São Paulo começa a usar suas últimas reservas de água

Enquanto o Estado garante as reservas até março de 2015, a Agência Nacional de Águas reduz o otimismo para até novembro

O Sistema Cantareira, nesta sexta-feira.
O Sistema Cantareira, nesta sexta-feira.Jorge Araújo (Folhapress)

A reserva de água do Sistema Cantareira, responsável pelo abastecimento de 14 milhões de pessoas na Grande São Paulo e em 62 cidades do interior do Estado, depende mais do que nunca da temporada de chuvas que começa em outubro. E de muita chuva.

O nível de água útil do principal reservatório do Estado chegou nesta quinta-feira a zero, pela primeira vez desde que foi criado em 1974. Resta apenas a reserva da reserva, 400 milhões de metros cúbicos que ficam no fundo da represa, abaixo do nível de captação das comportas e que acumula sujeira, sedimentos e até metais pesados. O denominado volume morto, cuja qualidade é considerada boa segundo as autoridades, nunca tinha sido utilizado para abastecer a população até que em maio se tornou um recurso. Hoje, o único. O plano, se não começar a chover intensamente, pode funcionar até novembro, segundo a Agência Nacional de Águas. Já a Sabesp, empresa estadual que fornece água para 364 cidades de São Paulo, muito mais otimista, acredita que há recursos até março do ano que vem.

No interior do Estado a situação é descrita como alarmante. "Em Campinas, e em outros 75 municípios, não temos outros reservatórios que garantam nosso consumo. Se o sistema da Cantareira deixar de oferecer esses 3 ou 4 metros cúbicos por segundo que necessitamos, nós não temos um sistema alternativo de abastecimento", afirma Francisco Lahóz, secretário executivo do Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), um dos gestores do sistema Cantareira. "Se o volume morto secar, não temos outro plano". Para Lahóz, orgulhoso da capacidade de reutilização dos recursos da região -o corpo de bombeiros usa a água tratada das estações de esgoto- é necessário que as autoridades sejam claras para abordar o problema. "Está faltando que o governo municipal e estadual comuniquem à comunidade a realidade, para que o cidadão possa reduzir o consumo. Sem isso, não vai ter programa que funcione".

Para os cerca de um milhão de moradores de Guarulhos, junto com os de Diadema, São Caetano do Sul, Valinhos, Vinhedo e Itú, o racionamento de água fez com que, em fevereiro, se conscientizassem à força com a realidade. A torneira de Elias Lopes do Santos, taxista de 52 anos e vizinho de Guarulhos, só oferece água dia sim dia não. “Eu que moro apenas com minha mulher, tenho minha própria reserva de 1.000 litros e sempre fui responsável nesse quesito não sofro tanto, mas as famílias maiores estão tendo grandes dificuldades para lidar com o rodízio de água”, explica. “Eu estou aborrecido. Não houve investimento pelo Governo do Estado para a construção de um novo reservatório, mas também nunca fizeram nada para o tratamento efetivo da água. Eu sinto vergonha toda vez que passo pelo rio Tietê e o rio Pinheiros”, lamenta.

Alguns especialistas concordam com o fato de que não foi apenas a falta de chuva deste verão -50% abaixo do normal- e as altas temperaturas que levaram o Estado a atual crise de abastecimento. "Nosso sistema está completamente desfasado no tempo. Há 30 anos que temos os mesmos mananciais porque nenhum governo investiu para ampliar o sistema, enquanto a cidade crescia, chegando a mais de dez milhões de pessoas", lamenta Julio Cesar Cerqueira, engenheiro civil e membro do Conselho de Meio Ambiente da Federação de Indústrias de São Paulo (FIESP).

O Governo do Estado de São Paulo é, há 20 anos, administrado pelo PSDB, partido do atual governador Geraldo Alckimn. Para Cerqueira, a situação chegou até este limite porque o Governo de Alckmin, que aspira à reeleição em 4 de outubro, "continuou distribuindo água como se não houvesse seca". Uma eventual crise do abastecimento de água no Estado, às vésperas das eleições, poderia prejudicar seus planos políticos.

O Governo do Estado não adotou o racionamento de água, porque seria uma “medida cruel” segundo a Sabesp, e se recusou punir os excessos de consumo. O que fez foi criar um bônus que premia com 30% de desconto na fatura mensal os clientes que conseguirem baixar 20% de seu consumo de água. Uma medida que é um sucesso para o órgão, dado que mais da metade dos usuários conseguiu fazer essa redução, mas insuficiente para alguns.

“A Grande São Paulo precisa reduzir seu consumo em 50%. Se for assim poderíamos nos manter por vários meses em um estado de tranquilidade”, afirma Lahóz do consórcio PCJ.

Hoje, as previsões meteorológicas são recebidas com inquietude. Enquanto a Sabesp afirma que meteorologistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) já preveem que o volume de precipitação da próxima estação chuvosa será igual ou maior do que a médias dos anos anteriores, devido ao fenômeno El Niño, o Instituto Nacional de Meteorologia lamenta não poder oferecer uma previsão. “Não temos como saber se o ciclo de pouca chuva que vivemos no verão vai continuar”, afirma Helena Turon Balbino, meteorologista do instituto.

Elias Lopes, o taxista de Guarulhos, tem sua própria predição. “A natureza castigou os governantes”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: