Coluna
i

“Já disse que não estupro porque você não merece”

O insulto do deputado Jair Bolsonaro a uma de suas colegas leva a refletir que as palavras também podem matar a democracia

O deputado Jair Bolsonaro.
O deputado Jair Bolsonaro.Renato Araújo (Agência Brasil)

O deputado de direita, Jair Bolsonaro, militar da reserva, voltou a ofender gravemente, no recinto sagrado do Congresso Nacional, sua colega, a deputada e ex-ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, por ter-se expressado contra a ditadura militar brasileira, culpada, segundo ela, de assassinatos, torturas e danos às liberdades civis. “Já disse que não a estuprava porque ela não merece”, disse, insolente e provocador.

E o fez às vésperas do Dia Internacional dos Direitos Humanos, que o político brasileiro qualificou de “Dia Internacional dos Vagabundos”.

Mais informações

Segundo ele, que se confessa fervoroso crente em Deus, no Brasil os Direitos Humanos “são defendidos apenas para criminosos, estupradores, marginais e corruptos”.

Há o perigo de que a linguagem sórdida do deputado contra os valores democráticos conquistados com tanta luta pelos mártires da liberdade seja tomado apenas como uma graça por sua excentricidade. Corre-se o risco de que sejam considerados de menor importância até por seus colegas deputados, que nos 20 anos em que Bolsonaro está no poder legislativo nunca tiveram a coragem de processá-lo na Comissão de Ética do Parlamento.

Mais grave ainda é que os cidadãos, apesar de conhecerem a longa trajetória fascista e racista do militar que se declara abertamente contra os homossexuais, defensor da tortura e de que os pais batam nos filhos “para evitar que se tornem gays” continue sendo eleito há 20 anos e tenha voltado este ano como o mais votado do Estado do Rio de Janeiro, com quase meio milhão de votos. E que tenha encontrado abrigo até agora em seis partidos diferentes.

Poderia ser um sintoma e um alarme de que a democracia começa a se vender na liquidação

Essa torrente de votos para um deputado que defende os anti-valores que deveriam envergonhar qualquer democrata deveria nos fazer refletir sobre a saúde de nossa democracia.

Quem como eu viveu de criança e de adulto uma dura ditadura militar como a franquista, que nos colocava um censor dentro do jornal para decidir sobre nossos textos e ideias, se torna talvez mais sensível à liberdade de expressão do que os que nunca passaram por isso. Depois de 50 anos de jornalismo, continuo sendo alérgico a qualquer tipo de censura verbal. A defesa da liberdade de expressão deve ser o coração de qualquer carta Constitucional de um regime democrático. Atentar contra ela aberta ou camufladamente é uma ferida grave à liberdade não só de expressão como de pensamento.

Há o perigo de que a linguagem sórdida do deputado contra os valores democráticos conquistados com tanta luta pelos mártires da liberdade seja tomado apenas como uma graça

Apesar disso, e talvez por isso —porque já vivi seja os horrores de uma ditadura militar assim como o ar puro da liberdade de expressão— sinto-me autorizado a dizer que também as palavras podem matar a democracia.

Assim como na convivência, seja familiar, seja amistosa, na rua como no trabalho, nem tudo é permitido à linguagem, que pode ser mortal como uma arma, uma verdadeira democracia também não deve suportar que palavras possam matar. Matar a honra ou os valores mais sagrados da convivência civil que são o escudo que nos protege contra a indignidade e o arbítrio.

O caso Bolsonaro, a ofender os direitos humanos mais elementares em pleno Congresso, quando o Brasil acaba de fazer seu exame de consciência contra os crimes da ditadura, diante do silêncio cúmplice ou complacente de muitos, é mais do que uma piada. Poderia ser um sintoma e um alarme de que a democracia começa a se vender na liquidação.

A democracia é uma flor delicada que o vento do descuido ou a nostalgia do autoritarismo podem murchar rapidamente.

Essa torrente de votos para um deputado que defende os anti-valores que deveriam envergonhar qualquer democrata

Todos que confessam o credo do amor à liberdade devem ser os primeiros a não cair na tentação de ferir os direitos humanos.

Disse todos, porque se os insultos de Bolsonaro a sua colega Maria do Rosário me causaram náusea e vergonha, também me preocuparam, por vir de um Ministro de um governo democrático, como Gilberto Carvalho, que deveria nesse momento de tensão democrática dar exemplo de moderação, a afirmação de que: “Morri de medo que o 'playboyzinho' ganhasse (as eleições presidenciais)”.

O 'playboyzinho' é o digno senador Aécio Neves, líder da oposição, apoiado por 51 milhões de cidadãos. Reza um adágio latino que: “Corruptio optimi, péssima”, que se poderia traduzir livremente por: “Quanto maior a responsabilidade, mais grave a culpa”.

A democracia deve ser defendida e mimada também com as palavras, que podem ser uma mina de ouro ou o pomo da discórdia.