Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Pamonhas, pamonhas, pamonhas; fake news, fake news, fake news

Mais que um gabinete do ódio, a Odiobrás é uma firma de economia mista, público-privada, que sustenta o bolsonarismo

Protesto de apoiadores do Governo Bolsonaro, que culpam a China pela crise da covid-19, em frente ao Consulado chinês no Rio, em 17 de maio.
Protesto de apoiadores do Governo Bolsonaro, que culpam a China pela crise da covid-19, em frente ao Consulado chinês no Rio, em 17 de maio.PILAR OLIVARES (Reuters)

O som é abafado e tem a mesma rouquidão do carro da “pamonhas, pamonhas, pamonhas, pamonhas de Piracicaba”. Em vez da iguaria de milho, porém, o alto-falante do patriota e cristão ―como o homem se define― prega o uso da cloroquina, convoca as pessoas às ruas contra o isolamento social e xinga STF, governadores, comunistas, petistas, maconheiros e vagabundos. Diante de qualquer reação, aplica um “vai pra China” em vez do clássico “vai pra Cuba”.

O carro da pamonha fascista atravessa a avenida Alfonso Bovero, do Sumarezinho à vila Pompéia (SP), umas três vezes por semana, entre 19h e 20h. Em algumas ocasiões, recebe um panelaço de troco ―e amplifica o seu ódio. Nada do que você já não tenha ouvido antes em um vídeo de uma reunião ministerial no Palácio do Planalto.

Leia mais artigos de Xico Sá
26/04/20. (DVD 998). Niños y niñas en las calles de Madrid el primer dia que pueden salir durante la pandemia de coronavirus. 
Jaime Villanueva.
Melô da quarentena: Plunct Plact Zum, não vai a lugar nenhum
Detalle de las partículas de saliva del Presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, al salir del Palacio do Alvorada este viernes, en la ciudad de Brasilia (Brasil).
Advertência de Jeca Tatu ao presidente da República
O vírus do Ipiranga na rota Belém-Brasília

Essa é uma versão de bairro, algo pueril, raiz, digamos assim, do esquema de negacionismo e da propagação do ódio como política de rua. Em Brasília, esse mesmo sentimento vai além de um gabinete de notória especialização em infâmias. Funciona, na prática, que me permitam a alegoria, como uma Odiobrás, uma sociedade de economia mista do ódio, com participação da máquina federal e de particulares. O elenco reunido no inquérito das Fake News revela a dimensão dessa rede formada por fascistoides avulsos, parlamentares e empresários bolsonaristas.

A Odiobrás conta também com uma linha de montagem de robôs que trabalham 24 horas com a eficiência de levantar hashtags nas redes sociais e abastecer bovinamente o WhatsApp da família brasileira com notícias falsas. E daí, qual a novidade? Zero. Tudo funciona desde sempre como o pregoeiro e o bordão pamonha, pamonha, pamonha pelos bairros da Pauliceia.

A diferença agora é que o STF, via ministro Alexandre de Moraes, e a CPI do Congresso, mesmo em ritmo de quarentena, devem fechar o cerco sobre a turma orientada pelo vereador federal Carlos Bolsonaro, acusado de Pinóquio-mor do esquema. O novo presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, também prometeu colocar em pauta no tribunal a ação que votará o pedido para cassar a chapa Bolsonaro/Mourão, o que resultaria em novas eleições diretas.

Pode ser apenas um sonho de uma noite de quarentena, mas Barroso anda com uma prosa sobre choque de iluminismo ―aquela onda da ciência e da razão, escola dos europeus do século 18. Que haja pelo menos um choque de lampiões e candeeiros, para ficar nas luzes brasileiras contra as trevas medievais dos trópicos.

Pamonhas, pamonhas, pamonhas, pamonhas de Piracicaba; mentiras, mentiras, mentiras, mentiras do gabinete do ódio. O puro creme da fake news da Odiobrás. Que me desculpe o vendedor original da deliciosa iguaria caipira, clássico desta província de Piratininga, mas o alto-falante que espalha bolsonarismo pelas ruas a essa altura me lembra muito, talvez por ter copiado o ritmo da prosódia pamonheira, o seu modo de venda.

A diferença é que a última vez que a pamonha ideológica foi bem-vendida nessa área, em 2018, o produto ainda exibia o rótulo Bolsodória colado na palha do milharal que enganou muita gente. Foi apenas uma magia eleitoreira. Passou. Todo cuidado é pouco com as pamonhas bem-embaladas.

Prefira, sempre, as de Piracicaba.

Xico Sá, escritor, jornalista, autor de “Big Jato” (editora Companhia das Letras), entre outros livros, e comentarista do programa “Redação” (Sportv).

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS