EUA planejam oferecer em setembro uma terceira dose de vacina para conter a variante delta

O reforço, que até agora estava previsto apenas para imunossuprimidos, será ampliado para quem já foi imunizado com Pfizer-BioNTech ou Moderna

Profissional de saúde prepara dose de vacina contra a covid-19 em Nova York nesta quarta-feira.
Profissional de saúde prepara dose de vacina contra a covid-19 em Nova York nesta quarta-feira.Mary Altaffer (AP)
Mais informações

A Administração de Joe Biden preparou um plano para oferecer uma terceira dose de vacina contra a covid-19 a partir de 20 de setembro, anunciaram nesta quarta-feira as principais autoridades de saúde dos Estados Unidos. O reforço será oferecido a quem estiver vacinado com Pfizer-BioNTech ou Moderna e estará disponível para os americanos que receberam a segunda dose há pelo menos oito meses. O objetivo é frear a propagação da variante delta do coronavírus, que tem uma carga viral até 1.200 vezes maior que a das mutações anteriores e fez os casos de covid-19 dispararem no país. A iniciativa de oferecer um reforço ainda deve passar por uma avaliação de segurança e eficácia da Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês).

Os americanos que receberam a dose única da vacina da Johnson & Johnson provavelmente também precisarão de um reforço, mas os especialistas estão à espera de mais dados para fazer a recomendação. “Isto é o que [as pessoas] precisam saber: se estão completamente vacinadas, ainda têm um alto grau de proteção contra os piores efeitos da covid-19, internação por sua forma grave e morte”, explicou nesta quarta-feira em entrevista coletiva na Casa Branca o doutor Vivek Murthy, principal autoridade de saúde dos EUA. “Não recomendamos que saiam em busca de um reforço hoje, mas a partir da semana de 20 de setembro”, acrescentou.

Há duas semanas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu que as empresas e países que controlam o fornecimento global de vacinas adotem uma moratória e não ofereçam uma dose de reforço, pelo menos, até o final de setembro, buscando reduzir o desequilíbrio nas taxas de imunizados.

“Os dados disponíveis deixam muito claro que a proteção contra a infecção pelo SARS-CoV-2 começa a diminuir com o tempo depois das doses iniciais de vacinação e, em associação com o predomínio da variante delta, estamos começando a ver evidências de proteção reduzida contra infecções leves e moderadas”, diz o comunicado assinado por oito autoridades de saúde, entre eles Rochelle Walensky, diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), e o doutor Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas. “Por isso, chegamos à conclusão de que será necessária uma dose de reforço para maximizar a proteção induzida pela vacina e prolongar sua durabilidade.”

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Na semana passada, a FDA autorizou uma dose adicional para as pessoas imunossuprimidas (pacientes com câncer, transplantados ou com HIV, entre outros) pelo menos 28 dias depois de completar o esquema vacinal. A agência federal aprovou a recomendação do CDC, que argumentou que as pessoas “nem sempre geram níveis adequados de proteção após receber duas doses de uma das duas vacinas com RNA mensageiro”.

Quando a OMS fez seu pedido de moratória no início deste mês, os EUA rejeitaram a ideia. “Acreditamos que é uma escolha falsa e que podemos fazer as duas coisas [doar e aplicar uma terceira dose]”, afirmou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psak. A maior potência mundial é a que mais doou vacinas a países vulneráveis, superando 100 milhões de doses.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.


Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: