.

Mais informações

Com o agravamento da crise hídrica a Sabesp passou a permitir que os grandes consumidores se surtissem de fontes alternativas de água, como poços artesianos ou caminhões-pipa – 70% deles o fizeram – e os liberou do consumo mínimo mensal de 500m3. Com tudo, a Sabesp mantêm opacidade na sua política com os grandes consumidores. Procurada inúmeras vezes, e cobrada pela Corregedoria Geral da Administração, a companhia ainda não divulgou uma relação completa dos seus clientes premium junto ao consumo e a tarifa aplicada a cada um deles.

Entretanto, o presidente da Corregedoria Gustavo Ungaro, que se posicionou a favor da publicação dessa informação baseado no interesse público, foi substituído nesta quinta-feira pelo Governador Geraldo Alckmin, conforme noticiou a Folha de S. Paulo. Ungaro era também responsável pela apuração do envolvimento de servidores no cartel que atuou no Metrô e na CPTM, estatal paulista de trens urbanos.