quarto mandato

Buteflika anuncia outro chefe de Governo e reformas constitucionais na Argélia

O presidente reeleito nomeia o chefe de sua campanha como primeiro-ministro e propõe mudanças na Constituição

Abdelaziz Buteflika nesta segunda-feira em seu juramento como presidente da República de Argélia.
Abdelaziz Buteflika nesta segunda-feira em seu juramento como presidente da República de Argélia.MOHAMED MESSARA (EFE)

Abdelaziz Buteflika já é oficialmente, desde as 12h desta segunda-feira, presidente da República da Argélia e inicia assim, ainda convalescente, em cadeira de rodas e aos 77 anos, seu quarto mandato consecutivo de cinco anos à frente deste país-chave do Magreb e para o controle das reservas mundiais de hidrocarbonetos. A entronização de Buteflika foi tão curiosa e inovadora nas formas como o foi a campanha e a campanha eleitoral que o levou à vitória em 18 de abril. Chegou de novo montado em sua cadeira especial com rodas, assistiu bastante impávido à cerimônia no Palácio das Nações ante as autoridades civis e militares, pronunciou timidamente seu juramento e umas poucas palavras de agradecimento e deixou as novas promessas para o texto que levava escrito, de dez páginas, e que não leu. A principal: implicar à oposição em uma reforma tranquila e pactuada da Constituição.

O reeleito presidente argelino comunicou mais tarde, em outro gesto importante a interpretar para o futuro político imediato do país, que nomeará como primeiro-ministro Abdelmalek Sellal, que foi seu chefe de campanha e que conduzirá agora o processo de reformas que deveria ser aberto necessariamente na Argélia e que todos os candidatos prometeram. Sellal substituirá no cargo Youcef Yousfi e tem sido nestas últimas semanas e meses um dos principais colaboradores de Buteflika até o ponto de protagonizar os grandes comícios de uma campanha na que o líder não apareceu em nenhum ato público nem entrevista nem deu um só discurso. Buteflika, no entanto, ganhou folgadamente as eleições com o 81,49% dos votos, com uma participação que não chegou ao 50%.

Esse descrédito no voto, que se concentrou especialmente na gente jovem, a metade do país, é o que levou já em campanha aos colaboradores de Buteflika a prometer que depois da consulta com as urnas se iniciaria uma fase de consultas com todos os partidos políticos, agentes econômicos e sociais para empreender algumas mudanças necessárias na Constituição, especialmente no âmbito das liberdades cidadãs. Buteflika e sua equipe são conscientes dessas demandas e em seu discurso de proclamação como presidente introduziu essas ideias de novo. Isso sim, não as verbalizou.

O presidente argelino apresentou-se no Palácio das Nações, depois do desfile militar, em sua cadeira de rodas que servem para se mover depois de sofrer há um ano um derrame cerebral que o deixou 80 dias hospitalizado em Paris. Jurou com mão direita sobre o Corão, disse algumas palavras por quase um minuto, saudou os cidadãos e também os demais candidatos pela campanha e foi interrompido por várias salvas de aplausos.

No discurso escrito, além disso, aproveitou para renovar sua promessa de certas mudanças políticas e para advertir, em qualquer caso, de que as forças de segurança estarão sempre alerta para não permitir nenhum tipo de excessos. A mudança da Constituição já foi um plano previsto para a anterior legislatura que não foi para frente. Agora o Governo quer começar no próximo ano junto do processo de "mudança tranquila" que resultará, em teoria, a substituição também do próprio Buteflika.

Está por ver até onde se atreve a aprofundar Buteflika e sua equipe nesse caminho de mudança da constituição e com que tipo de colaboração se encontra entre os demais partidos. De repente, as principais forças aglutinadas em torno do grupo Argélia Verde, de tendência islamista, já boicotaram o próprio ato de juramento como presidente. Um boicote que promoveram outros partidos durante as eleições porque as consideravam uma "fraude".

No avanço das ideias a retocar na lei fundamental apontam-se princípios como o reforço da divisão de poderes, a independência da justiça e um maior papel do Parlamento, da oposição política, e garantir os direitos e as liberdades dos cidadãos. No que se refere às melhorias de funcionamento do país, assinala-se reduzir a burocracia e promover a descentralização do país, algo que levam reclamando inclusive com atos violentos os dirigentes das regiões de confronto como Cabilia e Gardaia.

O discurso oficial de Buteflika dedica uma parte à peculiar e complicada situação econômica da Argélia. O presidente não esqueceu de sublinhar, nesse sentido, a necessidade de fomentar uma economia mais diversificada e mais forte, "complementar" ao potencial atual com os hidrocarbonetos. A Argélia já é o 15º produtor mundial e o segundo de África de petróleo e gás e pretende se tornar uma alternativa fiável para a compra do sul da Europa aos hidrocarbonetos agora provenientes da Rússia e da Ucrânia.

O veterano presidente argelino deixou para o final de seu documento de intenções para este quarto mandato uma frase que se analisou também em caráter pessoal por seu precário estado de saúde: "Abordo hoje o mandato que me confiaram como um sacrifício pela pátria à que eu servi durante toda minha vida. Uma nova prova de minha fidelidade a nossos colegas de luto caídos no campo da honra pela pátria."

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: