‘American Dirt’, a última grande polêmica editorial nos EUA que ultraja a comunidade latina

Hispânicos se rebelam contra um romance, escrito por uma branca, que aborda o narcotráfico e a imigração, cheio de “estereótipos” e “erros”

Oprah Winfrey (à esquerda), com o livro ‘American Dirt’. Ao seu lado, a autora, Jeanine Cummins
Oprah Winfrey (à esquerda), com o livro ‘American Dirt’. Ao seu lado, a autora, Jeanine Cummins
Mais informações

Nas últimas duas semanas, a comunidade latina nos Estados Unidos se uniu contra o novo fenômeno da indústria editorial. Pensada para arrasar nas listas de vendas, American Dirt (“sujeira americana”, Flatiron Books, 2020) tem chances de se tornar o grande fiasco do ano. Ou da década. Escritores e jornalistas de origem latino-americana que vivem nos Estados Unidos se lançaram contra a obra, descrevendo-a como um compêndio de “estereótipos” e “erros”. Além disso, acusam a autora, Jeanine Cummins, e a editora de apropriação cultural e total falta de sensibilidade.

American Dirt conta a história de Lydia e Luca, mãe e filho, ambos mexicanos, perseguidos pelo narcotráfico e obrigados a fugir para os Estados Unidos para salvar a pele. Cummins situa a ação em Acapulco. Um domingo, o cartel local ataca a família de Lydia e Luca, assassinando 16 pessoas, entre elas ao marido e pai dos protagonistas. Mãe e filho sobrevivem por milagre e escapam. Querem chegar a Denver e decidem que La Bestia é sua melhor opção. La Bestia, o trem cargueiro que migrantes do México e sobretudo da América Central usam há anos para viajar à fronteira com os EUA. A violência e a migração ―o presente do romance― se misturam à paquera prévia entre Lydia e o chefe do cartel de Acapulco, um sujeito sanguinário, mas também culto e sensível.

A estranha mistura de tramas, a caracterização de Lydia como mãe-coragem, a romantização do chefe do narcotráfico, a simplificação do mundo do crime e a redução da dor da migração a “uma aventura como nos filmes”, como escreve a própria autora, irritaram muita gente no México e nos Estados Unidos. Numa crítica que viralizou nos últimos dias, a escritora Myriam Gurba diz que “American Dirt é um livro Frankenstein, um espetáculo torpe e distorcido, e enquanto alguns críticos brancos comparam [a autora] a Steinbeck, acredito que uma comparação mais apropriada sejam com [o rapper branco] Vanilla Ice”.

Tudo começou em meados de janeiro. A Flatiron Books havia passado meses divulgando o romance, pelo qual pagara uma quantia milionária à autora. Escritores consagrados, como Stephen King e Don Winslow, tinham escrito comentários elogiando-a ―Winslow chegou a dizer que American Dirt é uma versão moderna de As Vinhas da Ira―. Grandes veículos, como The New York Times e The Washington Post, publicaram resenhas positivas. A editora vendeu os direitos para a adaptação cinematográfica. E sua consagração: a influente apresentadora de televisão Oprah Winfrey a recomendou para seu clube de leitura.

Mas pouco a pouco a irritação da comunidade latina começou a ser ouvida. Primeiro, por uma questão de apropriação cultural, pelo direito (ou não) de uma mulher branca, criada em Maryland, moradora de Nova York, contar uma história totalmente alheia a ela. E segundo, sobretudo, pela qualidade do romance, que muitos qualificam de péssimo.

Na semana passada, Winfrey publicou no Twitter um vídeo em que divulgava o romance, ao que a premiada escritora mexicana Valeria Luiselli respondeu: “Com todo respeito, esta parece a pior escolha possível de um livro para 2020”. Na imprensa escrita, o mal-estar foi se impondo aos elogios. A repórter Esmeralda Bermúdez, do Los Angeles Times, escreveu um texto que reflete parte do incômodo. Bermúdez contava que sua família fugiu de El Salvador na década de 1980, durante a guerra e a brutal caçada dos esquadrões da morte: “Achei que poderia reconhecer parte da minha história no livro. Aí comecei a lê-lo (...). Fui percebendo que não havia sido escrito para gente como eu, e sim para os outros, para encantá-los com uma viagem selvagem ao outro lado da fronteira, para fazê-los sentirem a confusão da situação dos migrantes (...). Tudo isso a partir dos piores estereótipos, obsessões e imprecisões sobre os latinos”. Em outro artigo do LA Times, seu autor, Daniel Hernández, dá voz ao escritor de origem salvadorenha Roberto Lovato, que critica a indústria editorial: “Estão tratando este assunto [o drama da migração] como se fosse um filme da Marvel”.

Com o escândalo em etapa de crescimento, a autora deu poucas explicações. “Durante cinco anos relutei em escrever esta história, porque não sou migrante, não sou mexicana e não sabia se tinha o direito de escrevê-la”, disse recentemente numa entrevista, “mas meu pai morreu inesperadamente. Isso foi em 2016, a uma semana das eleições presidenciais (...) E, bom, percebi que não me importava o que ninguém dissesse, porque meu pai estaria muito orgulhoso deste livro”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: