EUA autorizam terceira dose da vacina para pessoas imunodeprimidas

Autoridades sanitárias norte-americanas consideram que por enquanto isso não é necessário para a população em geral

Profissional sanitário prepara uma dose da vacina do laboratório Moderna contra a covid-19 na Louisiana, sul dos EUA.
Profissional sanitário prepara uma dose da vacina do laboratório Moderna contra a covid-19 na Louisiana, sul dos EUA.Gerald Herbert (AP)

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Mais informações

A agência norte-americana de medicamentos (FDA, na sigla em inglês) autorizou a administração de uma terceira dose da vacina contra a covid-19 para pessoas imunodeprimidas ou que tenham recebido um transplante de órgão. A ampliação da imunização com os produtos da Pfizer e Moderna, atualmente pautada com duas doses para a população maior de 12 anos, é aprovada num momento em que se debate a necessidade de uma terceira injeção geral para toda a população.

“Depois de uma revisão exaustiva dos dados disponíveis, a FDA determinou que este grupo pequeno e vulnerável pode se beneficiar de uma terceira dose das vacinas Pfizer ou Moderna”, afirmou a comissária interina da agência, Janet Woodcock, em um comunicado divulgado na noite de quinta-feira. O percentual de cidadãos aptos a receber essa terceira dose por sua situação de especial vulnerabilidade não supera 3% dos adultos, segundo informou pela manhã a diretora dos Centros de Controle de Doenças, Rochelle Walensky, quando a imprensa local já havia antecipado a iminente decisão.

Os Estados Unidos não são o primeiro país a abrir esta via. França e Alemanha já decidiram recomendar que os imunodeprimidos recebam uma terceira dose da vacina. Por enquanto, a agência norte-americana não considera que isso seja necessário para o resto da população, mas o assunto paira sobre Washington. O epidemiologista de referência da Casa Branca, Anthony Fauci, considera “inevitável” que essa dose de reforço, também chamada de memória, seja estendida futuramente a toda a população – mas não agora.

O debate sobre a terceira dose é internacional. A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu aos países desenvolvidos, que já conseguiram acelerar seu processo de inoculação, que adiem essa terceira dose para poder priorizar a distribuição nos lugares mais desfavorecidos, num momento de grande disparidade no processo global de vacinação.

Enquanto isso, o Governo norte-americano luta para convencer todos os seus cidadãos aptos a se vacinarem, após meses de desaceleração nesse processo. Apenas 59% da população maior de 12 anos já recebeu as duas doses. As vacinas contra o coronavírus ainda não foram formalmente aprovadas pela FDA, mas contam com uma autorização de uso emergencial.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: