Participação feminina na política

As mulheres que ‘causaram’ na política brasileira em 2014

O ano poderia ter tido maior participação feminina no cenário político. Ainda assim, elas foram marcantes. De dólar na calcinha a rainha feminista, as protagonistas do ano

Dilma Rousseff (à esq.), Marina Silva e Luciana Genro.
Dilma Rousseff (à esq.), Marina Silva e Luciana Genro.

Quando Dilma Rousseff vestiu a faixa presidencial pela primeira vez, no dia 1 de janeiro de 2011, enalteceu o fato de ser a primeira mulher eleita presidenta do país. Ao longo de seu discurso, a palavra ‘mulher’ foi dita dez vezes. “Pela decisão soberana do povo, hoje será a primeira vez que a faixa presidencial cingirá o ombro de uma mulher”, disse. “Venho para abrir portas para que muitas outras mulheres também possam, no futuro, ser presidentas; e para que – no dia de hoje – todas as mulheres brasileiras sintam orgulho e a alegria de ser mulher”, prosseguiu.

De fato, naquele momento surgia uma nova era para as mulheres na política. Naquele ano, além de Dilma Rousseff, 45 deputadas federais foram eleitas, além de oito senadoras e duas governadoras. Um número baixo, se levado em conta o total de parlamentares (513 deputados federais, 54 senadores e 27 governadores), mas alto, pensando no contexto sócio-político do Brasil: um país patriarcal, cuja cultura machista é amplamente enraizada, e onde a mulher só conquistou o direito ao voto muito tempo depois de ser deixada de escanteio no jogo político. Por isso, 2010 foi sim um grande ano para as mulheres na política. E ao longo do seu mandato, Dilma Rousseff deu poder a um time feminino em pelo menos dez ministérios – e ainda, Graça Foster na presidência da Petrobras.

MAIS INFORMAÇÕES

Quatro anos depois, o cenário mudou um pouco. Foi eleita apenas uma governadora – Suely Campos (PP), em Roraima – cinco senadoras e 51 deputadas federais. Este foi o primeiro ano em que todos os partidos políticos cumpriram com a cota de 30% de mulheres entre seus candidatos. E cumprindo a lei, a participação feminina entre os postulantes cresceu 60%, em relação a 2010. Mas isso não se refletiu, necessariamente, em votos que registrassem uma mudança consistente. Talvez porque uma lei não muda necessariamente uma cultura. Pelo menos não de uma hora para outra. A mudança deveria continuar pelas mãos de Rousseff. Mas na lista ainda incompleta de ministros do novo Governo, figuram apenas duas mulheres entre os 17 nomes: Katia Abreu, na Agricultura, e Nilma Lino Gomes na Secretaria de Igualdade Racial. Ainda faltam nomes a serem anunciados, mas as pastas mais fortes serão chefiadas por homens, como a Casa Civil, que muito provavelmente continuará sob comando de Aloizio Mercadante.

Embora numericamente a participação feminina não apresente grandes avanços, algumas mulheres fizeram com que 2014 fosse um ano importante para o gênero feminino. Inegavelmente, foi uma eleição histórica, com três mulheres na disputa. As notícias não são necessariamente as melhores. Entre dólar entre as roupas íntimas à rainha eleita pelas feministas, as mulheres que causaram na política brasileira neste ano foram:

A ambientalista que mudou todas as peças do xadrez eleitoral

De vice-candidata, Marina Silva virou protagonista dessas eleições após a morte de seu cabeça de chapa Eduardo Campos (PSB) em um trágico acidente de helicóptero. O país esperou Marina Silva se pronunciar - ou talvez, antes de mais nada, se decidir - sobre o futuro de sua candidatura. Foi a público dizer que ficava. Mas as incertezas de Marina rondaram sua cabeça e sua campanha. Para tentara agradar gregos e troianos, Marina foi de um lado para outro em diversas questões, como os direitos dos homossexuais e o apoio do PSDB em São Paulo, e renegou seu discurso 'paz e amor' ao decidir rebater os ataques dos adversários. Talvez, ainda que inconscientemente, criticou tanto Dilma Rousseff que passou a se parecer com ela. Freud poderia explicar. Ou não. A pérola "Eu prefiro perder ganhando que ganhar perdendo. Mas nós vamos ganhar ganhando" que ela soltou em sua conta no Twitter, poderia ser perfeitamente dita por Rousseff, que volta e meia se perde um pouco com as palavras.

A rainha das feministas

Seu sotaque gaúcho ficou conhecido. Luciana Genro (PSOL) virou meme. Foi chamada de musa por homens e feministas. Colocou no centro questões tabus para a política brasileira como a legalização das drogas e do aborto. Esquentou um debate entre os presidenciáveis que tinha tudo para ser morno, quando disse para o candidato tucano Aécio Neves "não apontar o dedo" para ela, enquanto ele a chamava de “leviana”. Neves encolheu o indicador e quase guardou o dedo dentro do bolso e foi taxado de machista pelo resto das eleições. Genro comparou Neves ao PT, dizendo que era  "o sujo falando do mal lavado", se referindo ao partido do qual foi filiada por anos, e onde seu pai ainda permanece. Foi irônica e séria, algumas vezes pendendo para um discurso um pouco ultrapassado em relação à economia. Criticou a Rede Globo em um debate na própria emissora. Perdeu as eleições, mas dos candidatos menores foi a mais bem votada, ficando em quarto lugar. Levou uma boa parte dos votos de Marina Silva e Dilma Rousseff. Já fora do jogo eleitoral, a candidata do PSOL fez seu último barulho, dizendo aos seus 1,6 milhão de eleitores: "Não votem em Aécio". Genro só fez silêncio na hora de dizer em quem votar, já que, apesar da aversão a Aécio Neves, a gaúcha tampouco declarou apoio a Rousseff.

A ex-prefeita de São Paulo que se sentiu jogada para escanteio

Poucos dias após o segundo turno das eleições, a então ministra da Cultura Marta Suplicy (PT) enviou sua carta de demissão à presidenta Dilma Rousseff. Foi a primeira a realizar um ato que, embora seja de praxe, normalmente é feito com mais cerimônia. E tempo. Na carta, ela indiretamente fez críticas à política econômica do Governo, dizendo que esperava que em seu segundo mandato, Dilma escolhesse uma equipe econômica que “resgate a confiança e credibilidade” da atual administração.

Marta Suplicy em Bogotá em setembro de 2014.
Marta Suplicy em Bogotá em setembro de 2014.A. C. Ovalle (EFE)

Marta precipitou sua saída do Governo para não perder os holofotes. E conseguiu. A ex-ministra passou o Governo todo de Rousseff jogada para escanteio. Trabalhou para lançar a candidatura da presidenta, em 2010, quando se aproximou de Dilma. As duas ficaram amigas, dividiram o mesmo cabelereiro, mas a amizade durou pouco. Cotada para ser ministra das Cidades, Marta ficou com a pasta da Cultura – e somente em 2012, depois de abrir mão da candidatura à prefeitura de São Paulo e deixar que Fernando Haddad assumisse a corrida eleitoral. Ficou de lado novamente no ano passado, quando Lula preferiu Alexandre Padilha a ela para a candidatura ao Governo do Estado de São Paulo. Talvez o PT tenha ido longe demais: Na mesma semana em que saiu do Governo, Marta disse que não descarta a sua saída do PT, partido do qual é filiada desde 1981.

A doleira que queria ser atriz

A doleira Nelma Kodama, apelidada de Greta Garbo.
A doleira Nelma Kodama, apelidada de Greta Garbo.Reprodução (Youtube)

A doleira presa na Operação Lava Jato preferia ser chamada de Greta Garbo. Mas passou longe da atriz sueca, eleita pelo Instituto Americano de Cinema a quinta maior lenda da história do cinema. Nem sexy e nem um talento das telonas, Nelma Kodama usava esse codinome em contas nas redes sociais. Gostava de ser chamada de "A Dama do Mercado". Muito glamour para um final decadente: foi presa no aeroporto de Guarulhos, quando estava embarcando para a Itália, com 200.000 euros na calcinha. Foi condenada a 18 anos de prisão com a cena que poderia perfeitamente encerrar um filme sobre a máfia italiana. Talvez sua relação mais próxima com a sétima arte.

A vítima que virou heroína

A ex-ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, caiu nos maldizeres do deputado Jair Bolsonaro (PP), uma das figuras que mais desafiou os brasileiros neste ano. Rosário acabou virando uma figura da resistência aos atos preconceituosos, machistas e descabíveis de alguém que, ironicamente, foi eleito democraticamente. "Não te estupro porque você não merece", disse o deputado para ela no início de dezembro. O caso foi parar no Supremo Tribunal Federal, que decidirá se abrirá ou não um processo contra o deputado por incitação pública ao estupro. Rosário não posou de vítima. Seu partido, o PT, por sua vez, saiu em sua defesa, juntamente com entidades defensoras das mulheres e dos direitos humanos. Mais um capítulo misógino escrito por Jair Bolsonaro – que já havia dito a mesma frase a Rosário em 2003 - e que, muito provavelmente, será apenas página virada e esquecida.

A presidenta eleita que ainda tem meio país para conquistar

Embora eleita democraticamente presidenta da República, Dilma Rousseff foi vitoriosa com pouco mais da metade dos votos válidos. Nunca uma eleição presidencial no Brasil foi tão disputada. A falta de uma maioria ampla mostra que Rousseff tem um grande caminho a percorrer para conquistar quase a metade de um país. Incansavelmente, defendeu Graça Foster na direção da Petrobras ao longo da investigação de corrupção na estatal. Causou ao começar a anunciar sua equipe de ministros, colocando o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD) à frente do ministério das Cidades e Kátia Abreu (PMDB) na pasta da Agricultura. Para ficar em apenas dois nomes polêmicos. Mas causou comoção também, durante a cerimônia oficial de apresentação do relatório da Comissão da Verdade, no dia 10 de dezembro, provavelmente por lembrar das torturas sofridas durante o período em que esteve presa pelo regime militar.