_
_
_
_
Pandemia de coronavírus
Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Bolsonaro sob a lupa

O presidente do Brasil será investigado por importantes acusações

Bolsonaro na posse do novo ministro da Justiça, André Mendonça, no Planalto.
Bolsonaro na posse do novo ministro da Justiça, André Mendonça, no Planalto.UESLEI MARCELINO (Reuters)

Depois da renúncia do ministro da Justiça, o ex-juiz Sergio Moro, a crise no Brasil passou a ter consequências muito graves para o presidente Jair Bolsonaro, incluindo um hipotético processo de destituição do cargo. A decisão do Supremo Tribunal Federal de endossar, a pedido da Procuradoria-Geral da República, o início de uma investigação contra o presidente por falsidade ideológica, obstrução da Justiça, prevaricação e corrupção passiva privilegiada, entre outros, dá plausibilidade às acusações lançadas por Moro sobre as verdadeiras razões da demissão do chefe de Polícia Federal, ordenada pelo presidente.

Mais informações
29 April 2020, Brazil, Brasília: Brazilian President Jair Bolsonaro (R) shakes hands with Andre de Almeida Mendonca during his appointment as the new Minister of Justice. Former Brazilian Justice Minister Moro had previously made serious accusations against Bolsonaro and resigned from his post a few days ago. Photo: Marcello Casal Jr/Agencia Brazil/dpa - ATTENTION: editorial use only and only if the credit mentioned above is referenced in full


29/04/2020 ONLY FOR USE IN SPAIN
STF confronta Bolsonaro e assume protagonismo na crise política
(FILES) In this file photo taken on August 29, 2019, Brazilian President Jair Bolsonaro (R) and his Minister of Justice and Public Security Sergio Moro chat during the launching ceremony of the Front Brazil Project, which aims at reducing the rates of violence in cities, at Planalto Palace in Brasilia, Brazil. - Brazilian Minister of Justice and Public Security, Sergio Moro, announce his resignation on Friday after Brazilian President Jair Bolsonaro dismissed the head of the Brazilian Federal Police. (Photo by EVARISTO SA / AFP)
Apoio ao impeachment de Bolsonaro alcança 54% e aprovação de Moro vai a 57% após sair do Governo
Chamblon (Switzerland), 30/04/2020.- Soldiers of the Swiss army wearing protective face mask during a rifle shooting exercise with smartphone in their pocket during a test, with 100 soldiers, of a smart phone app using Decentralized Privacy-Preserving Proximity Tracing (DP-3T) during the state of emergency of the coronavirus disease (COVID-19) outbreak, in the military compound of Chamblon near Yverdon-les-bains, Switzerland, Switzerland, 30 April 2020. Secure contact tracing could be a powerful tool to fight the spread of COVID-19, a unique, decentralized system developed as part of an international consortium, including Swiss Federal Institute of Technology, EPFL Lausanne and ETH Zurich, will soon be launched with the support of the Swiss Federal Office of Public Health. DP-3T proposes a secure, decentralized, privacy-preserving proximity tracing system based on the Bluetooth Low Energy standard. Its goal is to simplify and accelerate the process of identifying people who have been in contact with someone infected with the SARS-CoV-2 virus. (Suiza, Estados Unidos) EFE/EPA/LAURENT GILLIERON
AO VIVO | As últimas notícias sobre o coronavírus e a crise política

Bolsonaro, que chegou à Presidência do Brasil se apresentando, entre outros argumentos, como o campeão da luta contra a corrupção —ele se gabava de que em 28 anos como deputado nunca havia sido apontado como corrupto—, agora será submetido a escrutínio pela Justiça sob o olhar atento de uma opinião pública perante a qual está perdendo credibilidade. Além do mais, a substituição que Bolsonaro buscava na chefia da Polícia Federal não era exatamente inquestionável, pelo menos em termos formais. Queria colocar um delegado cuja amizade com um de seus filhos é conhecida. Acontece que é essa mesma polícia que se encarregará da investigação.

Uma das jogadas de efeito do político ultradireitista quando chegou ao poder em janeiro do ano passado foi a nomeação do então juiz Sergio Moro como ministro da Justiça e Segurança Pública. Moro ganhou grande notoriedade como promotor da megacausa contra a corrupção chamada Operação Lava Jato, um verdadeiro terremoto na vida política e empresarial brasileira e que, entre outras consequências, terminou com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A saída abrupta de Moro também se une à do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, um forte defensor das medidas de confinamento para combater a covid-19 que têm sido pública e repetidamente desprezadas em público pelo presidente.

Há menos de um ano e meio no poder, Bolsonaro assiste à abertura de uma inesperada frente judicial que se une à crise política em seu próprio Governo, um sombrio panorama econômico que será agravado pela pandemia e a queda na popularidade causada, entre outras razões, por sua errática e às vezes bizarra gestão da pandemia. Como costuma acontecer com os populistas na hora de administrar, Bolsonaro está alcançando o completo oposto da promessa de “tornar grande” o seu país. O Brasil já era um grande país. E deve continuar sendo.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_