Pescadores de Ceuta capturam um peixe-lua de mais de 1.000 quilos

O exemplar, de três metros de comprimento, foi devolvido ao mar depois de ficar preso nas redes de uma almadrava

O momento em que o peixe-lua é capturado. Estación de Biología Marina del Estrecho de la Universidad de Sevilla (Ceuta)

Na semana passada, um enorme exemplar escuro de peixe-lua deixou perplexos biólogos e pescadores na almadrava de Ceuta. O animal caiu nessa armação de redes de pesca, mas, antes de soltá-lo, eles o mediram e extraíram amostras de seu DNA. Tinha quase três metros da boca à cauda e 3 metros e 20 centímetros de largura. Tentaram pesá-lo, mas a balança não aguentou porque calculou apenas até 1.000 quilos, que o peixe facilmente ultrapassava. Esta espécie é o peixe ósseo mais pesado do planeta. Pouquíssimos exemplares foram encontrados na Espanha na última década, nenhum dessas dimensões, segundo os especialistas.

“Foi muito excepcional porque devia ter em torno de duas toneladas. Um espécime capturado no Japão que media 2,7 metros pesava 2,3 toneladas. É uma espécie pelágica difícil de estudar, mas dá para ver muitos nas almadravas”, explica Enrique Ostalé, coordenador da Estação Biológica Marinha do Estreito da Universidade de Sevilha, com sede em Ceuta.

A captura foi no dia 4 de outubro, a apenas 500 metros da costa de Ceuta, um paraíso para ver espécies como tartarugas-cabeçudas e tartarugas verdes, baleias e golfinhos por causa da corrente que vem do Estreito. O mergulhador Sergio Guzmán mergulhou para fazer a varredura da captura daquele dia e alertou seis biólogos sobre o achado, e eles prontamente atenderam ao chamado para analisar o animal. “Há dois anos vimos um pesando mais de 500 quilos, mas esse era incrível”, resume o mergulhador. As redes dessa almadrava de Ceuta costumam capturar muitos exemplares de peixe-lua, soltos de imediato junto com outras espécies, e no ano passado chegaram a pegar 572 exemplares em um único dia. Nenhum com o porte majestoso, enigmático e deslocado, como recém-saído de um aquário descomunal, que apresentava o animal da semana passada, da espécie mola alexandrini.

Um exemplar do peixe-lua.Estación de Biología Marina del Estrecho de la Universidad de Sevilla (Ceuta)

O peixe-lua, cujo nome científico é mola mola, é uma espécie em estado de vulnerabilidade —cuja população está diminuindo, segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN)— que sulca as águas temperadas dos oceanos do mundo. “Não é comercializado porque pode conter toxinas e se alimentar de organismos planctônicos, larvas de peixes e medusas. Já vimos muitos na costa galega porque se deitam sobre si mesmos e carregam gaivotas que lhes tiram os vermes”, explica Eva Velasco, pesquisadora do Instituto Espanhol de Oceanografia em Vigo. Velasco faz parte do projeto Diversimar, um guia de espécies marinhas que, graças à colaboração dos cidadãos, permite a identificação de peixes de grande porte na costa da Galícia e no mar Cantábrico.

“Uma das questões pendentes é saber por que caem tão poucos peixes-lua nas almadravas de Barbate —no outro lado do Estreito— e aqui tantos. Talvez seja por causa das distribuições por correntes”, acrescenta Ostalé, biólogo do grupo de pesquisa do Laboratório de Biologia Marinha da Universidade de Sevilha e que desde 2018 estuda estes espécimes com o biólogo suíço Lukas Kubicek. Ambos os pesquisadores publicaram um capítulo sobre a espécie no livro Los peces luna del océano: evolución, biología y conservación. Ostalé também é o autor do vídeo subaquático que mostra como o peixe-lua sai da almadrava de Ceuta em ritmo vagaroso depois de ficar 15 minutos pendurado pelas cordas e ganchos do convés de uma embarcação para ser analisado por cientistas.

O peixe-lua, transportado por equipamentos.
O peixe-lua, transportado por equipamentos. Estación de Biología Marina del Estrecho de la Universidad de Sevilla (Ceuta)

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS