Promotoria ameaça interditar Itaquerão inclusive durante a Copa

Estádio da abertura da Copa, em São Paulo, precisa atender às exigências do Corpo de Bombeiros, após morte de operário no último fim de semana

Operários trabalham na construção da Arena Corinthians.
Operários trabalham na construção da Arena Corinthians.BOSCO MARTÍN

A Arena Corinthians, em São Paulo, que servirá de palco para o jogo de abertura da Copa do Mundo em 12 de junho, poderá ser interditada até mesmo durante o Mundial, caso não sejam cumpridas as exigências feitas pelo Corpo de Bombeiros. Entre as falhas apontadas pela corporação estão ajustes necessários em medidas de proteção contra incêndio e saídas de emergência.

“A interdição (a ser solicitada) poderá ser parcial ou integral, dependendo do grau de risco que o problema em questão oferecer”, explicou ao EL PAÍS o promotor de Justiça José Carlos de Freitas, que atua na área de Habitação e Urbanismo de São Paulo.

“Nessa hipótese (de interdição), eventuais prejuízos causados aos adquirentes de ingressos (...) deverão ser objeto de ações judiciais em face dos organizadores do evento e dos responsáveis pela construção da arena”, acrescentou Freitas em nota do Ministério Público (MP) de São Paulo.

O MP afirma que convocou ainda o Corinthians, clube responsável pela arena conhecida como Itaquerão, e a Odebrecht, que administra a construção, para uma reunião de emergência na próxima semana a fim de tornar efetivas as medidas exigidas pelos bombeiros.

As obras nas arquibancadas temporárias do estádio estão paralisadas desde a morte do ajudante geral Fabio Hamilton da Cruz, de 23 anos, no último sábado. Ele caiu de uma das estruturas desse setor.

Foi a terceira morte registrada apenas no estádio paulista. Em novembro do ano passado, dois trabalhadores perderam a vida no local na queda de um guindaste –um deles estaria trabalhando de forma seguida havia 18 dias, sem folga.

Uma equipe do Ministério do Trabalho vistoriou a arena na terça-feira e constatou risco aos trabalhos dos operários. Um dos problemas apontados era a extensão do cabo de aço que sustentam os equipamentos de segurança, que era mais curta que o necessário para se movimentar na área de trabalho.

As mortes nas obras das arenas para a Copa do Mundo já somam oito. Além das três no estádio de abertura do torneio, houve quatro em Manaus e uma em Brasília.

A Odebrecht, construtora responsável Arena Corinthians, avalia as obras com 98,8% de avanço físico, segundo a atualização do cronograma divulgada em março. Ainda segundo a empresa, os 1.600 trabalhadores se concentram em serviços de acabamento.

Além de Brasil x Croácia, jogo de abertura do Mundial, em 12 de junho, o estádio de São Paulo sediará os confrontos entre Uruguai x Inglaterra (19 de junho); Holanda x Chile (23); e Coreia do Sul x Bélgica (26) na primeira fase, além de uma partida das oitavas de final e outra da semifinal.

Mais informações