_
_
_
_

Moscou ameaça bloquear o YouTube por fechar dois canais russos por desinformação sobre a covid-19

Kremlin acusa a plataforma de vídeos do Google de “censura” por cancelar duas contas em alemão da estatal RT

María R. Sahuquillo
O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, em Moscou em 2019.
O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, em Moscou em 2019.EVGENIA NOVOZHENINA (Reuters)

Nova escalada do Kremlin contra os gigantes da internet. A Rússia ameaçou nesta quarta-feira o YouTube com um bloqueio e uma multa se não forem restaurados dois canais estatais em alemão que a plataforma de vídeos de propriedade da Alphabet, empresa controladora do Google, fechou um dia antes por violar sua política de informação sobre a covid-19. O Kremlin acusou o YouTube de censura e o Ministério de Relações Exteriores da Rússia, que descreveu a decisão da plataforma como uma “agressão sem precedentes contra a informação”, anunciou que pedirá medidas de retaliação contra a mídia alemã e o YouTube.

Na terça-feira, o YouTube removeu os canais DE e DFP, da russa RT. A empresa americana afirmou que o canal em alemão da RT tinha recebido uma advertência por divulgar conteúdo que violava sua política contra a desinformação sobre o coronavírus, o que acabou levando a um bloqueio de uma semana. “Durante a suspensão, a RT DE tentou contornar essa restrição utilizando outro canal do YouTube para subir seus vídeos: [DFP]”, assinalou o YouTube em uma nota, explicando que devido a isso cancelou os dois canais.

O Governo alemão se desvinculou da decisão do YouTube, que além dos dois canais russos em alemão fechou outros recentemente por desinformação sobre a pandemia. Em agosto, a plataforma impôs um bloqueio de uma semana à Sky News Australia, de Rupert Murdoch. Em seu blog, o YouTube afirmou nesta quarta-feira que eliminará qualquer conteúdo antivacinas.

A RT não tem licença para transmitir por sinal terrestre nem por satélite na Alemanha, cuja agência de inteligência considera o serviço em alemão do canal russo um braço de propaganda do Kremlin.

O órgão regulador das telecomunicações na Rússia, o Roskomnadzor, informou nesta quarta-feira que enviou uma notificação ao YouTube exigindo a restauração dos dois canais em alemão da RT “o mais rápido possível”. Caso contrário, prosseguiu o órgão, a plataforma pode ter de pagar uma multa equivalente a 82.000 reais e até mesmo ser bloqueada no território russo. O Kremlin afirma ter indícios de que o YouTube infringiu as leis russas. “Deveria haver tolerância zero com esse tipo de violações da lei”, disse nesta quarta-feira Dmitri Peskov, porta-voz do presidente russo, Vladimir Putin.

Enquanto isso, o Governo alemão advertiu contra as possíveis ações das autoridades russas contra os veículos de comunicação alemães na Rússia. “Quem pede essa represália não mostra ter boa relação com a liberdade de imprensa”, disse Steffen Seibert, porta-voz da chanceler Angela Merkel, insistindo que Berlim não teve nada a ver com a decisão do YouTube.

Não é o primeiro caso em que a Rússia é associada à divulgação de desinformação sobre a pandemia. No mês passado, o Facebook eliminou centenas de contas, acusando-as de fazer parte de uma campanha de informações falsas divulgadas principalmente na Rússia —e com origem nesse país— sobre as vacinas contra a covid-19.

A nova ameaça russa ao YouTube aumenta a tensão entre o Kremlin e os gigantes da internet. Moscou tenta obrigá-los a armazenar em território russo os dados de seus usuários na Rússia. Além disso, eles têm sido alvo de sucessivas multas por não apagar conteúdos que o Governo russo considera proibidos, como mensagens relacionadas com os protestos sociais ou as manifestações de apoio ao opositor encarcerado Alexei Navalni. Nesta quarta-feira, um tribunal russo voltou a multar o Google —que já acumula o equivalente a 2,9 milhões de reais em multas desde o início do ano—, medida que se soma a outras sanções contra Twitter, Facebook, Telegram e TikTok.

Além disso, neste mês, após pressão do Kremlin, a Apple e o Google bloquearam o aplicativo de “voto inteligente” de Alexei Navalni. O aplicativo, criado pela equipe do opositor —cujas organizações foram proibidas na Rússia e declaradas “extremistas”—, trazia informações sobre os candidatos com mais possibilidades de derrotar os do partido de Putin nas eleições parlamentares realizadas em 19 de setembro.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_